anais da ciência

Britânico tem medalha furtada após premiação

Câmeras registraram imagem de suspeito, mas nenhuma prisão foi feita

Bernardo Esteves
01ago2018_16h35
Ao centro na imagem, o britânico Caucher Birkar recebe a medalha do ministro da Educação, Rossieli Soares da Silva (à esquerda), e do presidente da União Matemática Internacional, Shigefumi Mori (à direita)
Ao centro na imagem, o britânico Caucher Birkar recebe a medalha do ministro da Educação, Rossieli Soares da Silva (à esquerda), e do presidente da União Matemática Internacional, Shigefumi Mori (à direita) FOTO: MARCOS ARCOVERDE/ICM

Eram quase 10 horas da manhã quando o nome do britânico Caucher Birkar foi anunciado como um dos quatro ganhadores da medalha Fields, o maior prêmio da matemática. O laureado recebeu do ministro da Educação, Rossieli Soares da Silva, e do presidente da União Matemática Internacional, Shigefumi Mori, a medalha com seu nome gravado na borda. A peça é feita de ouro maciço, tem 6,35 centímetros de diâmetro e vale aproximadamente 15 800 reais (a láurea inclui ainda um prêmio em dinheiro de 15 mil dólares canadenses, cerca de 43 mil reais).  

Birkar passou pouco mais de uma hora de posse de sua medalha. Ao fim da cerimônia de abertura do congresso, enquanto ele e os outros medalhistas atendiam a pedidos de fotos com os participantes, a pasta em que ele havia guardado a sua Fields foi furtada.O britânico comunicou a organização do evento e não participou da coletiva de imprensa com os demais medalhistas.

Um homem suspeito de cometer o crime foi identificado em imagens das câmeras de segurança, conforme apurou a piauí – ele estaria de posse de uma mochila na qual teriam sido encontrados alguns pertences de Birkar. A organização do evento confirma apenas que as imagens das câmeras estão sendo analisadas e um boletim de ocorrência está sendo registrado. Até as 16h30 desta quarta-feira, ninguém havia sido preso.

No sábado, os organizadores do congresso entregaram uma nova medalha ao matemático.

*

Este texto foi reeditado em 4/8/2018.

Bernardo Esteves (siga @besteves no Twitter)

Repórter da piauí desde 2010, é autor do livro Domingo é dia de ciência, da Azougue Editorial

Leia também

Relacionadas Últimas

Brasil recebe maior evento da matemática mundial

Mas país fica sem medalha Fields, o prêmio mais importante da disciplina, que vai para Alemanha, Austrália, Itália e Reino Unido

Tempo eleitoral: modos de usar

Os dilemas do PSDB e do PT numa disputa atípica

Produtor de soja do MS é autor de “outdoor rural” pró-Bolsonaro

Projeto Comprova descobriu quem é o responsável pela imagem que viralizou e circula na internet desde o ano passado

A culpa do alto clero

Arranjo institucional do país aumenta a influência do dinheiro na política

O Grenal das vices

20 perguntas para mostrar as muitas diferenças e os poucos pontos em comum entre as gaúchas Manuela D’Ávila e Ana Amélia

Bolsonaro fala outra língua

O ex-capitão é o único presidenciável da era da conectividade

Maria vai com as outras #6: Lugar de homem

Adinaildes Gomes, dona de uma empresa de construção civil e motorista de aplicativo, e Karla de Souza, vigilante patrimonial, contam como é atuar em profissões historicamente masculinas

O medo e o mito

A relação entre Bolsonaro e um hit do axé

No sofá, com a crise

Desempregados passam a lavar carros em ruas do Rio e serviço conta até com sofá para os clientes. Um deles pergunta: “Prefere que eu assalte?”

Com Deus, sem Lula

Impressões sobre o primeiro debate dos presidenciáveis

O debate traduzido para o mercado financeiro

Em pesquisa para bancos, Ciro foi apontado como o candidato mais simpático, e Bolsonaro, o mais alvejado; piauí acompanhou o programa em consultoria que monitora redes sociais para as instituições

Mais textos