questões alimentares

Boi com endereço

Se atender à pressão dos exportadores sem criar regulação interna, mercado ameaça criar  dois tipos de consumidor: o que pode comer carne de áreas desmatadas ilegalmente e o que não pode

Pedro de Camargo Neto
25set2020_17h30
Lalo de Almeida/Folhapress

Consumidores estão cada vez mais interessados em receber maior quantidade de informações sobre os alimentos. É o que hoje se chama de rastreabilidade: a capacidade de informar características adicionais dos produtos, entre elas origem geográfica e métodos produtivos, além do que os especialistas chamam de qualidades organolépticas – a cor, o cheiro, a textura.

Muitas vezes determinado alimento exige mais de uma característica. Um queijo gorgonzola, além de vir de uma região específica na Itália, exige métodos produtivos que incluem as gramíneas das quais as vacas se alimentam. Alimentos orgânicos se distinguem ao oferecer um método produtivo no qual os produtos químicos, dos fertilizantes aos remédios chamados de defensivos, são evitados. 

No café, algumas décadas atrás, os importadores passaram a exigir melhores condições de trabalho para o homem. Entrou em cena a questão da legalidade na produção.

No mercado de carne bovina, nas últimas décadas, passamos a encontrar marcas que detalhavam características como maciez, cheiro e cor. O consumidor aprendeu a valorizar raças – e a pagar mais caro pela carne dos bovinos Angus. O produto deixou de ser somente carne de vaca. Em todas as áreas do agronegócio, o consumidor valoriza informações sobre as as condições de produção.



Os importadores de carne passaram a exigir que a produção venha de áreas sem desmatamento na Amazônia. Os grandes frigoríficos reagem e apresentam programas para tentar garantir que a produção seja de fato oriunda de regiões sem desmatamento. Não ficou claro se essa exigência contemplaria o desmatamento legal ou somente o ilegal, e a partir de que data isso seria exigido, embora alguns frigoríficos tenham sinalizado que podem adotar tal medida a partir de 2025..

A rastreabilidade de bovinos já vinha sendo feita havia mais de uma década, resultado do mesmo tipo de pressão. A participação do Ministério Público levou à assinatura de uma TAC-Termos de Ajuste de Conduta, e os frigoríficos se comprometeram a somente comprar bois de propriedades com regularidade ambiental, além, claro, de sanitária e tributária. Não surtiu o efeito imaginado de reduzir o desmatamento, pois se o boi era regular, o bezerro muitas vezes vinha de propriedades irregulares. 

A produção de bezerros na região da Amazônia esbarra também nas falhas de regularização fundiária. Mais de 100 mil famílias, induzidas décadas atrás a ocuparem a região, vivem até hoje em condições irregulares, e na grande maioria são pequenos pecuaristas. Produzem bezerros que ficarão à margem do setor mais organizado da pecuária.

O setor precisa de uma certificação oficial de legalidade. Hoje, como resultado de infrações ambientais no desmatamento, não combatidas com competência e vigor necessários pelo poder público, levamos as empresas a desenvolverem certificação de rastreabilidade privada – quando isso deveria ser um selo público e certificado pelas autoridades sanitárias e ambientais.

A questão do desmatamento precisa ser encarada de frente, não de maneira indireta. Precisamos é da rastreabilidade territorial através dos satélites e inteligência artificial.

Frigoríficos anunciam que, utilizando o sistema de rastreabilidade sanitária oficial, as GTAs – Guias de Trânsito Animal, destinadas a garantir a sanidade do rebanho -, incluirão a exigência de que seus fornecedores também contemplem a questão do desmatamento, do nascimento ao abate dos bovinos.

A proposta, resultado da pressão externa, pode atender à exigência do consumidor estrangeiro. Não é, porém, a melhor para nós brasileiros. O que precisamos é que toda a produção seja legal, não somente a exportada. Do jeito que está sendo feito, é como se o consumidor brasileiro pudesse consumir carne de áreas desmatadas ilegalmente, e o estrangeiro, não.

Pedro de Camargo Neto

Produtor rural, doutor em engenharia, foi presidente de entidades de classe e secretário de Produção e Comércio do Min. da Agricultura (2001-2002).

Leia também

Últimas Mais Lidas

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Um satélite oculto

Governo declara sigilo sobre decisões de Junta que analisa gastos públicos e complica a mal contada história do equipamento de 145 milhões para monitorar a Amazônia

Cresce força de PMs na política

Entre profissionais da segurança pública que se candidataram, proporção de eleitos triplicou de 2010 a 2018

Homicídios crescem mesmo durante isolamento social

Anuário Brasileiro de Segurança Pública destaca “oportunidade perdida” para reduzir mortes violentas e maior subnotificação da violência de gênero

Praia dos Ossos: ouça o sexto episódio

Podcast original da Rádio Novelo reconta o assassinato de Ângela Diniz

O PL das Fake News e a internet que queremos

Projeto, da forma que está, contribui para a desinformação

Mais textos
3

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

4

Lucrativa como chocolate

Ex-investidores de Wall Street e os herdeiros de Bob Marley disputam os bilhões da cannabis legalizada nos Estados Unidos

5

O labor de Papai Noel

Papai Noel demais em uma única noite de Natal

6

Temer estuda pedir Estados Unidos em casamento para Brasil não quebrar

Uma ideia ousada surgiu numa reunião de Michel Temer com seus assessores mais próximos nesta tarde. Moreira Franco sugeriu que “já está na hora de o Brasil arrumar um esposo” para não correr o risco de quebrar.

8

A hora mais escura – exigências da verdade

O filme dirigido por Kathryn Bigelow a partir do roteiro de Mark Boal tem duas fragilidades – a legenda na abertura e o close final de Maya, a analista da CIA interpretada por Jessica Chastain. Entre esses dois extremos, porém, há duas horas e meia de bom cinema.

9

Kennedy esquece quem pagou o seu carro

No momento em que se celebra os cinquenta anos de um dos eventos mais traumáticos do século XX, o assassinato do presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy, o documento reproduzido nesta página permite evocar sua figura aos trinta e oito anos, quatro antes de ser eleito presidente dos Estados Unidos. Filho de um empresário milionário que havia sido embaixador dos Estados Unidos na Inglaterra logo antes da guerra, Kennedy, apelidado Jack, foi o presidente eleito mais moço e o primeiro e único católico.

10

Numa tentativa de reavivar a carreira, Belchior vai para o Canadá

OTTAWA – Atento à tendência algo declinante da própria carreira, o cantor Belchior decidiu inscrever-se num curso de intercâmbio no estado de Manitoba, Canadá. O artista partiu ontem e, segundo sua assessoria de imprensa, espera para breve uma onda de publicidade envolvendo o seu nome.