colunistas

Bolsonaro

Elitismo e democracia na campanha eleitoral

Marcos Nobre
01ago2018_07h45

O quadro de apostas em torno da candidatura de Jair Bolsonaro varia entre cravar que estará no segundo turno e afirmar com convicção que sua intenção de voto vai desabar a partir do início oficial da campanha, em 16 de agosto.  

Como Bolsonaro não tem alianças, recursos partidários ou tempo de tevê, as apostas contra e a favor de suas chances eleitorais se baseiam em avaliações opostas sobre o peso do tempo de tevê e das redes sociais na decisão de voto este ano. Sem tempo de tevê, Bolsonaro será massacrado nos programas dos adversários sem poder responder. Ou, na perspectiva oposta, sairá como vítima do ataque sistemático por parte da política tradicional e verá reforçada sua posição no eleitorado que quer protestar contra tudo que está aí.

Acontece que essa não é uma questão que possa ser decidida mediante recurso ao passado, simplesmente. Se dependesse apenas do retrospecto, seria fácil cravar que quem tem alianças e máquinas eleitorais (partidária e de governo) desaloja concorrentes isolados em uma eleição geral e que Bolsonaro, portanto, estaria fora do jogo. Mas colocar a questão exclusivamente nesses termos esconde aquela que é uma fraqueza eleitoral decisiva do capitão-candidato.

É característico de lideranças autoritárias como a de Bolsonaro encarnarem a solução dos problemas mais aflitivos da conjuntura. O líder é a solução. A sua figura é a garantia da ordem, da restauração dos verdadeiros valores e da prosperidade que virá. Dentro da lógica eleitoral, o líder tem de ter resposta para tudo.

E, no entanto, ciente de sua total incapacidade de ocupar esse lugar em que se colocou, o capitão-candidato decidiu terceirizar todas as respostas a problemas concretos. Sempre que perguntado sobre questões específicas, Bolsonaro recorre aos universitários.

Ou, na metáfora que ele mesmo prefere usar, diz ao eleitorado que vai perguntar no posto Ipiranga. Seja em matéria de economia, de ciência e tecnologia ou de qualquer outro assunto. Mesmo em temas militares, diz que vai recorrer a superiores hierárquicos da farda, invariavelmente um general. Prometeu, aliás, generais em vários ministérios, a começar pelo ministério da Educação.

Bolsonaro não conseguiu fazer plenamente a transição de fenômeno social e político para fenômeno eleitoral. Ainda, pelo menos. Mas quem procura enfrentá-lo no campo das questões culturais apenas enche de diesel o tanque de sua candidatura. Temas como ditadura militar, feminismo, racismo ou o direito de portar armas são música para o ouvido do candidato. Sai vitorioso todas as vezes em que consegue atrair quem o desafia para seu terreno de combate preferencial. Consegue reforçar seu status de perseguido pelas forças tradicionais.

Para piorar, essa tática de desqualificação equivocada vem sempre complementada por comparações descabidas. É um presente para Bolsonaro ser comparado ao atual presidente dos Estados Unidos, por exemplo. Porque a semelhança entre Trump e Bolsonaro é a mesma que existe entre o prédio da Trump Tower em Nova York e a sede do Comando Militar do Sudeste, em São Paulo. Ambas são edificações.

 

A hegemonia dessa tática equivocada de confronto da candidatura de Bolsonaro não é casual, entretanto. No fundo, disfarça mal seu elitismo, que pressupõe saber quem pode e quem não pode se apresentar na eleição. É uma tática de confronto que não admite nem aceita a candidatura de Bolsonaro como legítima em uma democracia. Ataca seu eleitorado e quem o apoia como ignorante, tosco e xucro. A consequência mais óbvia do equívoco é reforçar no eleitorado a imagem de que é uma candidatura contra as elites. Não poderia haver apoio mais efetivo a Bolsonaro do que desqualificar sua candidatura nesses termos.

Enfrentar Bolsonaro de maneira eficaz exige primeiro aceitar que ele tem direito de ser candidato. Mais que isso, exige aceitar que ele está exercendo esse direito, que Bolsonaro é candidato. Parece óbvio, mas não é. O estado de negação em que se encontra boa parte da elite pensante está atrasando de maneira alarmante o combate efetivo a essa ameaça, que tem de ser travado, neste momento, na arena propriamente eleitoral.

Aceitar Bolsonaro como candidato permite atacá-lo em seu ponto de maior vulnerabilidade. Em uma campanha eleitoral, o que conta é demonstrar capacidade e convencer de que poderá resolver os problemas do país com política. Todas as vezes em que foi levado a esse terreno, o líder autoritário das redes sociais fracassou de maneira inapelável.

Como no programa Roda Viva da última segunda-feira, quando, por exemplo, atribuiu o aumento da mortalidade infantil ao nascimento prematuro de bebês, e à falta de higiene bucal das mães, que também não fariam exames de urina. Em um debate propriamente eleitoral, é em momentos como esse que a bateria de perguntas tem de se concentrar. O candidato afirmou que as mães são responsáveis pela morte de seus próprios bebês. Será que não basta a dor de uma mãe que perdeu seu bebê, candidato? O senhor não se envergonha de obrigá-las a ouvir que são culpadas pela tragédia que as vitimou? É isso o que o candidato tem a dizer às mães que passaram pela angústia e pelo desespero de um parto prematuro? A culpa é da vítima, candidato?

Esse é o terreno de confronto para quem quer de fato desarmar Bolsonaro na eleição. Contra visões elitistas que consideram o eleitorado estúpido, é uma aposta na democracia. É uma aposta na capacidade de fazer com que o confronto político democrático seja capaz de minar candidaturas como a de Bolsonaro.

Essa é a tarefa urgente e imediata. Mas a urgência da tarefa não deve obscurecer algo ainda mais grave. Desarmar Bolsonaro eleitoralmente é apenas parte de um problema muito maior. A liderança social e política de Bolsonaro escancara o fato de que a continuidade do fechamento do sistema político à efetiva influência e participação da sociedade abriu a possibilidade da canalização de energias de vulto contra a própria democracia. E esse fato permanece mesmo que, nesta eleição pelo menos, Jair Bolsonaro não venha a ter o poder de realizar essa destruição.

Marcos Nobre

É professor de filosofia da Unicamp e autor de Imobilismo em Movimento, pela Companhia das Letras, e Como nasce o novo, pela Todavia

Mais textos de Marcos Nobre

Tempo eleitoral: modos de usar

Os dilemas do PSDB e do PT numa disputa atípica

A cisão

Eleição tende a acentuar dramaticamente o fosso entre azuis e vermelhos

A estratégia de Lula

Por que o ex-presidente adia a escolha de seu substituto

O centrão propõe

Bloco liderado por DEM e PP negocia os termos do novo pacto conservador

Junho, Ano V

As eleições, o sistema político e a negação da realidade

A polarização voltou

A disputa pela riqueza e a nova face do conservadorismo democrático

A volta da polarização?

A aliança entre Marina Silva e Eduardo Campos e a nova tática do PT para 2014

Depois da “formação”

Cultura e política da nova modernização

O fim da polarização

Nada de PT ou PSDB: a verdadeira força hegemônica da política brasileira é o pemedebismo.