=igualdades

A cada 100 brasileiros ocupados, 86 trabalham presencialmente durante a pandemia

Amanda Gorziza, Daniel T. Ferreira, Pedro Siemsen e Renata Buono
19abr2021_09h16

O apartheid sanitário imposto pela pandemia começa pela maior exposição ao vírus de brasileiros pretos, pobres e moradores de periferia – são eles que têm que sair mais de casa para trabalhar. Em plena pandemia da Covid-19, em novembro de 2020, 72,9 milhões de pessoas trabalhavam presencialmente. E apenas 11,8 milhões faziam trabalho remoto ou estavam afastadas, de acordo com dados do IBGE.

Em novembro do ano passado, 7,3 milhões de trabalhadores estavam atuando de forma remota no Brasil. Na comparação com o mês anterior, houve uma redução de, aproximadamente, 260 mil pessoas.

Fonte: Dados do IBGE, compilados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)



Amanda Gorziza (siga @amandalcgorziza no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Daniel T. Ferreira (siga @pindograma no Twitter)

É editor-chefe do Pindograma, site de jornalismo de dados, e estudante de História na Universidade de Stanford.

Pedro Siemsen (siga @pedrosgiestas no Twitter)

É fundador do Pindograma, site de jornalismo de dados, e estudante de história na Universidade de Columbia, em Nova York

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas

“Queima” de cloroquina pré-CPI

Após 337 dias no ar, Ministério da Saúde apagou recomendação para uso da droga às vésperas de comissão ser instalada no Senado

Mais nebuloso e mais conservador

Professores respondem a tréplica de Benamê Kamu Almudras

Pseudônimo para quem?

De que forma um monólogo pode se esconder por detrás de um diálogo

Paulo Gustavo mirava carreira internacional com Amazon a partir de 2022

Humorista estava de saída do Grupo Globo e já tinha assinado contrato de cinco anos com plataforma de streaming

Lava-se de tudo – sangue, pó e propina

Empresa de cobrança virou lavanderia de dinheiro para contrabandistas e PCC; esquema movimentou pelo menos 700 milhões de reais em quatro anos

Valores em desuso

Dois Tempos celebra amizade e afeto ao som de violões

A médica e o burocrata

No Brasil profundo, pequenos poderes se misturam com preconceito e Covid para compor uma tragédia

Mais textos