anais da ciência

Cálculos políticos do matemático dândi

Vencedor da medalha Fields em 2010 e muito popular, o francês Cédric Villani conta por que decidiu se tornar deputado

Bernardo Esteves
07ago2018_08h02
FOTO: PABLO COSTA/ICM2018

Cédric Villani nunca passa despercebido: com cabelos compridos na altura do queixo e barba curta, o matemático francês se veste como um dândi do século XIX, com terno bem cortado, lenço de seda no lugar da gravata e relógio de bolso. Na lapela, vai invariavelmente um grande broche de aranha e, nos pulsos, abotoaduras de sua vasta coleção. Nos corredores do ICM, o Congresso Internacional de Matemáticos, realizado este ano no Rio de Janeiro, não foi diferente. Sentado na praça de alimentação no último sábado, Villani não conseguia encadear duas frases sem que fosse interrompido por um participante em busca de um autógrafo ou de uma selfie com o mais pop dos matemáticos.

Especialista em equações diferenciais parciais, Villani ganhou em 2010 a medalha Fields, o prêmio mais prestigioso da matemática, considerado o equivalente ao Nobel da disciplina. Este ano, ele comemorou a Fields recebida por um aluno, o italiano Alessio Figalli (sua tese de doutorado foi orientada por Villani e pelo italiano Luigi Ambrosio). “Estou muito orgulhoso de Alessio, foi um grande dia para ele e também para mim”, disse o francês numa entrevista à piauí durante o congresso. “Enviei uma mensagem a meus colegas deputados, tanto os da situação quanto os da oposição, dizendo que, para comemorar a notícia, oferecerei uma rodada por minha conta no bar da Assembleia Nacional assim que houver a ocasião.”

O matemático tornou-se deputado no ano passado, quando disputou a eleição legislativa pelo partido En Marche, de Emmanuel Macron, eleito presidente um mês antes. Villani já era uma personalidade conhecida na França quando decidiu se candidatar e atribui seu sucesso eleitoral à fama conquistada com a matemática. “Eu não teria me lançado na política se não fosse pela medalha Fields e pela visibilidade que ela me deu”, disse o pesquisador, num francês rebuscado coerente com sua indumentária.

Defensor da adesão da França à União Europeia, Villani se interessa pela política há alguns anos e, antes de aderir ao En Marche, foi filiado ao partido centrista MoDem. No ano passado, decidiu concorrer à Assembleia por julgar que era preciso aumentar a participação dos especialistas na vida pública. Sua motivação é similar à que levou alguns cientistas brasileiros a concorrerem a cargos do Legislativo este ano – caso do bioantropólogo Walter Neves, professor aposentado da USP que é candidato a deputado federal pelo PPL paulista, ou da matemática Tatiana Roque, pesquisadora da UFRJ que postula um lugar na Câmara pelo PSOL fluminense.

No caso brasileiro, o pano de fundo dessas candidaturas é a crise de financiamento da ciência e tecnologia – o orçamento federal para a área vem caindo ano após ano, e a perspectiva para o futuro não é das mais animadoras, diante da emenda constitucional que limitou o aumento dos gastos públicos nos próximos vinte anos à desvalorização pela inflação. No começo do mês, a Capes, agência federal de fomento à ciência, alertou para o risco de não ter dinheiro para pagar seus cerca de 200 mil bolsistas no ano que vem; diante da reação acalorada da comunidade científica, o Ministério da Educação soltou uma nota na qual  afirma que não haverá cortes nas bolsas.

Quando pedi a Villani que comentasse a crise da ciência nacional, ele se apressou em afirmar que não tem qualquer lição a dar ao governo brasileiro. “Mas é preciso tomar cuidado”, continuou. “Um país que pretende ter influência internacional em longo prazo deve desenvolver a infraestrutura científica e os elos entre a pesquisa, a indústria e a economia de forma mais ampla”, disse o matemático. “E deve também se colocar como ator – em vez de simples usuário – dos desenvolvimentos científicos e tecnológicos, caso contrário será sempre dependente de outros países.”

 

O envolvimento dos cientistas na vida pública é essencial na avaliação de Villani. “Alguns dos problemas políticos mais notáveis da atualidade têm um componente científico importante”, disse o matemático. “É o caso do combate ao aquecimento global ou das regulações para a preservação do meio ambiente”, continuou, notando que essas são questões fundamentais para o Brasil. O francês ponderou, no entanto, que decidiu se candidatar para colocar a ciência a serviço da política, e não o contrário.

Quando lhe pedi que esclarecesse o que queria dizer com aquilo, Villani disse que explicaria com exemplos de sua atuação parlamentar. Uma das principais tarefas que lhe foi confiada foi a preparação de um relatório que aponta diretrizes para reformar o ensino de matemática nas escolas públicas francesas. Encarregou-se também da elaboração de um documento que servirá de base para a estratégia nacional francesa para o campo da inteligência artificial. “Estes são exemplos claros de casos em que havia a necessidade de colocar a ciência a serviço da política”, disse Villani.

