questões da opinião pública

Brasil de costas para a ciência

Pesquisa inédita realizada em vinte países mostra que brasileiros são os que menos acreditam em seus cientistas

Camille Lichotti
29set2020_11h01
Ilustração de Carvall
Ilustração de Carvall

Pesquisa realizada pelo Pew Research Center, organização americana que realiza pesquisas sobre questões da atualidade, mostra que, quando se trata de ciência, o Brasil é uma espécie de exceção mundial. Levantamento realizado pelo instituto em vinte países antes da pandemia do novo coronavírus e divulgado hoje indica que, de modo geral, cientistas e a ciência são valorizados ao redor do mundo. Os brasileiros são os que menos acreditam que os cientistas fazem o que é certo para a sociedade – 36% dos entrevistados disseram confiar pouco ou nada neles. Apenas 23% acreditam muito nas atitudes dos cientistas. Isso ajuda a explicar por que o discurso anticiência ganhou tanto espaço nos últimos meses, mesmo com o Brasil chegando a mais de 142 mil mortos pela Covid-19. As atitudes do presidente Bolsonaro em relação à pandemia e seu desprezo pelas orientações científicas não estão descolados da realidade. Os números mostram que boa parte da sociedade brasileira pensa como ele no que diz respeito à ciência. 

 

Como consequência, os brasileiros são céticos em relação ao potencial científico do seu próprio país. Apenas 8% acreditam que as realizações dos cientistas no Brasil estão acima da média internacional. É o índice mais baixo encontrado entre todos os países pesquisados. Na realidade, a baixa autoestima brasileira se repete em todas as outras áreas incluídas na pesquisa. Brasileiros também acreditam que o país está abaixo da média em empreendimentos tecnológicos, conquistas científicas e no ensino de ciência, tecnologia, engenharia e matemática. A pesquisa chama a atenção para as avaliações brasileiras, particularmente baixas.

Infográfico da pesquisa realizada pela Pew Research Center. A imagem representa a porcentagem da população de cada país que acredita que as áreas apontadas (tratamento médico, empreendimentos tecnológicos, conquistas científicas, ensino de ciência, tecnologia, engenharia e matemática

 

Apesar da desconfiança da população, o principal gargalo brasileiro é a falta de investimento mesmo em projetos científicos de sucesso. A Coppe (Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro) anunciou que, por falta de financiamento, o projeto MagLev-Cobra foi desativado. O veículo foi o primeiro do mundo a transportar passageiros utilizando tecnologia de levitação magnética por supercondutividade. O protótipo do Maglev-Cobra, desenvolvido por pesquisadores da  Universidade Federal do Rio de Janeiro, chegou ao TRL 7, uma escala de maturidade tecnológica criada pela NASA que varia de 1 a 9. Em uma estrutura montada no próprio campus da universidade, o MagLev começou a funcionar em 2014 e já transportou mais de 20 mil pessoas; segundo seus idealizadores, poderia ser uma alternativa a outros modais de transporte. Mas, por enquanto, não há investimento para continuar desenvolvendo o projeto.

 

Os pesquisadores da Coppe conseguiram incentivo inicial para tirar o projeto do papel a partir de financiamento do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e da Faperj (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro). Mas agora falta dinheiro para dar o passo seguinte. “Desde 2016 nós tentamos um apoio financeiro, mas não conseguimos”, diz Richard Stephan, coordenador do projeto MagLev-Cobra. “Eu cheguei a botar dinheiro do meu próprio bolso para manter o projeto, na expectativa de financiamento. Mas chegou um momento que não deu mais, e o trabalho precisou ser encerrado.” Funcionários envolvidos no projeto – engenheiros, técnicos etc – precisaram ser demitidos. Stephan conta que falta investimento para transformar o protótipo artesanal em um protótipo industrial, que pode ser produzido em larga escala. “Eu tenho o projeto completo de execução, todo pronto, só esperando um aporte significativo. Isso precisa sair da universidade e ir pra rua. Mas o que falta no Brasil é uma visão estratégica e isso afeta a produção científica”, desabafa. Stephan agora busca apoio para colocar seu projeto a serviço da sociedade. “Eu posso morrer, mas vou morrer brigando.”

