questões de mídia e política

Alcolumbre ganha asas

Presidente do Senado toma o lugar de Eduardo Bolsonaro e se torna um dos políticos mais citados em novembro

Emily Almeida
10dez2019_17h32
MONTAGEM DE PAULA CARDOSO EM FOTO DE PEDRO LADEIRA/FOLHAPRESS

Em meio à tramitação do projeto de lei que autoriza a prisão após condenação em segunda instância, um nome novo ganhou asas no Twitter: o do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). De outubro a novembro, o senador amapaense cresceu 870% em menções na rede. Chegou a 1,9 milhão de citações, mais do que o 1,5 milhão de citações que alcançou em todo o primeiro semestre de 2019. Os dados são da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (Dapp-FGV) que, a pedido da piauí, monitora, desde janeiro, menções a figuras políticas ligadas ao governo Bolsonaro na rede social.

Normalmente de desempenho discreto nas redes, Alcolumbre subiu tanto em novembro que só ficou atrás do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro (2,8 milhões), líder do ranking desde abril. 

Movimentos coordenados de grupos de direita são um dos motivos para que Davi Alcolumbre tenha surgido entre as figuras políticas mais lembradas no Twitter. Um, em específico, pede a abertura do processo de impeachment dos ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal. A ação tomou forma depois que a prisão após condenação em segunda instância foi revogada no Supremo, e a pressão para que o assunto seja colocado em pauta caiu sobre o presidente do Senado. A hashtag #AbraImpeachmentAlcolumbre ficou entre os assuntos mais comentados na rede em 18 de novembro. No dia anterior, protestos isolados contra a decisão do STF tomaram forma em algumas capitais do país.

No mesmo mês, Alcolumbre usou seu perfil no Twitter para lamentar a declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre um possível pedido de um novo AI-5, dependendo da temperatura das manifestações nas ruas. “É inadmissível a todo momento uma declaração que remonta ao passado triste da nossa história, como o retorno do AI-5, vir à tona. O caminho para a prática da democracia é o respeito ao país”, publicou o senador. O tuíte gerou respostas negativas de apoiadores do governo, que acusaram Alcolumbre de usar a declaração para desviar o foco da votação pela prisão em segunda instância. Nesta terça (10), a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado aprovou, por 22 votos a 1, o projeto de lei que autoriza a prisão depois de uma condenação em segunda instância. A proposição segue para uma votação em segundo turno amanhã e poderá ser encaminhada para a Câmara dos Deputados.



O presidente do Senado também esteve no alvo de ataques durante o mês de junho, quando apareceu entre os cinco mais citados. Naquele mês, com 47 votos favoráveis e 28 contrários, o Senado votou pela derrubada do decreto que flexibilizaria a posse e o porte de armas no país. A votação trouxe consigo uma onda de ameaças aos senadores que declararam votos contrários à aprovação. Davi Alcolumbre condenou as ameaças publicamente. “Cobrem os senadores do seu estado”, anunciou Bolsonaro em um tuíte, antes da revogação.


O pico de citações ao senador se dá em um momento de acordos com a Câmara, principalmente com relação à tramitação do projeto que autoriza a prisão após condenação em segunda instância. Tanto Alcolumbre quanto o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), são vistos como obstáculos para o avanço da agenda bolsonarista.

Correligionário de Alcolumbre no DEM, Maia surgiu como o sétimo político mais lembrado na rede em novembro, com 805 mil menções. Durante o mês de outubro, porém, o presidente da Câmara não esteve nem entre os dez políticos mais citados – acumulou apenas 546 mil citações enquanto as redes concentravam suas atenções na disputa entre o filho Zero Três do presidente da República, Eduardo, e a deputada Joice Hasselmann pela liderança do PSL.

Eduardo Bolsonaro se mantém como um dos mais citados. O ex-vereador Carlos Bolsonaro, o filho zero dois, mesmo com seu sumiço das redes, teve um aumento de 16% nas menções em novembro em comparação com o mês anterior. Já o filho zero um, o senador Flavio Bolsonaro, caiu 36%. O desfecho do embate entre Hasselmann e o zero três ganhou forma em uma ação do Conselho de Ética da Câmara. Sem o apoio do PSL, Eduardo responderá por ter sugerido a convocação de um novo AI-5 e por referir-se a Joice Hasselmann como “Peppa Pig”, uma personagem de desenho animado, nas redes sociais. Em novembro, as menções a Hasselmann despencaram de 1 milhão para 545 mil. 

Outros personagens do governo também cresceram: tanto o ministro da Educação, Abraham Weintraub, quanto Paulo Guedes duplicaram em menções (passaram para 1,1 milhão e 801 mil, respectivamente). Com a queda de Hasselmann, a deputada Bia Kicis se consolida cada vez mais como uma das figuras do PSL em ascensão. Desde setembro, as menções a Kicis só crescem. 

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

Repórter da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

3

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

4

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

5

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

6

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

7

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

8

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

9

A droga da desinformação

Publicações falsas ou enganosas sobre remédios sem efeito comprovado contra Covid-19 são um terço das verificações do Comprova no último mês

10

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana