questões cinematográficas

As Boas Maneiras – sinal de alerta

Filme de Marco Dutra e Juliana Rojas coloca em cena a improvável relação homossexual entre patroa e empregada para despistar o espectador de seu verdadeiro tema

As Boas Maneiras – sinal de alerta
12jul2018_18h11
“Se me animo a compartilhar meu infortúnio de sábado, é na esperança de que sirva de alerta – quem quiser, vá, mas saiba que <i>As Boas Maneiras</i> faz mal à saúde”, escreve o crítico
“Se me animo a compartilhar meu infortúnio de sábado, é na esperança de que sirva de alerta – quem quiser, vá, mas saiba que As Boas Maneiras faz mal à saúde”, escreve o crítico REPRODUÇÃO_AS BOAS MANEIRAS

Noites de lua cheia nunca mais serão as mesmas depois de ter assistido a As Boas Maneiras. Incautos, como eu, devem se cuidar – na falta de serviço de alerta, ir ao cinema desprevenido se tornou arriscado.

Confesso que só mesmo por dever de ofício aguentei até o fim os 135 minutos de duração do filme de Marco Dutra e Juliana Rojas. Tive que me esforçar para não bater em retirada depois de um bom tempo, quando As Boas Maneiras deixa de dissimular seu tema. Ou melhor, quando revela seu verdadeiro tema. Sai a improvável relação homossexual entre patroa e empregada. Entra em cena o inverossímil menino lobisomem criado por uma mãe adotiva, ora caridosa, ora carcereira.

Dito assim, o eventual leitor, incrédulo, poderá duvidar do que está lendo. Pois pode crer. Asseguro que não é exagero. E mais: não satisfeitos com a mixórdia de situações e estilos que acumulam no transcorrer do filme, Dutra e Rojas ainda fazem incursão inesperada por diálogos em verso, cantados como no musical Os Guarda-Chuvas do Amor (1964), de Jacques Demy.

De início, o padrão de fatura – elenco, locações, fotografia, em especial – pode sustentar o interesse do espectador inocente. A partir de certo ponto, porém, o absurdo prevalece e quem não for fã do gênero – filme de terror – terá dificuldade de suportar até o final o que é exibido na tela.  

Fui despreparado, é verdade, seguindo indicação de uma amiga dileta. Relutante, para não chegar atrasado à sessão, deixei Croácia e Rússia empatadas. À medida que crescia minha aversão pelo que via, eu me perguntava o que teria feito à minha amiga para ela se vingar de mim daquela maneira – me induzir a assistir a As Boas Maneiras e perder o final do jogo, a prorrogação com cada time fazendo mais um gol e, finalmente, para minha alegria a magnífica vitória da Croácia, eliminando a Rússia de Vladimir Putin.

Mesmo tentando prestar atenção ao filme, comecei a me perguntar se teria sido lua cheia na véspera, em Kazan, onde o Brasil perdeu da Bélgica. Mas não, conforme conferi depois. A lua cheia em Kazan foi em 28 de junho e a próxima será só em 27 de julho. Na véspera da mais recente lua cheia em Moscou, onde ganhamos da Sérvia de 2 a 0, nenhum jogador do Brasil se transformou em lobisomem. Como a tantos poetas, a lua cheia mais inspirou do que perturbou nossa Seleção.

Se me animo a compartilhar meu infortúnio de sábado, é na esperança de que sirva de alerta – quem quiser, vá, mas saiba que As Boas Maneiras faz mal à saúde. Aliás, não seria boa ideia tornar obrigatório incluir nos créditos iniciais de certos filmes uma advertência sanitária, como é feito nos rótulos dos cigarros?

As Boas Maneiras oculta seu verdadeiro tema durante um bom tempo, o que em certos casos é uma qualidade. Neste, porém, o despiste inicial apenas acentua a decepção que se segue. Em vez de apenas insinuar, como faz de início, o filme passa a ser explícito e sanguinolento. Deixa, assim fazendo, de ser assustador para se tornar cada vez mais repugnante.

Na lista dos 25 melhores filmes de horror de todos os tempos, publicada no The Guardian, há um, em especial, que usado como referência poderia ter salvo As Boas Maneiras do desastre: é a adaptação para o cinema de A Volta do Parafuso, de Henry James, dirigida e produzida por Jack Clayton, consagrada, em 1961, com o título Os Inocentes. Fiel ao original literário, o filme de Clayton insinua mais do que afirma. “Infiltra e celebra a imaginação”, conforme Michael Newton escreveu (The Guardian, 26/dezembro/2013).

Há algo muito inquietante na opção de As Boas Maneiras por fazer um espetáculo de terror – parece resultar da intenção de apelar aos instintos mais baixos do espectador, homens e mulheres que o filme pressupõe que sejam apreciadores do sobrenatural e para os quais entretenimento e racionalidade seriam incompatíveis. Se essa hipótese for comprovada, confirmará a distorção de valores que se tornou cada vez mais comum no cinema brasileiro, dito comercial, nos últimos quinze anos.

As Boas Maneiras – sinal de alerta

Leia também

Últimas Mais Lidas

Hungria, França e Brasil

Por que são críveis os acenos de Haddad ao centro

“São particulares”, diz Exército sobre caminhões usados em campanha

Veículos flagrados com propaganda de Bolsonaro e que viralizaram nas redes foram vendidos pela União, mas continuam com aparência militar

Plata o plomo

Bolsonaro depende de fisiologismo ou de autogolpe para governar

Maria vai com as outras #9: Sexo como ganha-pão

A prostituta de luxo Livia Rodrigues, a dona de uma sex shop para lésbicas e bissexuais Marcia Soares e a atriz pornô Monique Lopes falam sobre os prazeres e agruras que envolvem suas profissões

E se Bolsonaro ganhar?

A violência como plataforma de governo

Os mascates do Rio

A periferia sem crédito mantém a tradição do vendedor de porta em porta

EUA devolvem fortuna à família Hawilla

Com a morte do delator do escândalo Fifa, Justiça restitui à viúva e aos filhos patrimônio de R$ 59 milhões em dinheiro e apartamento em condomínio em ilha de Miami

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

O Paciente e O Banquete – frutos da tragédia

Vistos em conjunto, os dois filmes tornam-se reflexo do cenário político atual

Ciro, a vela e o dane-se

Só ele impede segundo turno antecipado entre Bolsonaro e Haddad

1

Não foi você

Uma interpretação do bolsonarismo

2

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

3

Paulo Guedes contra o liberalismo

A história mostra que uma onda de ódio só chega ao poder quando normalizada

4

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

5

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

6

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

7

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

8

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

9

Por que mulheres trocaram Marina por Haddad, Ciro e Bolsonaro

De líder no voto feminino, candidata despencou para o quarto lugar; seu discurso é “sincero”, mas falta clareza, dizem ex-eleitoras

10

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda