questões feministas

Catherine Millet e a síndrome da “cool girl”

O recado das garotas cool aos homens é: “Fiquem tranquilos, nós concordamos com vocês, assédio não é violência, é paquera, sedução. Continue agindo como se fosse 1967 que vai dar tudo certo”

Branca Vianna
16jan2018_14h40
ILUSTRAÇÃO: JOÃO BRIZZI / FOTO ORIGINAL: BEL PEDROSA_FOLHAPRESS

EGone Girl (Garota Exemplar, na tradução brasileira), um thriller trash, porém bem divertido, Gillian Flynn, pela boca de sua anti-heroína, uma assassina fria e calculista, desabafa contra o que chama de síndrome da garota cool.

Amy, a narradora, diz que chamar uma mulher de cool é o máximo do elogio por parte de um homem. Isso porque a garota cool é brilhante, engraçada, adora futebol, pôquer, piadas de mau gosto e arrotos. Ama jogar video game, beber cerveja vagabunda, fazer ménage à trois e sexo anal, comer hambúrguer, pizza e cachorro-quente como se não houvesse amanhã. Acima de tudo, a garota cool é gostosa. Gostosa e compreensiva. Nunca se irrita, sorri muito, gosta de tudo de que seu homem gosta. Se a preferência não é cachorro-quente e futebol, ela então vira vegetariana e praticante de ioga. O importante é a aprovação inconteste dos homens.

A escritora e crítica de arte Catherine Millet sofre de síndrome da garota cool. Ela é uma das signatárias da já famosa carta das francesas publicada no Le Mondeem resposta ao movimento #MeToo (precedido no Brasil pelo #MeuPrimeiroAssédio). Na última segunda-feira, em entrevista à Folha de S.Paulo, Millet defendeu que homens que se roçam em uma mulher no metrô, no almoxarifado da empresa, contra a pia da cozinha na casa da patroa, na festa de família assim que os seios começam a despontar, merecem compaixão por viverem “uma miséria sexual”. Eles têm o direito de incomodar. Além deles, todos os outros homens também têm o direito de incomodar a todas as mulheres que quiserem. Reclamar disso é se colocar na posição de vítima indefesa, “bélica e ofensiva em relação aos homens… praticante de um feminismo retrógrado”. Como é possível ser, por um lado, vítima indefesa e, por outro, bélica e ofensiva, é outra história.

Em uma entrevista à rádio France Culture em dezembro de 2017, mais uma vez falando da mulher vítima criada por sua fantasia, aquela que supostamente ficaria para sempre marcada pelo tarado no metrô, Millet diz: “Este é o meu grande problema. Sinto muitíssimo nunca ter sido estuprada. Assim poderia ser testemunha de que a gente se recupera de um estupro… é apenas o corpo que é violado, não o espírito.” Lembra um pouco… Paulo Maluf, que declarou na campanha de 1989: “Está com vontade sexual? Estupra, mas não mata.”



Mulheres como Millet e suas cossignatárias na França dão licença moral aos homens para desqualificarem a atual onda de denúncias contra assédio e abuso sexual. Uma delas, a apresentadora de rádio Brigitte Lahaie, chegou a declarar, numa entrevista na tevê, que é possível ter um orgasmo durante um estupro.

Por serem mulheres, e portanto supostamente saberem do que falam, autorizam os homens a dizer que as outras, as incomodadas, são jihadistas do feminismo que querem acabar com o desejo, nas palavras de Demétrio Magnoli em artigo publicado por O Globo. Segundo ele, quem reclama de assédio não aceita a revolução sexual, é feminista de araque, ressentida, odienta, puritana inculta, tem repulsa ao sexo, quer instaurar uma nova Inquisição. Ao final da coluna Magnoli conclui, em referência à personagem de Catherine Deneuve (outra cossignatária de Millet) no filme A Bela da Tarde, de 1967, que “ser Séverine tem consequências”.

Ser feminista também tem consequências. Ser xingada assim não é agradável. Ninguém gosta de ser considerada “odienta”, seja lá o que for isso. Daí as garotas cool cumprirem seu papel, ainda em 2018. O recado delas aos homens é: “Fiquem tranquilos, nós concordamos com vocês, assédio não é violência, é paquera, sedução. A era Weinstein não mudará nada. Continue agindo como se fosse 1967 que vai dar tudo certo.”

Branca Vianna

Linguista e intérprete simultânea, é fundadora e presidente da Rádio Novelo e apresentadora do podcast Maria Vai Com as Outras, da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

3

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

4

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

5

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

7

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

8

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

9

Falta combinar no WhatsApp

Por 24 horas, a piauí acompanhou quatro grupos de caminhoneiros no aplicativo; viu minuto a minuto eles se insurgirem contra as forças federais, desprezarem o acordo de Temer e se negarem a encerrar a paralisação

10

O matemático que deu profundidade à superfície

Geômetra Manfredo do Carmo, fundador de seu campo de pesquisa no Brasil e pesquisador emérito do Impa, morre aos 89 anos