anais da política

Bolsonaro transfere seu sucesso na internet para a TV

Militar reformado vai ao Roda Viva e bate recorde de audiência entre presidenciáveis tanto no Ibope quanto no YouTube

Josette Goulart e Marcella Ramos
31jul2018_09h29

A convocação para a entrevista no Roda Viva da TV Cultura, transmitido na segunda-feira (30) à noite, já estava nas redes sociais do candidato Jair Bolsonaro e seus aliados desde a semana passada. O objetivo declarado: bater as maiores marcas de  audiência. O programa terminou sua transmissão no canal da emissora no YouTube no pico das visualizações com 228 mil pessoas acompanhando a entrevista. Um recorde  na história do Roda Viva, como definiu seu apresentador, Ricardo Lessa.

Na tevê, o candidato também teve a maior audiência entre todos os candidatos a presidente entrevistados, segundo dados prévios do Ibope obtidos pelo site Teleguiado – que antecipou com precisão os dados preliminares de audiência do programa com os demais entrevistados.

O fenômeno estendeu-se ao Twitter e ao Facebook que foram tomados por posts de apoio, e também de críticas, a Bolsonaro. Nos trending topics mundiais estavam em primeiro lugar as hashtags #BolsonaroNoRodaViva e #RodaViva. No Brasil, os temas discutidos no programa ainda ganharam a lista dos mais citados no Twitter como “Jesus Cristo”, em referência a uma indagação feita quase no final do programa pelo colunista do jornal O Globo Bernardo Mello Franco. Citando a defesa de Bolsonaro de regras mais duras para a concessão de refúgio a estrangeiros, o jornalista perguntou ao candidato se ele sabia que Jesus era um refugiado.

No Facebook, enquanto o programa era transmitido ao vivo, o número de visualizações chegou a 1,5 milhão. Na madrugada, já chegava a 1,8 milhão, quase o dobro do vídeo com a entrevista de Ciro Gomes, que tinha a maior audiência até ontem: 1 milhão de visualizações. No Ibope, a entrevista com Ciro, em 28 de maio, tinha alcançado 1,1 ponto, o que corresponde a cerca de 220 mil pessoas. Pelas prévias do Teleguiado, a entrevista de Bolsonaro terá mais do que o dobro de audiência: 2,4 pontos de média, com picos de 3 pontos. O resultado é ainda seis vezes superior ao obtido por Geraldo Alckmin, que chegou a 0,4 ponto de média. 

No YouTube, Bolsonaro ultrapassou em quase 100 mil visualizações simultâneas a marca de Sergio Moro, que até então era o recorde do programa no canal da internet, com 130 mil visualizações,  simultâneas da entrevista do juiz para trás, com 211 mil visualizações. A votação do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados, transmitida ao vivo pelo YouTube no canal do Senado, foi o único evento político a alcançar o mesmo pico de 228 mil visualizações da entrevista com Bolsonaro. 

Além do apresentador Lessa e Mello Franco, estavam na bancada de entrevistadores os jornalistas Daniela Lima, da Folha de S.Paulo; Thaís Oyama, redatora-chefe da revista Veja; Maria Cristina Fernandes, colunista do jornal Valor Econômico; Leonencio Nossa, repórter especial do jornal O Estado de S. Paulo. 

Bolsonaro esquivou-se de uma pergunta feita por Nossa sobre sua disposição, em caso de vitória, de abrir os arquivos da ditadura.  “Esquece isso daí. Os papéis com certeza sumiram”, disse o candidato. Pouco depois, o perfil do jornalista no Facebook passou a ser alvo de simpatizantes de Bolsonaro. Nossa escreve uma biografia de Roberto Marinho e a capa de seu perfil no Facebook estampa uma foto do empresário e jornalista morto em 2003 com Fidel Castro. “Vejam o perfil deste cara de pau comunista”, dizia uma das mensagens. Posts  hostis também inundaram a página de Mello Franco na rede social. 

 

Se, de um lado os partidários do candidatos atacavam os jornalistas nas redes, de outro os críticos de Bolsonaro também se manifestavam. Marcelo Rubens Paiva, escritor,  jornalista e filho do deputado Rubens Paiva, que foi torturado e desapareceu durante a ditadura, escreveu no Twitter: “Cheguei à conclusão que Bolsonaro não é de extrema-direita, mas de extrema-burrice.”

Em meio ao discurso de apoio aos militares e de que não houve golpe em 1964, Bolsonaro reforçou conhecidas posições. Mais uma vez demonstrou sua admiração ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, declarado torturador pela Justiça mas que, segundo Bolsonaro, não foi ainda condenado em última instância. E atribuiu a problemas de burocracia e lentidão do Congresso a limitação de sua produção legislativa ao longo dos 29 anos de vida pública, queixando-se, por exemplo da falta de apoio ao seu projeto de submeter estupradores à castração química. Disse que reduziria cotas para negros. Sobre política econômica, afirmou que delegaria as atribuições ao economista Paulo Guedes. Sobre educação e saúde foi pouco questionado.