A transição da academia para o parlamento não foi livre de percalços. “O mundo da política nacional é violento”, avaliou o matemático. “Seja qual for sua popularidade, todo dia alguém vem insultá-lo, sobretudo nas redes sociais. É também um mundo no qual você desconfia de tudo e onde nunca se sabe se os atores de fato pensam aquilo que estão dizendo.” Mas Villani aprendeu logo a lidar com os novos colegas. “É como a volta às aulas, só que numa turma com 577 alunos”, comparou. “É preciso se acostumar com a ginástica complexa dos horários, reuniões, comissões e emendas.” A necessidade de dominar a retórica foi o aspecto da nova profissão que mais chamou sua atenção. “A política é uma função na qual você passa praticamente o tempo todo falando.”

O deputado disse não ter propriamente uma rotina – divide seu tempo entre as sessões da Assembleia, a atuação junto à sua base eleitoral na região da Essonne e outras viagens a trabalho (só este ano ele já visitou vinte países, cinco deles na comitiva do presidente Macron). Ele abriu em seguida a agenda de seu celular para mostrar uma semana típica sua: estava tomada de retângulos coloridos, em que cada cor correspondia a compromissos de natureza diferente.

A conturbada agenda parlamentar tirou-lhe o tempo para a pesquisa matemática. Villani ainda encontra brechas para dar palestras e participar de eventos como o ICM, mas interrompeu sua produção científica e não pretende retomá-la de imediato. Questionado sobre como ele se enxergava no futuro próximo, o matemático disse que é preciso mais que cinco anos – duração do mandato dos deputados na França – para deixar um impacto na vida política. Sinal de que deve se candidatar à reeleição em 2022? “Ainda é cedo demais para dizer”, afirmou. “Pretendo me manter politicamente engajado, mas não necessariamente como deputado.”

Bernardo Esteves (siga @besteves no Twitter)

Repórter da piauí desde 2010, é autor do livro Domingo é dia de ciência, da Azougue Editorial

Leia também

Relacionadas Últimas

Brasil recebe maior evento da matemática mundial

Mas país fica sem medalha Fields, o prêmio mais importante da disciplina, que vai para Alemanha, Austrália, Itália e Reino Unido

Brasil chega à elite da matemática mundial

Promoção reconhece bom momento da disciplina no país, coroado com a Medalha Fields de Artur Avila e a realização do maior congresso internacional da área

Bolsonaro e a tirania da maioria

País que exige ficha limpa de políticos desdenha da ficha democrática

Maria vai com as outras #10: Fim da temporada – Divisão sexual do trabalho

No último episódio desta temporada, a jornalista e escritora Rosiska Darcy de Oliveira fala dos primórdios do movimento feminista no Brasil e no mundo, do exílio durante a ditadura e do seu livro "Reengenharia do Tempo", sobre a divisão sexual do trabalho.

A imprensa precisa fazer autocrítica

Foram anos tratando o inaceitável como controverso ou mesmo engraçado

Bolsonarismo não é partido

Democracia brasileira depende de petismo e antipetismo se organizarem em siglas que se respeitem

O lado M da eleição

Mulheres negras no poder são o outro destaque das urnas

Foro de Teresina #22: O arrastão da direita, a derrota da mídia tradicional e o favoritismo de Bolsonaro

O podcast de política da piauí analisa a corrida presidencial após o primeiro turno

Cinema político – o risco da obsolescência

Crítico escreve carta aberta aos cineastas brasileiros: “Falhamos por omissão”

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

Bancada policial e militar mais do que dobra na Câmara

Deputados eleitos vinculados às Forças Armadas ou às polícias passam de 12 em 2014 para 28 nesta eleição

Maria vai com as outras extra: ao vivo no Foro de Teresina

Ouça a participação de Branca Vianna no podcast de política da piauí; o bloco debateu o peso da mulheres na eleição 2018

Mais textos
1

Vivi na pele o que aprendi nos livros

Um encontro com o patrimonialismo brasileiro*

2

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

3

A festa que Bolsonaro cancelou

O PSL enviou 300 convites para celebrar a vitória já no primeiro turno, num hotel na Barra da Tijuca. No fim, sobrou para aliados justificar por que não ganhou

4

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

5

O PT em segundo lugar

Ameaça autoritária exige pacto de refundação institucional

6

A acusadora

Como a advogada Janaina Paschoal, uma desconhecida professora da USP, se transformou em peça-chave do impeachment

7

Extremo centro x extrema direita

Do entendimento entre PT e PSDB depende a democracia no Brasil

8

Arrastão da direita redefine o país

Foro de Teresina destrincha realidade política que emerge do primeiro turno

9

O candidato da esquerda

Pouco conhecido, sem nunca ter feito vida partidária ou disputado votos, o ministro Fernando Haddad parte em busca dos militantes do PT, dos paulistanos e da prefeitura

10

O guarda da esquina e sua hora

Reflexões em torno de um slogan de Jair Bolsonaro