Festival Piauí GloboNews de jornalismo

festival 2015 | Ben Anderson e o jornalismo em zonas de guerra

24nov2015_19h54
Foto: Tuca Vieira
Foto: Tuca Vieira

No último dia do II Festival piauí Globo News de Jornalismo, o repórter e produtor da Vice, Ben Anderson, discorreu sobre experiências que tem enfrentado ao redor do mundo, em situações de guerra e conflito armado. A mesa foi mediada pelas jornalistas Malu Gaspar, da revista piauí, e Renata Lo Prete, da Globo News.
“Os repórteres geralmente visitam as bases americanas, fazem algumas perguntas e vão embora. Eu chego e fico alguns dias: com isso, ganho respeito e acesso”, disse Anderson. O jornalista britânico, que já cobriu países conflagrados como o Afeganistão, a Síria e Líbia, destacou as diferenças entre estar acompanhado pelo o Exército americano (ou britânico) ou pelos Marines.

Malu Gaspar perguntou a Anderson se ele não corria o risco de, à força das recorrentes coberturas em áreas de conflito, ter um olhar mais distanciado, até cínico, sobre as atrocidades cometidas.

O repórter elogiou a flexibilidade da Vice em aceitar as pautas que seus profissionais propõem, bem como a liberdade que o canal de vídeos lhes dá. A respeito da linguagem despojada e jovial do veículo, lembrou que no início a Vice era muito criticada por, em muitas ocasiões, os repórteres se portarem frente às câmeras com um certo deslumbramento por estarem em zona de conflito. Anderson concorda com as críticas, mas reconhece que os jornalistas da casa amadureceram ao longo do tempo. E ainda ponderou: “Quando você viaja para países em conflito, há pessoas dispostas a correr riscos para aparecer diante da câmera. Às vezes é preciso proteger as pessoas de sua própria coragem”, disse.

O repórter garantiu que a Vice nunca pagou para ter acesso aos locais. E, a quem pretende ser correspondente de guerra, Ben Anderson aconselhou a, antes de mais nada, acumular experiência e só então se dirigir à áreas de risco.



Sobre o mito de que as coberturas de guerra seriam uma fonte de adrenalina, Anderson foi enfático: “Há pessoas que dizem sentir falta da adrenalina quando chegam em casa depois de cobrir uma guerra. Mentira. É um horror se deparar com situações críticas. Só diz isso quem nunca cobriu uma guerra.”

Leia Também

Últimas Mais Lidas

Acompanhe a transmissão ao vivo da segunda Maratona Piauí CBN de Podcast

Encontro está sendo transmitido em áudio e em vídeo nos sites e redes sociais da piauí e da CBN

A história e os bastidores do Foro de Teresina

Apresentadores relembram início do programa, que completa um ano esta semana

Conteúdo patrocinado e anunciantes estão entre os principais modelos de financiamento

Diretor da CBN diz que programas em áudio são caminho para formar novos ouvintes

Interação com o público ajuda a ganhar e manter audiência

Fidelidade de ouvintes pode se transformar em financiamento coletivo e ajudar a manter podcasts

Os desafios e a rotina de contar histórias em podcast

Roteiro capaz de amarrar narrativas é segredo para um bom programa; dificuldade de financiamento é cotidiana

Mais textos
2

R$ 0,46 no tanque dos outros

Agora, caminhoneiros grevistas usam WhatsApp para defender queda da gasolina, de Temer e da democracia

3

A vida e a morte de uma voz inconformada

Os últimos momentos de Marielle Franco, a vereadora do PSOL executada no meio da rua no Rio de Janeiro sob intervenção

5

Qu4tro figuras (e mais 2)

Agora só tem o Homem de Ferro em Blu-ray, a privada virou "poltrono", a moça penteia o bigode e Stálin está no armário

6

O barato de Hannah

Pela legalização da maconha, jovem americana se muda para Montevidéu

7

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde

8

O tom certo

Quatro meses depois de nos conhecermos, o Orlando sumiu. Em casa contei que a professora tinha falado que o Orlando não era culpado. O garoto é uma vítima, ela repetia nervosa, como todos nós

10

Vitória em Cristo

Com uma leitura singular da Bíblia, o pastor Silas Malafaia ataca feministas, homossexuais e esquerdistas enquanto prega que é dando muito que se recebe ainda mais