=igualdades

Amapá é o estado com maior número de PMs por habitante; Santa Catarina tem o menor número

Luigi Mazza, Amanda Gorziza e Renata Buono
08set2021_09h24

Proporcionalmente, nenhum estado brasileiro tem tantos policiais militares quanto o Amapá. Segundo os dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, há um PM da ativa para cada 276 amapaenses. A média nacional é de um policial militar para cada 521 brasileiros. Nesse quesito, o extremo oposto do Amapá é Santa Catarina, estado que tem o menor número proporcional de PMs: há um agente da ativa para cada 704 catarinenses.

O Amapá, além de ser o estado brasileiro com a maior quantidade proporcional de PMs, é o que proporcionalmente mais investe em segurança pública. Em 2020, o governo do Amapá gastou R$ 873 per capita com segurança – praticamente o dobro da média nacional, de R$ 463 per capita. O estado que menos gasta com segurança pública, proporcionalmente, é o Piauí, onde foram gastos apenas R$ 239 per capita com segurança em 2020.

Fontes: Anuário Brasileiro de Segurança Pública e IBGE.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí

Amanda Gorziza (siga @amandalcgorziza no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas

O adeus de Merkel, a anti-Trump

Enquanto nos Estados Unidos e no Brasil debate público virou briga de rua, política alemã mostrou com sua chanceler a assepsia de um seminário de pós-graduação – o que também está longe do ideal

O puro suco de Bolsonaro

Ao comer pizza na rua e mentir na ONU, presidente contamina as redes e desvia a atenção daquilo que abala sua popularidade

O horror está entre nós

Uma face tétrica da atualidade é a perda da esperança de viver bem no Brasil

A morte em segredo

O conhecido médico negacionista Anthony Wong morreu de Covid-19 – mas isso foi escondido por 123 profissionais do hospital da Prevent Senior

Reforma administrativa ameaça democracia

Fim da estabilidade dos servidores, uma das propostas da mudança, fragiliza o Estado e coloca em risco as políticas públicas

Mais textos