questões eleitorais

Bancada policial e militar mais do que dobra na Câmara

Deputados eleitos vinculados às Forças Armadas ou às polícias passam de 12 em 2014 para 28 nesta eleição

Marcella Ramos
10out2018_22h29
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

A partir do ano que vem, o número de representantes militares ou de forças policiais na Câmara dos Deputados vai ser mais que o dobro do que é nesta legislatura. Foram eleitos 28 candidatos com algum vínculo policial ou militar, seja no nome na urna ou na declaração de profissão ao Tribunal Superior Eleitoral. Na eleição anterior, foram doze os deputados eleitos seguindo o mesmo critério. A chance de uma patente ser eleita à Câmara este ano dobrou: em 2014, 5% dos candidatos com esse tipo de vínculo se elegeram; este ano, a taxa de sucesso subiu para 10%.

Dos 28 candidatos eleitos vinculados à área militar e policial, 18 são filiados ao PSL, partido de Jair Bolsonaro, cuja principal bandeira é a segurança pública. Com essa pauta prioritária e de carona na popularidade do presidenciável, o PSL elegeu 52 deputados. Em 2014, sem Bolsonaro, o partido tinha apenas um. Os outros partidos que elegeram candidatos vinculados a essas áreas foram o PR, com três deputados, e PP, PRB, PDT, PSD, Avante, Pros e Patriotas com um deputado cada.

Um exemplo da popularidade dessa bandeira foi a eleição de Helio Fernando Barbosa Lopes, que se declara subtenente do Exército, deputado com o maior número de votos pelo Rio de Janeiro. Ele fez campanha ao lado de Jair Bolsonaro e, sem parentesco com o candidato, adotou o seu sobrenome. Como “Helio Bolsonaro”, recebeu 345 mil votos. Em 2016, o militar candidatou-se a vereador em Nova Iguaçu, usando o nome “Hélio Negão” – teve apenas 480 votos. Além disso, o número de urna do candidato era o mesmo de Eduardo Bolsonaro, filho do presidenciável, em São Paulo, também do PSL – o deputado mais votado na história, com 1,8 milhão de votos. Na Bahia, o Pastor Sargento Isidório, do Avante, cujo nome na urna sintetiza ao mesmo tempo a tendência militarizante e religiosa, foi o candidato a deputado federal mais votado, com 323 mil votos.

Entre os 28 parlamentares eleitos pegando carona na bandeira pela segurança, metade declarou que tinha outra profissão ao Tribunal Superior Eleitoral, e usava a patente só no nome. É o caso do Capitão Augusto, eleito deputado federal pelo PR de São Paulo. Ao TSE, ele declarou ser “deputado” por profissão. Outros 14 candidatos a deputado eleitos não usam o vínculo policial ou militar como nome de urna, mas declararam profissão nessas áreas – e baseiam suas campanhas no apelo por mais segurança, como a de Daniel Silveira, PM eleito deputado pelo PSL no Rio de Janeiro. Uma de suas principais propostas é a liberação do porte de armas. Ele foi um dos candidatos que quebrou a placa em homenagem a Marielle Franco, vereadora do PSOL executada no Rio em março.

No Senado, cinco candidatos com vínculos militares ou com forças policiais se elegeram. O PSL, porém, não foi protagonista, e sim a Rede. De cinco senadores que o partido elegeu, três são da polícia: o policial civil Fabiano Contarato, eleito pela Rede do Espírito Santo; Capitão Styvenson, que se declara policial militar, pelo Rio Grande do Norte; e o Delegado Alessandro Vieira, do Sergipe. Contarato foi um dos dois senadores que tiraram a cadeira de Magno Malta, do PSL, um dos favoritos para o cargo no Espírito Santo. O candidato da Rede já foi delegado de trânsito e sua candidatura girou em torno do tema. Diferentemente dos candidatos do PSL, ele não defende o porte de armas. Em São Paulo, o PSL elegeu Major Olímpio como senador. Na Bahia, Ângelo Coronel, que não é militar, mas usa o apelido desde a infância, foi eleito senador pelo PSD.

 

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Marcella Ramos é jornalista baseada no Rio de Janeiro.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

Foro de Teresina #30: A briga pelo Senado, os generais de Bolsonaro e a política do futebol

Podcast da piauí analisa os fatos da semana na política nacional

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

3

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

4

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

5

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

7

Guedes e Itamaraty brigam por comércio exterior

Sem combinar um com o outro, futuros ministros da Economia e das Relações Exteriores incluem sob seu comando a agência de promoção de investimentos fora do país

8

A baleia branca de Rodolfo Landim

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

9

O homem-viaduto

Sem-teto vive dentro de um buraco no elevado mais famoso de São Paulo; como o Minhocão, 73 pontes e viadutos têm problemas estruturais na cidade

10

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante