questões ambientais

Biden, o Brasil e o clima

Presidente eleito dos Estados Unidos anunciou prioridades para área ambiental; governo brasileiro se afastou de compromissos, mas olhos externos nos observam

Pedro de Camargo Neto
13nov2020_16h09
Joe Biden, presidente eleito dos Estados Unidos: mudanças à vista na política ambiental americana –
Joe Biden, presidente eleito dos Estados Unidos: mudanças à vista na política ambiental americana – Foto: JIM WATSON / AFP

Com a eleição do democrata Joe Biden, os Estados Unidos da América retornam – espera-se – ao longo e tortuoso trilho do enfrentamento da questão climática. Biden já anunciou a decisão de voltar ao chamado Acordo de Paris, adotado na 21ª Conferência das Partes (COP21) da UNFCCC (United Nations Framework Convention on Climate Change) e aprovado por 196 países, mas rejeitado por Trump. O acordo visa reduzir as emissões de gases de efeito estufa e envidar esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais. 

O presidente eleito já tinha em sua campanha eleitoral, e reafirmou em seu pronunciamento quando reconheceu sua vitória, a prioridade em ações visando enfrentar a complexa questão. Anunciou restrições ao fracionamento de xisto, bem como recursos da ordem de 2 trilhões de dólares, em seus quatroanos de mandato, para investimentos em transporte público, veículos elétricos e melhorias na eficiência dos edifícios. Em relação ao Brasil, já cobrou mais proteção para a Amazônia. 

Essa é uma preocupação mundial. A União Europeia já tinha anunciado ambicioso plano chamado de “Green Deal”, com a mesma meta de atingir até 2050 emissões líquidas zero de carbono. Deverá incluir fortes restrições legais, obrigando as empresas europeias a incorporarem essa transformação. A China, a maior emissora de gases de efeito estufa entre as nações, também afirma estar decidida a enfrentar suas emissões de carbono. Os investimentos necessários para a questão climática representam importante projeto de desenvolvimento com a geração de empregos e renda.

Nessas décadas de muita conversa e alguns acordos, o Brasil sempre ocupou importante espaço, a começar por sediar a Conferência das Nações Unidas no Rio de Janeiro em 1992. O fato de a maior parte da região Amazônica estar no Brasil, ocupando quase metade do território nacional, nos alerta sobre essa responsabilidade. Somos pioneiros na produção de biocombustíveis e rapidamente avançamos na energia eólica. O potencial é extremamente favorável para a energia solar. A extensão territorial permite o desenvolvimento de uma agricultura de baixo carbono onde temos investido e ampliado produções dentro desse conceito de sustentabilidade. 



O momento atual, em que o governo brasileiro se afastou de compromissos ambientais, deve ser visto como um equivocado lapso. E todos os olhos externos nos observam. O nosso foco deve ser a floresta e sua proteção contra o desmatamento. Para enfrentar essa questão, já temos forte marco regulatório, o Código Florestal. Sancionado no dia 25 de maio de 2012, após amplo debate no Congresso, o Código reafirma a obrigação, existente desde a década de 1930, de manter Reserva Legal de florestas – o que poucos países têm.

O acordo político obtido para o Código deve ter sido visto como a consolidação do que existia de positivo e o desenvolvimento futuro da preservação florestal. Infelizmente, foi fortemente judicializado. Após um período de insegurança jurídica, regulou-se e sua constitucionalidade foi equacionada. A lei hoje existe – mas falta seu cumprimento efetivo.

O grande tema hoje das florestas, de responsabilidade eminentemente pública, exige especial atenção. Não é a produção agropecuária a responsável por colocar o Brasil na berlinda em que nos encontramos. Todo o esforço e ações de desenvolvimento sustentável se perdem sem a drástica redução do desmatamento ilegal. Recentemente o governo britânico, baseado em estudos de seus especialistas, afirmou que, no caso do Brasil, em especial na Amazônia, bastaria que as leis fossem aplicadas com vigor, e assistiríamos inclusive a um crescimento das florestas de cerca de 10%

O Código Florestal instituiu instrumentos para certificar a legalidade da produção agropecuária. Preocupa o atraso na validação dos milhões de cadastros apresentados pelos proprietários. Os perímetros das propriedades precisam ser analisados. Já permitiriam verificar ocorrências de superposições de áreas junto a reservas públicas e terras indígenas. Era um importante passo que deveria ser priorizado. Permitiria conhecer o proprietário de área desmatada de maneira diária identificado pelo permanente sobrevoo dos satélites, fotos e análise com inteligência artificial. A tecnologia é poderosa e disponível – só precisa ser utilizada.

O Código Florestal é um compromisso com o respeito às florestas que poucos países têm.  Precisamos utilizá-lo e valorizá-lo. O desmatamento ilegal zero é passo inicial obrigatório e premente. A pressão sobre a produção agropecuária continuará. Precisaremos comprovar a sustentabilidade dela, além de agir com firmeza e transparência para reduzir suas emissões de carbono. Se persistir o nível de desmatamento ilegal que temos hoje, fica impossível mostrar a qualidade da produção nacional. 

 

Pedro de Camargo Neto

Produtor rural, doutor em engenharia, foi presidente de entidades de classe e secretário de Produção e Comércio do Min. da Agricultura (2001-2002).

Leia também

Últimas Mais Lidas

Marcadores do destino

Marcadores presentes no sangue podem aumentar ou diminuir os riscos do paciente infectado pela Covid-19 em desenvolver casos graves da doença

De puxadinho da Universal a queridinho da direita

No espaço deixado pelo PSL, Republicanos dobra número de prefeitos e se torna partido com mais vereadores eleitos em capitais

Foro de Teresina #128: As urnas, o racismo e o vírus

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Teatro político

Ricardo Nunes, vice da chapa de Bruno Covas, faz encontro em teatro que recebeu repasse de 150 mil reais autorizado pela prefeitura de São Paulo

Confiança no SUS tem crescimento recorde na pandemia

Pesquisa inédita do Ibope mostra que, em 2020, a população passou a confiar mais em quase todas as instituições – menos no presidente e seu governo

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Mais textos
3

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

6

A Arquiduquesa da canção e do escracho

Algum jovem, bem jovem mesmo, que por ventura me leia neste momento, não há de saber quem foi “Araca, a Arquiduquesa do Encantado”, estou certa? Assim era chamada a cantora favorita de Noel Rosa e tantos outros, a super Aracy de Almeida. Mulher absolutamente singular em sua figura e trajetória.

7

Janelas para o passado

Vêm da Inglaterra iniciativas interessantes lançadas na internet esta semana que ajudam a entender melhor duas civilizações antigas. Um projeto disponibiliza na rede fragmentos de papiros egípcios da época da ocupação grega, incluindo textos de Platão, Heródoto e Epicuro, e convida os internautas para ajudar a decifrá-los. Foi inaugurada também uma biblioteca digital de manuscritos de Avicena e outros nomes da medicina árabe do período medieval.

8

Miriam

Miriam, a mulher com um problema na garganta

9

PMDB decide apoiar Obama e Raúl Castro

"Abaixo o capitalismo e o socialismo! Viva o fisiologismo!", discursou Temer