anais das redes

Bolsonaro e Haddad vão ao JN, bombam no Twitter e crescem

Jornal Nacional foi evento mais tuitado das campanhas dos candidatos do PSL e do PT; apresentadores viraram o assunto após as entrevistas

Marcella Ramos
18set2018_00h06
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO / REPRODUÇÃO TV GLOBO

As entrevistas de Fernando Haddad e de Jair Bolsonaro no Jornal Nacional foram as aparições públicas mais comentadas das campanhas de ambos no Twitter até agora. O candidato do PSL bateu recorde de citações de seu nome nesta corrida eleitoral, com 1,3 milhão de menções na rede. A entrevista do candidato do PT, em sua primeira aparição como cabeça de chapa, recebeu 266 mil menções no Twitter em 12 horas, a segunda mais comentada da série com os presidenciáveis. Coincidentemente ou não, após as entrevistas, as intenções de votos dos dois candidatos com os eleitores mais críticos à emissora aumentaram. De acordo com um levantamento da Diretoria de Análise de Políticas Públicas (DAPP) da Fundação Getulio Vargas, as protagonistas da sabatina não foram as propostas dos candidatos. E sim os entrevistadores.

Nas palavras de Bolsonaro, entrevistado em 28 de agosto, a bancada do JN parecia “uma plataforma de tiro e artilharia” e, por isso, ele se sentia “confortável”. A condução dos apresentadores William Bonner e Renata Vasconcellos, naquele dia, foi o assunto relacionado à entrevista mais comentado no Twitter. Foram 185 mil comentários a respeito da postura dos jornalistas, em especial a de Vasconcellos. A fala do deputado sobre a diferença salarial entre homens e mulheres, e a réplica da jornalista provocaram ampla discussão na rede. A forma de conduzir a entrevista também foi o assunto mais comentado durante a sabatina de Ciro Gomes, a primeira da série, em 27 de agosto. Foram 60 mil menções ao tema, e o protagonista das associações era William Bonner, acusado de interromper demais as falas do candidato.

Na sabatina de Haddad, Bonner e Vasconcellos só não foram mais comentados que Lula, citado no Twitter mais de 98,3 mil vezes. A condução dos entrevistadores gerou 89 mil tuítes. Num dos momentos discutidos nas redes após a entrevista, o candidato declarou que, assim como a ex-presidente petista Dilma Rousseff era investigada, como Bonner havia acabado de dizer, a Rede Globo também era.

A postura dos jornalistas também foi o segundo assunto mais comentado durante a entrevista de Marina Silva, da Rede, e de Geraldo Alckmin, do PSDB. Atrás de citações à biografia da candidata, feitas 18 mil vezes, a condução da entrevista gerou 15 mil publicações no Twitter. Segundo o relatório da DAPP-FGV, os usuários comentaram que houve mudança na postura de Bonner, que, de acordo com os tuiteiros, teria se apresentado “menos combativo por receio de ser acusado de interromper excessivamente uma mulher”. O tom moderado também foi a reclamação mais frequente de quem assistiu à entrevista com Alckmin. A maneira como os apresentadores conduziram a entrevista com o tucano foi o segundo assunto mais comentado sobre o tema, com 9,5 mil tuítes.



 

Antes da entrevista no JN, Bolsonaro aparecia com 18% a 20% das intenções de votos na pesquisa Ibope de 20 de agosto. Depois da entrevista, em 5 de setembro, Bolsonaro aparece com 22%. Na pesquisa mais recente, feita após o atentado que o candidato sofreu em 6 de setembro, ele tem 26%. A trajetória de Haddad não é muito diferente. Em 20 de agosto, estava com 4% de intenção de votos e, menos de um mês depois, quando sua candidatura foi oficializada, em 11 de setembro, tinha o dobro disso. Uma pesquisa Datafolha do dia 14, feita antes da entrevista na Rede Globo, já apontava 13% de intenção de votos para Haddad. Desde então, nenhuma outra pesquisa dos dois institutos foi divulgada. A próxima pesquisa Ibope sai nesta terça-feira, e o próximo Datafolha na quarta. No sábado, uma pesquisa CNT/MDA apontou 18% das intenções de voto para o candidato petista.

Segundo o levantamento da DAPP-FGV divulgado nesta segunda, Haddad acumulou 303,3 mil engajamentos no Facebook, superior ao dia em que foi oficializado candidato. A entrevista, inclusive, garantiu 49 mil novas curtidas em sua página oficial, que tem média baixa de engajamento e curtidas por dia. Durante todo o ano, a entrevista foi o que gerou o melhor desempenho do petista nas redes sociais.

Da bancada do JN, o petista só não provocou mais citações no Twitter do que Bolsonaro. Até 6 de setembro, quando foi vítima do atentado em Juiz de Fora, a sabatina no telejornal era o assunto mais comentado sobre o candidato do PSL, muito maior do que qualquer debate. A entrevista na Globo continua sendo o assunto que mais conquistou curtidas para a página oficial do candidato no Facebook: 159 mil novos likes para Bolsonaro de terça a sexta-feira da semana em que apareceu no telejornal. Nem o atentado conseguiu esse feito.

