questões migratórias

Bye, bye, Venezuela

Em meio à crise, um terço dos venezuelanos quer deixar o país; jovens e escolarizados são os mais insatisfeitos, aponta Gallup

Yasmin Santos
05fev2019_17h55
INTERVENÇÃO DE ISABELA DA SILVEIRA EM FOTO DE MARCELO CAMARGO / AGÊNCIA BRASIL

Um país com dois presidentes, hiperinflação e desabastecimento em supermercados, farmácias e postos de combustíveis. Com a proximidade de um colapso em sua terra natal, ao menos um a cada três venezuelanos gostaria de deixar o país – são cerca de 8 milhões de pessoas ou 36% da população. É o que aponta um estudo realizado pelo Gallup, instituto norte-americano de pesquisa de opinião. Entre os venezuelanos de 15 a 29 anos, a proporção ultrapassa a metade, chegando a 51% dos entrevistados. Se os jovens rejeitam o país, assim também o fazem os adultos mais escolarizados. Se pudessem, ao menos quatro a cada dez venezuelanos com ensino médio (43%) ou superior completo (41%) mudariam permanentemente para outro país – justamente os grupos que “mais podem fazer pelo futuro da Venezuela”, apontaram os pesquisadores. Acima dos 50 anos e com escolaridade baixa, os índices são menores, de 17% e 22%, respectivamente.

Imersa em uma profunda crise econômica e política que culminou na disputa entre Nicolás Maduro e o autoproclamado presidente Juan Guaidó e em protestos violentos pelo país, a população vem perdendo as esperanças, aponta o instituto. Pesquisas feitas pelo Gallup ao longo dos últimos três anos mostram que a proporção de habitantes insatisfeitos tende a crescer.

Entre 2013 e 2017, a insatisfação com o próprio país apresentou praticamente uma reta de crescimento entre os venezuelanos. O segundo maior salto se deu entre 2013 e 2014, logo após o primeiro ano de mandato de Nicolás Maduro. Antes de Maduro assumir, 12% afirmavam querer deixar o país. Desde a primeira vez em que tomou posse, o número de insatisfeitos chegou a atingir 41% da população em 2017.

Além da falta de alimentos e medicamentos, a crise persistente na Venezuela se reflete em um aumento na sensação de insegurança de seus habitantes. Como mostrou reportagem da piauí em junho, apenas 17% dos venezuelanos se sentiam seguros no próprio país em 2017 – no Brasil, eram 31%. É neste contexto que milhões querem deixar o país permanentemente. A ONU estima que 3 milhões de pessoas deixaram a Venezuela desde 2015. O número, que corresponde a 10% da população, pode aumentar ainda mais até o final do ano. A estimativa da organização é de que 5 milhões de venezuelanos serão emigrantes até dezembro. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 31 mil venezuelanos viviam no Brasil em 2018, um aumento de 3.000% em relação a 2015, quando eram apenas 1 mil cidadãos daquele país.

 

Vivendo neste contexto de caos social, a República Bolivariana segue na contramão da América Latina. Até 2010, como aponta um estudo do Pew Research Center do fim de janeiro, a Venezuela não aparecia no ranking dos países latino-americanos com o maior e mais rápido crescimento de emigração. A partir de então, o país uniu-se a Honduras, República Dominicana, Guatemala e Costa Rica, grupo que passou a liderar a pesquisa. Como o índice de Honduras representa, na verdade, uma queda acentuada em relação aos anos 90 e início dos anos 2000, a Venezuela aparece como a principal responsável pelo crescimento total de 7% da emigração latino-americana entre 2010 e 2017. É a primeira vez, nas últimas três décadas, que o aumento percentual global (17%) ultrapassa a América Latina.

Nos anos 90, o crescimento de emigrantes latino-americanos ou caribenhos alcançou o índice de 58%, e liderava as pesquisas. Na década seguinte, caiu continuamente. Agora, aponta a pesquisa, quem lidera o ranking é o Oriente Médio e norte da África, com um crescimento contínuo, há quase duas décadas, que chega a 38%. Os dados contrastam com a postura do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que insiste em construir um muro na fronteira com o México – justamente quando a imigração de latinos ao seu país está em declínio, sem que ele fizesse qualquer interferência.

*

Errata: A primeira versão deste texto afirmava que o maior salto na porcentagem de insatisfação dos venezuelanos (10%) foi entre 2013 e 2014, após o primeiro ano de mandato de Nicolás Maduro. A informação está incorreta. Como mostra o gráfico, o maior crescimento (13%) foi entre 2015 e 2016, durante a crise do governo Maduro.

Yasmin Santos (siga @yasminsmp no Twitter)

Yasmin Santos é estagiária de jornalismo da piauí. Antes, trabalhou no Museu de Arte do Rio e no Museu Nacional

Leia também

Últimas Mais Lidas

“PSL é a Geni do governo Bolsonaro”

Líder do partido no Senado diz que ministros são mal-educados com a base e que nunca falou com Santos Cruz

Sob Bolsonaro, militares perdem popularidade

Pesquisa inédita do Ibope revela queda de 13 pontos na preferência por governo militar entre brasileiros

Operação cerca-índio

Grilagem, desmatamento e perseguição a líderes assombram territórios indígenas em Rondônia

Há vagas, só não são boas

De cada 200 empregos criados em 2018, 171 pagavam até dois salários mínimos

Maria vai com as outras #7: Rugas de preocupação

Uma professora de inglês e uma física falam sobre como envelhecer afetou suas carreiras, suas vidas pessoais, a maneira como se apresentam e o que escolhem para vestir

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

Verbas pelo ralo

Empresa contratada com dinheiro de emenda apresentada pelo secretário de Previdência fez depósitos na conta de parente de Marinho; caso explicita descontrole na fiscalização

Mais textos
1

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

2

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

5

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

6

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

7

O apocalipse dos insetos

O futuro sinistro de um mundo sem mosquitos nem abelhas

9

Há vagas, só não são boas

De cada 200 empregos criados em 2018, 171 pagavam até dois salários mínimos

10

Ordem no bandejão

Universitários se reúnem para celebrar o conservadorismo