Igualdades

Bolsonário: Twitter

Emily Almeida e Renata Buono
18maio2020_10h19

A pandemia de Covid-19 não mudou o tom das publicações do presidente Jair Bolsonaro no Twitter. Ele falou pouco sobre isolamento e muito sobre cloroquina. Na lista de prioridades, os ataques à imprensa são mais frequentes do que menções a UTIs e respiradores. Depois dos discursos e entrevistas do presidente, o Bolsonário está de volta ao =igualdades para analisar o vocabulário presidencial no Twitter em tempos de pandemia.

De janeiro a abril, no Twitter, Bolsonaro mencionou duas vezes mais o Exército (22) do que falou de UTIs (11).

No mesmo período, o presidente fez cinco vezes mais menções aos Estados Unidos (25) na rede do que a Manaus (5), um dos epicentros do coronavírus no Brasil.

O número de tuítes publicados em março deste ano por Bolsonaro foi o maior desde a posse: 342. Em março de 2019, foram publicados 221 tuítes.



Como já mostrou o Bolsonário: discursos, o presidente prefere falar sozinho: no mesmo mês de março, só deu quatro entrevistas coletivas oficiais56% a menos que no mesmo mês do ano passado.

Bolsonaro falou em isolamento social ou quarentena apenas duas vezes, no dia 25 de março e 28 de abril. Já a cloroquina foi citada 20 vezes. Em um dos tuítes, o presidente diz, sem citar fontes, ter “informações precisas que a cloroquina tem sido usada pelo Brasil com uma grande taxa de sucesso”.

Do anúncio do primeiro caso de Covid-19 no país, em 26 de fevereiro, até o fim de abril, só uma vez Bolsonaro prestou solidariedade às famílias das vítimas brasileiras. No mesmo período, houve 14 tuítes com ataques à imprensa.

De janeiro a abril, alguns veículos foram alvo dos ataques de Bolsonaro mais vezes, como a TV Globo (5) e o jornal Folha de S.Paulo (4). Também foram citados os veículos O Estado de S.Paulo, O Globo, Correio Braziliense, Veja, Uol e O Antagonista – cada um foi atacado uma vez

As mortes de consagrados artistas brasileiros, como Moraes Moreira e Rubem Fonseca, em abril, não foram lembradas pelo presidente. Naquele mesmo mês, Bolsonaro fez um tuíte prestando solidariedade a um cantor sertanejo que sofreu ataques após uma live.

 

Fonte: Twitter do presidente Jair Bolsonaro

*Retuítes não foram considerados.
*Os tuítes foram extraídos no dia 5 de maio de 2020.

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

Repórter da piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Desemprego e incerteza na vida após a Ford

Em Camaçari, na Bahia, fechamento da fábrica de carros impacta todo o mercado de trabalho – de motoristas de ônibus até babás

Bananofobia

Por que os Estados Unidos têm tanto medo de virar uma república de bananas?

Monitoramento à beira da explosão

Falhas nas tornozeleiras eletrônicas colocam em xeque o rastreamento de presos no Paraná

Reação adversa a Bolsonaro

Apostando na briga com Doria, presidente toma um caldo nas redes sociais e fica isolado na primeira semana de vacinação no Brasil

Uma agenda prioritária

Novos prefeitos e vereadores têm o desafio de implementar mudanças emergenciais nas cidades brasileiras, sobretudo nas áreas de maior vulnerabilidade social, onde tudo falta – como escancarou a pandemia

Ex-sócio da Vale é condenado por corrupção

Após julgamento que durou sete dias, tribunal da Suíça condenou o bilionário israelense Beny Steinmetz a cinco anos de prisão nesta sexta-feira (22)

Mais textos
1

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

2

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

3

“8 ½” – “O salto mortal de Fellini”

Escrito ao longo de onze anos e mantido inédito até ser incluído em “Exercícios de leitura”, o ensaio de Gilda de Mello e Souza “O salto mortal de Fellini”, relido depois da revisão de “8 1/2”, revela acuidade crítica incomum.

4

As búlgaras estão com tudo

Nada a ver com a sucessão de Lula

6

Padre Cícero sem perdão

A luta de um bispo para reabilitar o mais venerado líder religioso do Nordeste

8

Os cabelos do bigode do Imperador

A correspondência amorosa mais famosa do Brasil talvez seja aquela formada pelas cartas trocadas de 1822 a 1829 entre o Imperador D. Pedro I e sua amante, Domitilia de Castro Canto e Mello, elevada por ele ao titulo de Marquesa de Santos em 1826. Infelizmente, das prováveis centenas de cartas escritas pela Marquesa apenas um punhado foi conservado nos arquivos imperiais. Por sorte, quase todas as cartas do Imperador foram guardadas pela Marquesa, apesar dos pedidos de D. Pedro para que as destruísse. Todas estão hoje publicadas (94 das quais no ano passado), totalizando mais de trezentas.

9

Na montanha-russa do século

Paradoxos do progresso em Corumbá aos olhos de um intelectual refugiado do nazismo

10

Vidas literárias: Tolstói

A espantosa história de Tolstói, que cai em depressão ao constatar que é milionário