A estratégia de usar as redes sociais tem sido reforçada por Bolsonaro em razão do pouco tempo de televisão que terá durante a propaganda eleitoral. Seu filho, Flávio Bolsonaro, disse à piauí que os grupos de WhatsApp são um grande ativo da equipe Bolsonaro. Ele, candidato a senador pelo Rio de Janeiro, faz parte de 2 500 grupos em seu telefone pessoal. Seu pai, segundo ele, faz parte de 4 500 grupos.

Com esse objetivo, a campanha de Bolsonaro contratou um especialista, o marqueteiro digital Marcos Carvalho, que acompanhou o programa na TV Cultura. Carvalho afirmou que uma das estratégias que usará nos 8 segundos de tempo de televisão será a de convocar as pessoas a assistirem à propaganda do candidato pelo Facebook.

Outra estratégia que está sendo usada na campanha é a de pedir para que as pessoas assistam às transmissões ao vivo de Bolsonaro por meio de um aplicativo chamado Mano. Depois da decisão do Facebook de retirar do ar páginas ligada a movimentos de direita e do MBL na semana passada, a campanha tem receio de ficar refém das redes privadas.

Bolsonaro queria indicar dois jornalistas para a bancada do Roda Viva. Nenhum outro candidato tinha encaminhado pedido parecido e a direção do programa não aceitou a demanda. Seguiu-se a decisão prévia da produção de convidar apenas jornalistas de veículos de grande circulação. Logo na abertura, o apresentador pulou a frase “nosso convidado de hoje não fez qualquer restrição ou exigência com a bancada de entrevistadores” e disse apenas que “os entrevistados foram escolhidos livremente”.

*

Correções

A informação do blog Telepadi, transcrita na versão original deste texto e segundo a qual Bolsonaro teria vetado a participação do jornalista Marcelo Tas na bancada de entrevistadores, foi suprimida às 11 horas, em razão de não ter sido confirmada pela direção do programa Roda Viva. 

O texto original informava que o jornalista Leonencio Nossa tinha escrito uma biografia sobre Roberto Marinho. Na verdade, a obra ainda não está finalizada. 

Josette Goulart (siga @JosetteGoulart no Twitter)

Repórter investigativa e documentarista. Trabalhou no Valor Econômico, O Estado de S.Paulo, entre outros

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Marcella Ramos é jornalista baseada no Rio de Janeiro.

Leia também

Relacionadas Últimas

Cria Bolsonaros

Mais popular cabo eleitoral do presidenciável do PSL no Nordeste, cearense de 20 anos abandonou sonho de ser candidato a Whindersson Nunes para ser candidato a deputado

Bolsonaro e a tirania da maioria

País que exige ficha limpa de políticos desdenha da ficha democrática

Maria vai com as outras #10: Fim da temporada – Divisão sexual do trabalho

No último episódio desta temporada, a jornalista e escritora Rosiska Darcy de Oliveira fala dos primórdios do movimento feminista no Brasil e no mundo, do exílio durante a ditadura e do seu livro "Reengenharia do Tempo", sobre a divisão sexual do trabalho.

A imprensa precisa fazer autocrítica

Foram anos tratando o inaceitável como controverso ou mesmo engraçado

Bolsonarismo não é partido

Democracia brasileira depende de petismo e antipetismo se organizarem em siglas que se respeitem

O lado M da eleição

Mulheres negras no poder são o outro destaque das urnas

Foro de Teresina #22: O arrastão da direita, a derrota da mídia tradicional e o favoritismo de Bolsonaro

O podcast de política da piauí analisa a corrida presidencial após o primeiro turno

Cinema político – o risco da obsolescência

Crítico escreve carta aberta aos cineastas brasileiros: “Falhamos por omissão”

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

Bancada policial e militar mais do que dobra na Câmara

Deputados eleitos vinculados às Forças Armadas ou às polícias passam de 12 em 2014 para 28 nesta eleição

Maria vai com as outras extra: ao vivo no Foro de Teresina

Ouça a participação de Branca Vianna no podcast de política da piauí; o bloco debateu o peso da mulheres na eleição 2018

Mais textos
1

Vivi na pele o que aprendi nos livros

Um encontro com o patrimonialismo brasileiro*

2

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

3

A festa que Bolsonaro cancelou

O PSL enviou 300 convites para celebrar a vitória já no primeiro turno, num hotel na Barra da Tijuca. No fim, sobrou para aliados justificar por que não ganhou

4

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

5

O PT em segundo lugar

Ameaça autoritária exige pacto de refundação institucional

6

A acusadora

Como a advogada Janaina Paschoal, uma desconhecida professora da USP, se transformou em peça-chave do impeachment

7

Extremo centro x extrema direita

Do entendimento entre PT e PSDB depende a democracia no Brasil

8

Arrastão da direita redefine o país

Foro de Teresina destrincha realidade política que emerge do primeiro turno

9

O candidato da esquerda

Pouco conhecido, sem nunca ter feito vida partidária ou disputado votos, o ministro Fernando Haddad parte em busca dos militantes do PT, dos paulistanos e da prefeitura

10

O guarda da esquina e sua hora

Reflexões em torno de um slogan de Jair Bolsonaro