Igualdades

Bolsonário: Twitter

Emily Almeida e Renata Buono
18maio2020_10h19

A pandemia de Covid-19 não mudou o tom das publicações do presidente Jair Bolsonaro no Twitter. Ele falou pouco sobre isolamento e muito sobre cloroquina. Na lista de prioridades, os ataques à imprensa são mais frequentes do que menções a UTIs e respiradores. Depois dos discursos e entrevistas do presidente, o Bolsonário está de volta ao =igualdades para analisar o vocabulário presidencial no Twitter em tempos de pandemia.

De janeiro a abril, no Twitter, Bolsonaro mencionou duas vezes mais o Exército (22) do que falou de UTIs (11).

No mesmo período, o presidente fez cinco vezes mais menções aos Estados Unidos (25) na rede do que a Manaus (5), um dos epicentros do coronavírus no Brasil.

O número de tuítes publicados em março deste ano por Bolsonaro foi o maior desde a posse: 342. Em março de 2019, foram publicados 221 tuítes.



Como já mostrou o Bolsonário: discursos, o presidente prefere falar sozinho: no mesmo mês de março, só deu quatro entrevistas coletivas oficiais56% a menos que no mesmo mês do ano passado.

Bolsonaro falou em isolamento social ou quarentena apenas duas vezes, no dia 25 de março e 28 de abril. Já a cloroquina foi citada 20 vezes. Em um dos tuítes, o presidente diz, sem citar fontes, ter “informações precisas que a cloroquina tem sido usada pelo Brasil com uma grande taxa de sucesso”.

Do anúncio do primeiro caso de Covid-19 no país, em 26 de fevereiro, até o fim de abril, só uma vez Bolsonaro prestou solidariedade às famílias das vítimas brasileiras. No mesmo período, houve 14 tuítes com ataques à imprensa.

De janeiro a abril, alguns veículos foram alvo dos ataques de Bolsonaro mais vezes, como a TV Globo (5) e o jornal Folha de S.Paulo (4). Também foram citados os veículos O Estado de S.Paulo, O Globo, Correio Braziliense, Veja, Uol e O Antagonista – cada um foi atacado uma vez

As mortes de consagrados artistas brasileiros, como Moraes Moreira e Rubem Fonseca, em abril, não foram lembradas pelo presidente. Naquele mesmo mês, Bolsonaro fez um tuíte prestando solidariedade a um cantor sertanejo que sofreu ataques após uma live.

 

Fonte: Twitter do presidente Jair Bolsonaro

*Retuítes não foram considerados.
*Os tuítes foram extraídos no dia 5 de maio de 2020.

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

Repórter da piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Agonia da Cinemateca Brasileira

Desgoverno atual da República não nos anima a ter esperanças

Vacina, pressa e propaganda

No Brasil, governos prometem vacinação em massa contra Covid-19 para logo, mas laboratórios programam terminar fase de testes entre outubro de 2021 e novembro de 2022 

Compras que desmancham no ar

Durante a pandemia, denúncias de golpes em falsos leilões virtuais aumentam nove vezes em relação ao semestre anterior

Reciclando a estrada alheia

Redes bolsonaristas usam fotos antigas para atribuir ao governo Bolsonaro obras de outras gestões

A tropa de choque de Bolsonaro

Pesquisa inédita traça perfil de policiais que, em postagens públicas nas redes, defendem ideias como fechamento do Supremo e do Congresso

Uma floresta mais perto do fim

Audiência pública virtual para discutir o autódromo que destruirá Floresta do Camboatá volta a ser permitida pela Justiça na reta final

Foro de Teresina #112: A metamorfose de Bolsonaro

podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Minotauro da fronteira 

Como um dos chefes do PCC deixou um rastro de mortes e corrupção no Paraguai

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Mais textos
4

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

6

A Terra é redonda: O mundo dá voltas

Os terraplanistas estão se aproximando do poder: chegou a hora de falar deles

7

Depois do atentado

Como a morte de Marielle Franco mudou nossas vidas

8

O bigode da modernidade ataca novamente

As peripécias manhosas do brônzeo estadista que veio do Maranhão e não largou a rapadura

9

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA