questões do futebol

Botafogo: o time-ninja do Campeonato Brasileiro

Jorge Murtinho
09ago2013_11h38

O Santos vendeu Neymar, o São Paulo negociou Lucas, o Atlético Mineiro encheu a burra com Bernard. Fluminense e Grêmio começaram a temporada com os elencos mais caros do futebol brasileiro. O Cruzeiro tem um CT exuberante. Corinthians e Flamengo brigam para ver quem contabiliza os maiores patrocínios. O Internacional, com seus mais de 100 mil sócios-torcedores, não para de contratar jogadores muito bem pagos. Entretanto, no meio de toda a dinheirama e dos negócios milionários, o time-sensação desse início de campeonato é o desmonetarizado Botafogo – sem jogadores valiosos no mercado internacional, com menos de 10 mil sócios-torcedores , sem CT e carregando na camisa a marca de uma espécie de sub-Red Bull da Baixada de Jacarepaguá.

Aqui, uma questão de ordem: tomara que eu me estrepe, mas não acredito que o Botafogo vá brigar pelo título. Por mais que se cuide e por mais profissional que seja, não há como Seedorf aguentar o tranco das 38 rodadas. O excelente Jefferson desfalcará o time quando for convocado para a seleção brasileira. E ainda existe a possibilidade de Dória ser negociado. Mas, nessas doze primeiras rodadas, o Botafogo mostrou que a prática coletiva é capaz de superar a falta de dinheiro e outras dificuldades típicas dos grandes clubes tradicionais e burgueses. É ninja puro.

O que mais chama a atenção no time é a movimentação do meio-campo. Pegue o jeito de jogar do meio-campo do Botafogo e compare, por exemplo, com o do Flamengo, o do Fluminense ou o do São Paulo. Com um fluxo multicolaborativo que se retroalimenta o tempo inteiro e um amplo mosaico de parcialidades, o meio-campo botafoguense se impõe com legitimidade e produz como alguém que custa 900 reais e rende 150 mil. Saca?

Um dos grandes problemas do Botafogo é que, aos poucos, ele vai se tornando o segundo time dos torcedores dos outros clubes, e isso é péssimo. Tiro por mim: com o Flamengo nessa lama em que está, devendo o equivalente a um Washington Post e meio, e mandando a campo um time constrangedor, torço nesse Brasileirão – olha o perigo aí – pelo simpático clube da estrela solitária.



Repito: eu não acredito. Mas seria bacana se o Botafogo conseguisse provar que não é café com leite. Por sinal, uma bebida alvinegra.

Jorge Murtinho

Jorge Murtinho foi autor do blog questões de futebol no site da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Praia dos Ossos: terceiro episódio já está disponível

Podcast original da Rádio Novelo é publicado aos sábados

Boi com endereço

Se atender à pressão dos exportadores sem criar regulação interna, mercado ameaça criar  dois tipos de consumidor: o que pode comer carne de áreas desmatadas ilegalmente e o que não pode

A amiga oculta da J&F

Empresa dos irmãos Batista não apresenta no acordo de leniência a Unifleisch S/A, representante da JBS na Europa e citada como suspeita de lavagem em documentos do Tesouro americano

Matemática da inclusão

Prêmios recebidos pelas duas únicas pesquisadoras do Impa destacam a importância da igualdade de gênero na disciplina

E se estivermos variolizados?

O uso disseminado de máscaras pode expor a população a quantidades minúsculas de Sars-CoV-2 e aumentar a proporção de casos assintomáticos de Covid-19?

Do Islã ao PCC

Como um jovem condenado por terrorismo depois de trocar mensagens na internet sobre atentados foi recrutado pela facção criminosa mais poderosa do país

No rastro das onças-pintadas

Expedição pelo Pantanal acompanha animais como forma de medir preservação do ambiente enquanto se prepara para entrar na zona de queimadas

Mais textos
2

Desenhando esquinas

Andrés Sandoval explica o processo por trás das ilustrações que adornam a piauí desde a primeira edição.

4

90

5

R$ 0,46 no tanque dos outros

Agora, caminhoneiros grevistas usam WhatsApp para defender queda da gasolina, de Temer e da democracia

8

Sardanapalo

Babilônios cabotinos contracenarão com garbosas falanges assírias?