 

O pessimismo brasileiro revelado pela pesquisa é um dos sintomas da frustração generalizada no país. A uma pergunta da pesquisa, que procurava saber se as pessoas estavam satisfeitas ou insatisfeitas com “como as coisas estão indo no Brasil”, 74% respondeu que estava insatisfeito – depois de Itália e Espanha, foi a maior proporção do mundo. Às vésperas da pandemia, o principal descontentamento do público brasileiro era com o nível de tratamento médico no país – 63% da população considera que nosso sistema de saúde está  abaixo da média internacional. Nenhum outro país que integrou a pesquisa apresentou números tão desanimadores. Entre os poucos brasileiros que acreditam que o tratamento médico no país está acima da média internacional, a proporção é maior entre pessoas com menores níveis educacionais, que não completaram o ensino médio e normalmente utilizam o sistema público de saúde. A pesquisa mostrou que quanto maior o nível educacional de um brasileiro, mais pessimista ele é sobre a saúde local – um comportamento contrário ao verificado no resto do mundo.   

 

Outro problema revelado pela pesquisa é a falta de compreensão sobre assuntos científicos. Para 68% dos brasileiros, o público geral não tem conhecimento suficiente para entender as notícias sobre descobertas científicas – para a maioria, esse é o maior entrave do processo comunicacional. O resultado disso recai sobre a confiança nacional nos cientistas. Apesar de 54% dos brasileiros acreditarem que os cientistas se baseiam estritamente em fatos para aferir sobre um assunto, menos da metade acha que as decisões devem ser tomadas por experts (41%). Para a maioria, as decisões devem depender de pessoas que têm “experiência prática”, mesmo que não sejam consideradas especialistas. 

 

Esse resultado traduz o antiacademicismo que tomou conta do país nos últimos anos. Os ataques às universidades públicas, capitaneados por figuras do próprio governo, são, ao mesmo tempo, causa e consequência da baixa valorização do conhecimento científico no país. Em 2021, o Ministério da Educação já informou que vai cortar parte das verbas discricionárias de institutos federais e universidades. No ensino superior, o corte será de quase 1 bilhão de reais. Essa redução pode inviabilizar atividades de ensino, pesquisa e extensão no ano que vem e representa mais um golpe na já desvalorizada ciência nacional.  



Camille Lichotti (siga @camillelichotti no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Erros em série e 250 mil mortes

Sem plano eficaz de imunização, dinheiro das vacinas paga até gasto sigiloso com operação de inteligência do Exército; governo financia campanha de tratamento precoce e mantém no ar manual para uso de cloroquina

No rastro do doleiro dos doleiros

Inquérito investiga como Dario Messer movimentou mais de 100 milhões de dólares em contas no Banco Safra no exterior - e se banco violou regras contra lavagem de dinheiro

Mais partido do que novo

De olho em 2022, Amoêdo abre oposição tardia a Bolsonaro, e Novo racha antes de crescer

A era do testemunho e o impeachment

Julgamento de Trump ignorou imagens e relatos dos acontecimentos

Cada crime no seu quadrado

Áreas de milícia no Rio concentram ocorrências ligadas ao "controle" da população; mortes por intervenção policial e crimes envolvendo drogas são mais frequentes em regiões de tráfico

O jogo do prende-e-solta

Como o doleiro Chaaya Moghrabi escapou três vezes da prisão

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

3

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

5

A Copa industrializada

Revendo algumas imagens, graças ao santo youtube, é fácil notar que a Copa de 66, na Inglaterra, teve um jeitão todo inglês. A de 70, no México, foi mexicana até o último burrito. O raciocínio parece óbvio, mas ele melhora se pegarmos as copas disputadas neste século: todas foram iguais, sem qualquer sabor local. Por incrível que pareça, conseguiram fazer uma Copa na África idêntica a uma Copa na Alemanha. A Fifa acha isso bom. Eu acho péssimo.

6

Touchdowns no ABC

A batalha de São Bernardo Cougars contra Sorocaba Vipers

7

Princesa Kate: “Edison Lobão foi minha desgraça.” 

PALÁCIO DE BUCKINGHAM – Aos prantos, três horas após aceitar como seu legítimo esposo William Arthur Philip Louis, duque de Cambridge, segundo na linha de sucessão ao trono britânico, Kate Middleton confessou ao pai: “Amo Edison Lobão.” A notícia, não confirmada pela Casa de Windsor, causou perplexidade no Reino Unido e já é considerada a pior crise da monarquia desde a renúncia de Eduardo VIII, em 1936.

8

Furo: a exemplo de falso fotógrafo exposto pela BBC, famoso blogueiro também copiava textos

A história era de grudar os olhos na tela: um blogueiro brasileiro se lançara às principais zonas de guerra do Brasil, entre elas Brasília, São Bernardo do Campo, Guarujá e Atibaia, para registrar o sofrimento humano

10

Chico Buarque é visto vendendo miçanga na praia para sobreviver

LEBLON - O fim do Ministério da Cultura fez com que artistas consagrados finalmente começassem a trabalhar.