questões eleitorais

Bancada policial e militar mais do que dobra na Câmara

Deputados eleitos vinculados às Forças Armadas ou às polícias passam de 12 em 2014 para 28 nesta eleição

Marcella Ramos
10out2018_22h29
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

A partir do ano que vem, o número de representantes militares ou de forças policiais na Câmara dos Deputados vai ser mais que o dobro do que é nesta legislatura. Foram eleitos 28 candidatos com algum vínculo policial ou militar, seja no nome na urna ou na declaração de profissão ao Tribunal Superior Eleitoral. Na eleição anterior, foram doze os deputados eleitos seguindo o mesmo critério. A chance de uma patente ser eleita à Câmara este ano dobrou: em 2014, 5% dos candidatos com esse tipo de vínculo se elegeram; este ano, a taxa de sucesso subiu para 10%.

Dos 28 candidatos eleitos vinculados à área militar e policial, 18 são filiados ao PSL, partido de Jair Bolsonaro, cuja principal bandeira é a segurança pública. Com essa pauta prioritária e de carona na popularidade do presidenciável, o PSL elegeu 52 deputados. Em 2014, sem Bolsonaro, o partido tinha apenas um. Os outros partidos que elegeram candidatos vinculados a essas áreas foram o PR, com três deputados, e PP, PRB, PDT, PSD, Avante, Pros e Patriotas com um deputado cada.

Um exemplo da popularidade dessa bandeira foi a eleição de Helio Fernando Barbosa Lopes, que se declara subtenente do Exército, deputado com o maior número de votos pelo Rio de Janeiro. Ele fez campanha ao lado de Jair Bolsonaro e, sem parentesco com o candidato, adotou o seu sobrenome. Como “Helio Bolsonaro”, recebeu 345 mil votos. Em 2016, o militar candidatou-se a vereador em Nova Iguaçu, usando o nome “Hélio Negão” – teve apenas 480 votos. Além disso, o número de urna do candidato era o mesmo de Eduardo Bolsonaro, filho do presidenciável, em São Paulo, também do PSL – o deputado mais votado na história, com 1,8 milhão de votos. Na Bahia, o Pastor Sargento Isidório, do Avante, cujo nome na urna sintetiza ao mesmo tempo a tendência militarizante e religiosa, foi o candidato a deputado federal mais votado, com 323 mil votos.

Entre os 28 parlamentares eleitos pegando carona na bandeira pela segurança, metade declarou que tinha outra profissão ao Tribunal Superior Eleitoral, e usava a patente só no nome. É o caso do Capitão Augusto, eleito deputado federal pelo PR de São Paulo. Ao TSE, ele declarou ser “deputado” por profissão. Outros 14 candidatos a deputado eleitos não usam o vínculo policial ou militar como nome de urna, mas declararam profissão nessas áreas – e baseiam suas campanhas no apelo por mais segurança, como a de Daniel Silveira, PM eleito deputado pelo PSL no Rio de Janeiro. Uma de suas principais propostas é a liberação do porte de armas. Ele foi um dos candidatos que quebrou a placa em homenagem a Marielle Franco, vereadora do PSOL executada no Rio em março.

No Senado, cinco candidatos com vínculos militares ou com forças policiais se elegeram. O PSL, porém, não foi protagonista, e sim a Rede. De cinco senadores que o partido elegeu, três são da polícia: o policial civil Fabiano Contarato, eleito pela Rede do Espírito Santo; Capitão Styvenson, que se declara policial militar, pelo Rio Grande do Norte; e o Delegado Alessandro Vieira, do Sergipe. Contarato foi um dos dois senadores que tiraram a cadeira de Magno Malta, do PSL, um dos favoritos para o cargo no Espírito Santo. O candidato da Rede já foi delegado de trânsito e sua candidatura girou em torno do tema. Diferentemente dos candidatos do PSL, ele não defende o porte de armas. Em São Paulo, o PSL elegeu Major Olímpio como senador. Na Bahia, Ângelo Coronel, que não é militar, mas usa o apelido desde a infância, foi eleito senador pelo PSD.

 

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Repórter e coordenadora de checagem da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria vai com as outras #1: Poder

A prefeita Márcia Lucena e a delegada Cristiana Bento contam como exercem o poder em profissões quase sempre ocupadas por homens

Foro de Teresina especial: aguarde

O programa, que contou com a participação da jornalista Maria Cristina Fernandes, foi gravado ao vivo durante o evento que reuniu os melhores podcasters do país

Entre gargalhadas, cotidiano e estratégia: os podcasts de humor

Linguagem politicamente incorreta e medo da repetição estão entre as preocupações dos realizadores 

Em podcasts jornalísticos, muito planejamento e pouco improviso

Produção diversificada e roteiro bem construído ajudam a resumir informação e análise

Um podcast pra chamar de seu: os temas de cada tribo

Futebol, feminismo e história motivam conteúdos produzidos para grupos específicos; para realizadores, nem todo patrocínio é bom

Podcast, um novo modelo de negócio

Mesa de abertura da segunda edição do evento discutiu estratégias de financiamento 

Acompanhe a transmissão ao vivo da segunda Maratona Piauí CBN de Podcast

Encontro está sendo transmitido em áudio e em vídeo nos sites e redes sociais da piauí e da CBN

Sem saúde nem plano

Por que os planos de saúde privados se tornam inviáveis a partir dos 60 anos e como algumas operadoras conseguem cobrar menos

Foro de Teresina #64: A fritura de Moro, a expulsão de Frota e o acordo de Itaipu

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

A vovó fashion

Uma influencer e seus looks ousados

2

A imprevidência chilena

Elogiado por Bolsonaro e Guedes, regime de capitalização implantado no Chile tem aposentadoria média inferior ao salário mínimo

3

Acordo de WhatsApp para manter Frota no PSL não resiste a canetada de Bolsonaro

Bancada selou em grupo de aplicativo permanência do deputado, que acabou expulso depois de criticar Eduardo; outros parlamentares devem ser enquadrados

4

Sem saúde nem plano

Por que os planos de saúde privados se tornam inviáveis a partir dos 60 anos e como algumas operadoras conseguem cobrar menos

6

Foro de Teresina #64: A fritura de Moro, a expulsão de Frota e o acordo de Itaipu

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

7

Por que João Gilberto é João Gilberto

Diretor artístico da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo comenta, ao violão, legado do inventor da bossa nova; veja os vídeos

8

Um novo epílogo para Eike Batista

Investigação que levou empresário de volta à cadeia mostra como ele enganou investidores e manipulou preço das ações

9

O pit bull do papai

Os tormentos e as brigas de Carlos Bolsonaro, o filho mais próximo do presidente

10

Operação zangão

O combate ao furto de abelhas no interior de Minas Gerais