=igualdades

As praias brasileiras mais badaladas do Ano-Novo

Emily Almeida, Amanda Gorziza e Renata Buono
11jan2021_10h41

No feriado de Ano-Novo, no Brasil, muitas cidades praianas tiveram aumento significativo na movimentação de pessoas, conforme mostram dados de mobilidade compilados diariamente pelo Google. Apesar das mais de 200 mil mortes causadas pela Covid-19 no país e do aumento no número de novos casos, os banhistas não deixaram de ir à beira da praia no dia 1º de janeiro. A cidade de Praia Grande, em São Paulo, foi a que teve o maior aumento: na comparação com a média pré-pandemia, o volume de pessoas cresceu 700%. Em seguida vem Arroio do Sal, no Rio Grande do Sul, com alta de 394%, e Peruíbe, em São Paulo, com 370%.

O crescimento do movimento nas festas de fim de ano impactou diretamente nos números da Covid-19. No dia 8 de janeiro, o Brasil registrou 1.379 novos óbitos, maior marca desde o dia 4 de agosto. Além disso, o país ultrapassou a marca de 8 milhões de infectados pela doença e está atrás apenas dos Estados Unidos e da Índia. 

Nota metodológica: o aumento da movimentação nas praias foi calculado com base na categoria “parques” do relatório do Google, já que esta categoria abarca locais públicos de maneira geral. As dez cidades com maior aumento de circulação na categoria “parques” durante os feriados de fim de ano foram cidades praianas.

Fonte: Relatórios de Mobilidade da Comunidade do Google



Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

Repórter da piauí

Amanda Gorziza (siga @amandalcgorziza no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Consórcio de checagem de fatos é indicado ao Nobel da Paz

Presente em 51 países, entre eles o Brasil, Rede Internacional de Verificação de Fatos (IFCN) recebeu a nomeação nesta quinta-feira (21)

A queda do padre youtuber

Marcos de Miranda é afastado da Igreja após denúncia de que infringiu o celibato e tem um filho de 2 anos. Ele nega a acusação

“O mundo em torno de mim está se desfazendo”

Jornalista que vive no Amazonas há trinta anos descreve o colapso dos hospitais manauaras durante a segunda onda da pandemia

Vacina em causa própria

Veterinário que comanda o Departamento de Imunização do Ministério da Saúde inclui a própria categoria na fila prioritária de vacinação contra a Covid-19

A epidemia particular das prisões

No Brasil, suicídios são quatro vezes mais comuns nas cadeias do que fora delas; famílias de presos lutam para que Estado se responsabilize pelas mortes

Pesadelo em Manaus

Mais trinta mil mortos pela Covid em apenas trinta dias. Quem é o responsável por essa tragédia?

Mais textos
1

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

2

121

5

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

6

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

7

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

8

Quixote venceu

Memórias e dúvidas metafísicas de um torcedor do Galo diante da glória

9

Um pierrô apaixonado

As melhores marchas do carnaval do Rio de Janeiro sucederam-se na boca do povo ao longo das décadas de 1920 a 1950, para fixar-se em seguida na memória de todos os cariocas, mesmo aqueles para quem o carnaval será sempre apenas um feriado. Repetidas ao infinito nas rádios, cantadas nas ruas e nas casas, muitas das marchinhas mais populares tornaram-se imortais.