Igualdades

Bolsonário: entrevistas

Emily Almeida, Amanda Rossi e Renata Buono
09set2019_09h04

Desde que assumiu a Presidência até o fim de agosto, o presidente Jair Bolsonaro concedeu 73 entrevistas, entre exclusivas e coletivas. Foram 65,2 mil palavras proferidas, segundo levantamento realizado pela piauí. Ao longo dos meses, Bolsonaro passou a falar mais com a imprensa, e a quantidade de palavras ditas pelo presidente em entrevistas cresceu significativamente, registrando um pico no mês de julho. Deus foi citado acima de todos, mais que os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Já o vereador Carlos Bolsonaro, destaque no banco de trás do Rolls-Royce usado pelo presidente na cerimônia de posse, não teve o nome citado sequer uma vez, ao contrário dos irmãos políticos. De “cocô” a “tá ok”, o =igualdades analisa o dicionário do presidente nas entrevistas concedidas até agora. Nas próximas semanas, mais verbetes do Bolsonário.

O número de palavras ditas por Bolsonaro em entrevistas sextuplicou de janeiro para agosto, passando de 2.069 para 11.874.

 

O bordão “tá ok” foi dito 37 vezes. Já “isso aí”, 51 vezes

 

Deus foi citado acima de todos. Foram 54 referências a Deus, 47 a Paulo Guedes, 38 a Sergio Moro, 36 a Rodrigo Maia e 31 a Donald Trump

 

O deputado federal Eduardo Bolsonaro, que o presidente chama de zero três, foi o filho mais lembrado – teve o nome mencionado oito vezes. O senador Flavio Bolsonaro, filho zero um, apareceu duas vezes. Já o vereador Carlos Bolsonaro, o zero dois, não foi citado

 

A cada uma referência ao Partido Social Liberal (PSL) (2), sigla do presidente, Bolsonaro falou outras dez vezes do rival Partido dos Trabalhadores (PT) (20). 

 

Bolsonaro se referiu a armas 21 vezes. É sete vezes o número que disse a palavra “paz” (3).

 

A expressão “direitos humanos” só apareceu três vezes na boca do presidente. É quase o mesmo que “cocô” ou “nióbio”, mencionados duas vezes cada.

 

As menções de Bolsonaro a Venezuela e Cuba (66) foram quase tão frequentes quanto as citações aos Estados Unidos e China (62).

 

Assista ao vídeo:

Fonte: Transcrição de entrevistas de Jair Bolsonaro no site da Presidência da República

Dados abertos: O documento que serviu de base para a reportagem pode ser acessado aqui.

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

É estagiária de jornalismo da piauí. Antes, trabalhou no jornal O Globo

Amanda Rossi

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

Seis conclusões sobre o modelo do mundo sem a Amazônia 

O preço que o Brasil e o mundo pagarão caso a floresta continue a ser derrubada para dar lugar à pecuária

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Domingo – um dia especial

Filme paga preço alto ao ser lançado agora, quando expectativa de “nova era” se mostrou ilusória

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

Maria Vai Com as Outras #5: Crime e castigo contra a mulher

Uma socióloga e uma defensora pública falam dos efeitos que a violência tem na vida profissional das mulheres

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

Mais textos
1

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

2

Fala grossa e salto fino

As façanhas de Joice Hasselmann, do rádio ao Congresso

3

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

5

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

6

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

7

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

8

Letra preta

Os negros na imprensa brasileira

9

Moro em queda livre

Ministro e seu pacote anticrime perdem espaço no governo, no TCU e no Twitter

10

A volta do concurso literário mensal da piauí

Além da frase “Eduardo, meu filho, esse hambúrguer é orgânico?” o texto de outubro deve ter o seguinte ingrediente improvável: 'Oswaldo Montenegro'