Atrás de Haddad e Bolsonaro, Ciro Gomes foi o terceiro candidato com maior número de citações nas redes durante sua entrevista no JN, com 107 mil menções. O dia em que o candidato do PDT foi mais citado, no entanto, ainda é 10 de agosto, dia seguinte ao primeiro debate presidencial, na Band – quando o candidato do Patriotas, Cabo Daciolo, citou uma possível relação de Ciro com a Ursal e o Foro de São Paulo, o que gerou muitas piadas e 212 mil menções ao candidato.

Marina, cuja entrevista no JN foi citada 82 mil vezes, chamou mais atenção no dia do debate da RedeTV, em 17 de agosto, quando protagonizou um embate com Jair Bolsonaro. O episódio rendeu à candidata 90 mil menções. Alckmin, que teve 45 mil menções a sua ida à Rede Globo, registrou mais interações em 9 de agosto, durante o debate da Band, quando foi citado 112 mil vezes.

Durante as entrevistas de todos os candidatos, Bolsonaro foi o mais citado em conjunto com o adversário que estivesse na bancada. Com Haddad, por exemplo, o candidato do PSL foi mencionado 38 mil vezes. No dia da entrevista de Ciro, Bolsonaro foi comentado em 8,4 mil tuítes; na de Marina, 6 mil; e na de Alckmin, 7 mil.

Na entrevista de Haddad, Lula foi o principal subtema da sabatina. A principal hashtag associada ao tema foi #HaddadÉLulanoJN, que manteve o engajamento por parte da militância do PT (62,3 mil ocorrências no Twitter). Outras variações que apareceram foram #haddadnojn, #haddadnojornalnacional e #haddad13éLula13noJN. Entre opositores do PT, a hashtag #bolsonaropresidente17 teve 1,7 mil recorrências em associação ao debate sobre a sabatina de Haddad e ficou entre as dez principais hashtags engajadas sobre o evento.

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Repórter e coordenadora de checagem da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vacina em causa própria

Veterinário que comanda o Departamento de Imunização do Ministério da Saúde inclui a própria categoria na fila prioritária de vacinação contra a Covid-19

A epidemia particular das prisões

No Brasil, suicídios são quatro vezes mais comuns nas cadeias do que fora delas; famílias de presos lutam para que Estado se responsabilize pelas mortes

Pesadelo em Manaus

Mais trinta mil mortos pela Covid em apenas trinta dias. Quem é o responsável por essa tragédia?

A Floresta do Camboatá resiste

Depois de quase virar um autódromo, última área plana de Mata Atlântica no Rio pode se transformar em Unidade de Conservação

O dilema do impeachment

Especialistas divergem sobre possibilidade legal de Trump ser condenado após terminar o mandato; no fim, decisão deve ser política

A guerra da soja

Ao responsabilizar a produção de soja pelo desmatamento da Amazônia, presidente Emmanuel Macron optou por uma mentira conveniente

A gastança amazônica dos militares

Na virada do ano, Ministério da Defesa comprou satélite de 179 milhões de reais e fechou 2020 gastando o triplo dos órgãos ambientais para monitorar a floresta

Mais textos
1

Romário convoca CPI para investigar a cor do cabelo de Marin

BARRACA DO PEPÊ - Decidido a colocar em pratos limpos tudo que acontece na CBF, o deputado federal Romário recolheu assinaturas para uma CPI que investigará a cor do cabelo do presidente da entidade. "Se o Marin está diante de um fundo azul, o cabelo fica acaju. Se o fundo é branco, fica tudo meio esverdeado", desconfiou o craque, enquanto fazia aquecimento para uma partida de futevôlei com Aécio Neves.

2

Uma família de poder

A imagem reproduzida nesta página não é uma foto de família, apesar de representar quatro gerações de uma mesma família. Não foi feita para ser vista apenas por seus membros mas por um público amplo e não serviu para lembrar uma reunião de parentes, mas para passar uma clara mensagem política: a perenidade da dinastia reinante sobre a Inglaterra, então a nação mais poderosa do mundo. Tirada em 1899, às vésperas do novo século que prenunciava uma nova era, mostra a Rainha Vitória, então muito mais soberana do mundo que simplesmente rainha da Inglaterra, cujo reinado completara 62 anos, cercada por seu filho e herdeiro, o futuro Edward VII, seu neto, o futuro George V e seu bisneto, o futuro Edward VIII, cujo reinado, por oposição à sua bisavó, bateria o recorde de brevidade (apenas dez meses em 1936).

3

Após esfaquear Bolsonaro, agressor disse cumprir “ordem de Deus”

Policiais Federais que prenderam Adelio Bispo de Oliveira em Juiz de Fora imediatamente após o atentado afirmaram duvidar de sua “integridade psicológica”

4

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

5

A planta inteligente

Cientistas debatem um novo modo de entender a flora

6

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

7

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

10

Mentalizar pinos

Repetir uma série de movimentos antes de cada arremesso pode ser fundamental ao boliche