questões eleitorais

Bancada policial e militar mais do que dobra na Câmara

Deputados eleitos vinculados às Forças Armadas ou às polícias passam de 12 em 2014 para 28 nesta eleição

Marcella Ramos
10out2018_22h29
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

A partir do ano que vem, o número de representantes militares ou de forças policiais na Câmara dos Deputados vai ser mais que o dobro do que é nesta legislatura. Foram eleitos 28 candidatos com algum vínculo policial ou militar, seja no nome na urna ou na declaração de profissão ao Tribunal Superior Eleitoral. Na eleição anterior, foram doze os deputados eleitos seguindo o mesmo critério. A chance de uma patente ser eleita à Câmara este ano dobrou: em 2014, 5% dos candidatos com esse tipo de vínculo se elegeram; este ano, a taxa de sucesso subiu para 10%.

Dos 28 candidatos eleitos vinculados à área militar e policial, 18 são filiados ao PSL, partido de Jair Bolsonaro, cuja principal bandeira é a segurança pública. Com essa pauta prioritária e de carona na popularidade do presidenciável, o PSL elegeu 52 deputados. Em 2014, sem Bolsonaro, o partido tinha apenas um. Os outros partidos que elegeram candidatos vinculados a essas áreas foram o PR, com três deputados, e PP, PRB, PDT, PSD, Avante, Pros e Patriotas com um deputado cada.

Um exemplo da popularidade dessa bandeira foi a eleição de Helio Fernando Barbosa Lopes, que se declara subtenente do Exército, deputado com o maior número de votos pelo Rio de Janeiro. Ele fez campanha ao lado de Jair Bolsonaro e, sem parentesco com o candidato, adotou o seu sobrenome. Como “Helio Bolsonaro”, recebeu 345 mil votos. Em 2016, o militar candidatou-se a vereador em Nova Iguaçu, usando o nome “Hélio Negão” – teve apenas 480 votos. Além disso, o número de urna do candidato era o mesmo de Eduardo Bolsonaro, filho do presidenciável, em São Paulo, também do PSL – o deputado mais votado na história, com 1,8 milhão de votos. Na Bahia, o Pastor Sargento Isidório, do Avante, cujo nome na urna sintetiza ao mesmo tempo a tendência militarizante e religiosa, foi o candidato a deputado federal mais votado, com 323 mil votos.

Entre os 28 parlamentares eleitos pegando carona na bandeira pela segurança, metade declarou que tinha outra profissão ao Tribunal Superior Eleitoral, e usava a patente só no nome. É o caso do Capitão Augusto, eleito deputado federal pelo PR de São Paulo. Ao TSE, ele declarou ser “deputado” por profissão. Outros 14 candidatos a deputado eleitos não usam o vínculo policial ou militar como nome de urna, mas declararam profissão nessas áreas – e baseiam suas campanhas no apelo por mais segurança, como a de Daniel Silveira, PM eleito deputado pelo PSL no Rio de Janeiro. Uma de suas principais propostas é a liberação do porte de armas. Ele foi um dos candidatos que quebrou a placa em homenagem a Marielle Franco, vereadora do PSOL executada no Rio em março.

No Senado, cinco candidatos com vínculos militares ou com forças policiais se elegeram. O PSL, porém, não foi protagonista, e sim a Rede. De cinco senadores que o partido elegeu, três são da polícia: o policial civil Fabiano Contarato, eleito pela Rede do Espírito Santo; Capitão Styvenson, que se declara policial militar, pelo Rio Grande do Norte; e o Delegado Alessandro Vieira, do Sergipe. Contarato foi um dos dois senadores que tiraram a cadeira de Magno Malta, do PSL, um dos favoritos para o cargo no Espírito Santo. O candidato da Rede já foi delegado de trânsito e sua candidatura girou em torno do tema. Diferentemente dos candidatos do PSL, ele não defende o porte de armas. Em São Paulo, o PSL elegeu Major Olímpio como senador. Na Bahia, Ângelo Coronel, que não é militar, mas usa o apelido desde a infância, foi eleito senador pelo PSD.

 

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Marcella Ramos é jornalista baseada no Rio de Janeiro.

Leia também

Últimas Mais Lidas

O candidato do colapso

Poder de Bolsonaro nasceu da devastação social e dela dependerá

E se o Brasil sair do Acordo de Paris?

O que Bolsonaro precisa fazer para abandonar o tratado climático, e como o recuo ameaça a parceria comercial bilionária com a União Europeia

Correndo riscos

Eficiente na campanha, o medo não serve a Bolsonaro para governar o país

Buscas por “Fascismo” batem recorde no Google

Curiosidade atingiu o auge no domingo da eleição, com dez vezes mais pesquisas do que a média; "Jair Bolsonaro" é um dos principais assuntos relacionados

Os formadores da onda

SuperPop, comunismo e Lava Jato: sete eleitores de uma mesma família no Rio de Janeiro enumeram as razões por que votam em Bolsonaro

Bolsonaro e a tirania da maioria

País que exige ficha limpa de políticos desdenha da ficha democrática

Maria vai com as outras #10: Fim da temporada – Divisão sexual do trabalho

No último episódio desta temporada, a jornalista e escritora Rosiska Darcy de Oliveira fala dos primórdios do movimento feminista no Brasil e no mundo, do exílio durante a ditadura e do seu livro "Reengenharia do Tempo", sobre a divisão sexual do trabalho.

A imprensa precisa fazer autocrítica

Foram anos tratando o inaceitável como controverso ou mesmo engraçado

Bolsonarismo não é partido

Democracia brasileira depende de petismo e antipetismo se organizarem em siglas que se respeitem

O lado M da eleição

Mulheres negras no poder são o outro destaque das urnas

Mais textos
1

Vivi na pele o que aprendi nos livros

Um encontro com o patrimonialismo brasileiro*

2

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

3

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

4

A imprensa precisa fazer autocrítica

Foram anos tratando o inaceitável como controverso ou mesmo engraçado

5

O PT em segundo lugar

Ameaça autoritária exige pacto de refundação institucional

6

A festa que Bolsonaro cancelou

O PSL enviou 300 convites para celebrar a vitória já no primeiro turno, num hotel na Barra da Tijuca. No fim, sobrou para aliados justificar por que não ganhou

7

Os formadores da onda

SuperPop, comunismo e Lava Jato: sete eleitores de uma mesma família no Rio de Janeiro enumeram as razões por que votam em Bolsonaro

8

Bolsonarismo não é partido

Democracia brasileira depende de petismo e antipetismo se organizarem em siglas que se respeitem

9

O candidato da esquerda

Pouco conhecido, sem nunca ter feito vida partidária ou disputado votos, o ministro Fernando Haddad parte em busca dos militantes do PT, dos paulistanos e da prefeitura

10

A acusadora

Como a advogada Janaina Paschoal, uma desconhecida professora da USP, se transformou em peça-chave do impeachment