Igualdades

Bolsonário: entrevistas

Emily Almeida, Amanda Rossi e Renata Buono
09set2019_09h04

Desde que assumiu a Presidência até o fim de agosto, o presidente Jair Bolsonaro concedeu 73 entrevistas, entre exclusivas e coletivas. Foram 65,2 mil palavras proferidas, segundo levantamento realizado pela piauí. Ao longo dos meses, Bolsonaro passou a falar mais com a imprensa, e a quantidade de palavras ditas pelo presidente em entrevistas cresceu significativamente, registrando um pico no mês de julho. Deus foi citado acima de todos, mais que os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Já o vereador Carlos Bolsonaro, destaque no banco de trás do Rolls-Royce usado pelo presidente na cerimônia de posse, não teve o nome citado sequer uma vez, ao contrário dos irmãos políticos. De “cocô” a “tá ok”, o =igualdades analisa o dicionário do presidente nas entrevistas concedidas até agora. Nas próximas semanas, mais verbetes do Bolsonário.

O número de palavras ditas por Bolsonaro em entrevistas sextuplicou de janeiro para agosto, passando de 2.069 para 11.874.

 

O bordão “tá ok” foi dito 37 vezes. Já “isso aí”, 51 vezes

 

Deus foi citado acima de todos. Foram 54 referências a Deus, 47 a Paulo Guedes, 38 a Sergio Moro, 36 a Rodrigo Maia e 31 a Donald Trump

 

O deputado federal Eduardo Bolsonaro, que o presidente chama de zero três, foi o filho mais lembrado – teve o nome mencionado oito vezes. O senador Flavio Bolsonaro, filho zero um, apareceu duas vezes. Já o vereador Carlos Bolsonaro, o zero dois, não foi citado

 

A cada uma referência ao Partido Social Liberal (PSL) (2), sigla do presidente, Bolsonaro falou outras dez vezes do rival Partido dos Trabalhadores (PT) (20). 

 

Bolsonaro se referiu a armas 21 vezes. É sete vezes o número que disse a palavra “paz” (3).

 

A expressão “direitos humanos” só apareceu três vezes na boca do presidente. É quase o mesmo que “cocô” ou “nióbio”, mencionados duas vezes cada.

 

As menções de Bolsonaro a Venezuela e Cuba (66) foram quase tão frequentes quanto as citações aos Estados Unidos e China (62).

 

Assista ao vídeo:

Fonte: Transcrição de entrevistas de Jair Bolsonaro no site da Presidência da República

Dados abertos: O documento que serviu de base para a reportagem pode ser acessado aqui.

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

É estagiária de jornalismo da piauí. Antes, trabalhou no jornal O Globo

Amanda Rossi

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #3: Quero ser mãe, não quero ser mãe

Uma editora e uma advogada e escritora falam sobre os desdobramentos na vida de uma mulher quando ela decide ter ou não ter filhos

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Mais textos
1

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

4

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

5

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

7

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

9

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde

10

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana