questões cinematográficas

Baronesa – lufada de jovem talento

Filme mostra tragédia social com rara demonstração de talento e sensibilidade

Eduardo Escorel
06set2018_07h00
“O retrato de Andreia é pungente e há mais de um momento em que a tristeza de seu olhar é nada menos que lancinante”, escreve Escorel
“O retrato de Andreia é pungente e há mais de um momento em que a tristeza de seu olhar é nada menos que lancinante”, escreve Escorel

Não é comum filmes de conclusão de curso terem a alta qualidade de Baronesa, documentário criado no Centro Universitário UNA, em Minas Gerais, no ano de 2013, com o qual a diretora e roteirista Juliana Antunes, além da diretora de fotografia e câmera Fernanda de Sena, dão rara demonstração de talento e sensibilidade.

Lançado em 14 de junho, Baronesa está disponível agora no Now, o serviço sob demanda da NET. Quem perdeu a exibição no cinema, como foi meu caso, deve aproveitar a oportunidade de ver um filme verdadeiramente excepcional, que recebeu o principal prêmio na 20ª Mostra de Cinema de Tiradentes, em janeiro de 2017, e fez uma bela carreira em festivais no exterior.

Sem artifícios, Antunes e Sena retratam um pequeno grupo de moradoras e um morador do bairro Juliana, além da Vila Mariquinhas e da Ocupação Esperança, a bem dizer duas favelas da periferia de Belo Horizonte. Em destaque está a personagem vivida por Andreia Pereira de Sousa e seus filhos, ainda crianças pequenas. O pai, a quem Andreia se refere constantemente, está preso. Participam também uma amiga, Leide Ferreira, além de um amigo metido a conquistador, Felipe Rangel Soares.

É notável o partido que Antunes e Sena tiram desse conjunto de atores não profissionais. O retrato de Andreia é pungente e há mais de um momento em que a tristeza de seu olhar é nada menos que lancinante. Ao perfil das personagens se adiciona um retrato realista da favela, sem laivos de miserabilismo, feito com imagens simples, de grande beleza plástica – planos em geral longos e fixos.

Distante do que seria uma reportagem jornalística, Baronesa incorpora as melhores lições do neorrealismo, combinando ficção e documentário – não profissionais atuam, representando em parte a si mesmas, mas também situações criadas, no próprio ambiente em que vivem. Sem ser explicitada, uma convenção é adotada, indicando que se trata, de uma encenação realista – conscientes de que estão sendo gravadas, como em um filme de ficção convencional, a presença da câmera é ignorada.

A inspiração de Antunes parece ter vindo, ao menos em parte, de No Quarto de Vanda (2000), de Pedro Costa, sem o mesmo hiper-realismo radical e a dureza. Mais leve, Baronesa exige menos do espectador. Ao pensar no filme, a impressão, provavelmente errada, é que Antunes absorveu, reelaborou e atualizou as palavras do roteirista e teórico Cesare Zavattini (1902-1989), ditas no Colóquio Internacional de Cinematografia, realizado em 1949, na Itália.

Para Zavattini, o cinema deveria retomar “o caminho apontado pelos irmãos Lumière, interessando-se pelos outros […] com a análise que leva ao reconhecimento da existência do sofrimento dos homens em sua duração real”. Contrapondo-se às narrativas ficcionais baseadas no enredo, Zavattini postulou “um cinema capaz de dar conta de noventa minutos consecutivos na vida de um homem […] Observemos nosso homem: anda, sorri, fala, vocês podem vê-lo de todos os lados, aproximar-se dele, afastar-se, estudar cada gesto seu e voltar a estudá-lo como se estivessem na moviola. Agora, iluminado por muitas luzes, gira lentamente sobre si mesmo, como a Terra, e nós o observamos cheios de interesse, abrimos os olhos sobre ele que está diante de nós sem enredo, sem história aparente. Parece que estamos na véspera do dia que reencontraremos plasticamente o valor original da nossa imagem.”

“Qualquer momento da vida de nosso próximo tornava-se digno de interesse” para Zavattini e ele convidava o cinema “a se debruçar sobre o homem comum… esse homem do povo, novo protagonista da história.”

O primeiro plano de Baronesa, por si só, anuncia no tom preciso o que virá em seguida. O corpo feminino requebra, em close, no ritmo de Que Grave É Esse, funk de Mc Delano: “Psiu/Que grave é esse pretinha que teu bumbum balança/Que grave é esse loirinha que teu bumbum balança/Que grave é esse moreninha que teu bumbum balança/E faz tum, tum, tum e a menina dança/E faz tum, tum, tum e a menina dança/E faz tum, tum, tum, e a menina dança” etc.

Baronesa consegue ainda o feito árduo de mostrar uma tragédia social e humana implícita. Há uma aparente normalidade no que é visto. Transparece certa alegria, em especial no primeiro terço do filme. Situações cotidianas vão sendo vividas, questões graves são mencionadas, mas sem eventos espetaculosos em cena, até o imprevisto que eclode próximo ao final. Não se vê, embora esteja presente o tempo todo, o peso das ameaças que levam Andreia a sonhar em “meter o pé para a Baronesa”, um outro bairro, talvez idealizado.

Para quem comenta cinema é um alívio se deparar, em meio ao que costuma assistir semana a semana, com um filme como Baronesa. Saudemos, pois, Juliana Antunes e toda sua equipe.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Últimas Mais Lidas

Operação cerca-índio

Grilagem, desmatamento e perseguição a líderes assombram territórios indígenas em Rondônia

Há vagas, só não são boas

De cada 200 empregos criados em 2018, 171 pagavam até dois salários mínimos

Maria vai com as outras #7: Rugas de preocupação

Uma professora de inglês e uma física falam sobre como envelhecer afetou suas carreiras, suas vidas pessoais, a maneira como se apresentam e o que escolhem para vestir

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

Verbas pelo ralo

Empresa contratada com dinheiro de emenda apresentada pelo secretário de Previdência fez depósitos na conta de parente de Marinho; caso explicita descontrole na fiscalização

Foro de Teresina #46: Os 100 dias de governo, o marasmo na economia e a chuva (de tiros) no Rio

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Caso Hammarskjöld – persistência recompensada

Documentário tem chance de ajudar a esclarecer morte de secretário-geral da ONU

Mais textos
1

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

2

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

5

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

6

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

7

O apocalipse dos insetos

O futuro sinistro de um mundo sem mosquitos nem abelhas

9

Há vagas, só não são boas

De cada 200 empregos criados em 2018, 171 pagavam até dois salários mínimos

10

Ordem no bandejão

Universitários se reúnem para celebrar o conservadorismo