ficção

Preservação da paz

A polícia tinha que continuar longe. Mas o que o jovem poderia fazer?

A locomotiva preta

Cuidem bem dos seus sonhos

Não me deixe dormir o profundo do sono

Se a mocinha e a tetravó não cuidassem uma da outra, quem cuidaria?

Domingo medonho

Era só vírus pandêmico e verme fascista cagando no seu dia

Os preços baixaram

Dá uma nota de mil-réis e quero ver ele queimar

Os ponteiros do relógio

Um poeta à espera da polícia

O tantra e a arte de cortar cebolas

Ela queria chupar para sempre o dedo de Prajapati em vez de cuidar da panela

Rosie

A convicção que ela tem agora só pode ter vindo de suas células

O último dos copistas

Para tornar-se escritor, é preciso sempre se tornar escriba

Mais textos