=igualdades

Arroz que some do prato

Luiza Ferraz e Renata Buono
16set2020_12h30

Depois de um pacote de 10 quilos chegar a custar R$ 45, como é o caso no Rio de Janeiro, o arroz ocupou os debates online antes mesmo da divulgação da inflação para agosto pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), que monitora mensalmente o preço dos itens que compõem a cesta básica em 17 capitais brasileiras, o item sofreu um aumento em todas as cidades em agosto em relação ao mesmo período do ano passado. Em segundo lugar no ranking com a maior variação, Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, chegou a vender um pacote de 10 quilos por 38,40 reais em agosto – valor 38% acima do praticado no mesmo mês de 2019 e 35,7% acima daquele registrado em fevereiro, antes de a pandemia do novo coronavírus ter início no país. Isso significa que, se uma campo-grandense decidisse gastar 100 reais para comprar apenas arroz, ela conseguiria levar 35 quilos para casa em fevereiro. Mas, em agosto, a mesma quantia passou a comprar 9 quilos a menos. Além de Campo Grande, as cidades que tiveram maior variação em agosto de 2020 em relação ao mesmo período de 2019 foram: Porto Alegre (42,6%), Goiânia (35,9%), Florianópolis (33,9%) e Curitiba (33,1%).

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o preço do arroz nas capitais se justifica. Isso porque de janeiro a agosto o arroz registrou uma variação de 19,25%. Mas apenas o aumento em relação a julho foi de 3,08%, o que explica o debate em torno do tema recentemente. Divulgada na quarta-feira (9) pelo IBGE, a inflação oficial do país para agosto ficou em 0,24%. Ela é medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que se refere a famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos. A taxa é a mais alta para o mês desde 2016 e foi puxada, principalmente, pelo preço dos alimentos e da gasolina. O valor acumulado para o ano foi de 0,70%.

Luiza Ferraz (siga @lz_ferraz no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas Mais Lidas

Quando gente vira cobaia

Fernando Reinach explica quais são e como funcionam os controles que existem para cientistas não ultrapassarem limites éticos em suas pesquisas

Vacinas na mira dos boatos

De carona na recusa do governo federal à vacina chinesa, conteúdos falsos e enganosos sobre imunização se intensificam nas redes sociais

Faltou combinar com a Bahia

Defensor do apoio a Ciro Gomes em 2018, senador Jaques Wagner minimiza encontro do pedetista com Lula e diz que presidenciável cearense se aproxima da direita

As incríveis aventuras do ministro-astronauta

Pontes nomeou para cargo de confiança sócia com quem mantém rede de empresas para venda de bonecos, livros, palestras motivacionais e viagens ao espaço

A esquerda que se arma contra Trump

Cultura armamentista típica dos conservadores americanos ganha cada vez mais adeptos entre minorias e grupos de tradição democrática

Foro de Teresina #124: O bolsonarismo frita seus generais

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Pastores, polícias e milícias

As eleições municipais e a multiplicação do bolsonarismo

Mais textos
1

Do Einstein para o SUS: a rota letal da covid-19

Epidemia se espalha para a periferia de São Paulo justamente quando paulistanos começam a abandonar isolamento social

3

Entre o planejamento e o improviso

Pelo mesmo motivo que escolhi a Argentina para torcer na semifinal, me decidi pela Alemanha na decisão. Ao menos os alemães ganharam suas três partidas de mata-mata com a bola rolando. Além disso, uma vitória da seleção alemã premiará o planejamento, a renovação e o trabalho bem feito, ampliando o tamanho da lição que recebemos no dia que não existiu.

4

Viva o quarto aniversário!

Uma edição com poesia, ficção, ensaios e chulices de primeira

5

Le roi est mort, vive Gotlib

Pérolas aos poucos

7

O Gênesis

A versão oficial da Bíblia no traço do cartunista americano

8

Elos perdidos

Entre o Palácio do Planalto e os traficantes, as associações de moradores de favelas

10

Dado Dolabella exige que seus namoros sejam cobertos pelo SUS

RIO DE JANEIRO – O ator, cantor e enfant terrible Dado Dolabella declarou ontem que tem mais de dez anos de bons serviços prestados à saúde pública brasileira "sem jamais ter recebido um tostão por isso”. Dolabella se referia à afirmação do ministro da Saúde, José Gomes Temporão, segundo a qual o sexo é um dos meios mais eficientes para combater a hipertensão, um mal que aflige uma fatia crescente da população brasileira.