questões feministas

Catherine Millet e a síndrome da “cool girl”

O recado das garotas cool aos homens é: “Fiquem tranquilos, nós concordamos com vocês, assédio não é violência, é paquera, sedução. Continue agindo como se fosse 1967 que vai dar tudo certo”

Branca Vianna
16jan2018_14h40
ILUSTRAÇÃO: JOÃO BRIZZI / FOTO ORIGINAL: BEL PEDROSA_FOLHAPRESS

EGone Girl (Garota Exemplar, na tradução brasileira), um thriller trash, porém bem divertido, Gillian Flynn, pela boca de sua anti-heroína, uma assassina fria e calculista, desabafa contra o que chama de síndrome da garota cool.

Amy, a narradora, diz que chamar uma mulher de cool é o máximo do elogio por parte de um homem. Isso porque a garota cool é brilhante, engraçada, adora futebol, pôquer, piadas de mau gosto e arrotos. Ama jogar video game, beber cerveja vagabunda, fazer ménage à trois e sexo anal, comer hambúrguer, pizza e cachorro-quente como se não houvesse amanhã. Acima de tudo, a garota cool é gostosa. Gostosa e compreensiva. Nunca se irrita, sorri muito, gosta de tudo de que seu homem gosta. Se a preferência não é cachorro-quente e futebol, ela então vira vegetariana e praticante de ioga. O importante é a aprovação inconteste dos homens.

A escritora e crítica de arte Catherine Millet sofre de síndrome da garota cool. Ela é uma das signatárias da já famosa carta das francesas publicada no Le Mondeem resposta ao movimento #MeToo (precedido no Brasil pelo #MeuPrimeiroAssédio). Na última segunda-feira, em entrevista à Folha de S.Paulo, Millet defendeu que homens que se roçam em uma mulher no metrô, no almoxarifado da empresa, contra a pia da cozinha na casa da patroa, na festa de família assim que os seios começam a despontar, merecem compaixão por viverem “uma miséria sexual”. Eles têm o direito de incomodar. Além deles, todos os outros homens também têm o direito de incomodar a todas as mulheres que quiserem. Reclamar disso é se colocar na posição de vítima indefesa, “bélica e ofensiva em relação aos homens… praticante de um feminismo retrógrado”. Como é possível ser, por um lado, vítima indefesa e, por outro, bélica e ofensiva, é outra história.

Em uma entrevista à rádio France Culture em dezembro de 2017, mais uma vez falando da mulher vítima criada por sua fantasia, aquela que supostamente ficaria para sempre marcada pelo tarado no metrô, Millet diz: “Este é o meu grande problema. Sinto muitíssimo nunca ter sido estuprada. Assim poderia ser testemunha de que a gente se recupera de um estupro… é apenas o corpo que é violado, não o espírito.” Lembra um pouco… Paulo Maluf, que declarou na campanha de 1989: “Está com vontade sexual? Estupra, mas não mata.”

Mulheres como Millet e suas cossignatárias na França dão licença moral aos homens para desqualificarem a atual onda de denúncias contra assédio e abuso sexual. Uma delas, a apresentadora de rádio Brigitte Lahaie, chegou a declarar, numa entrevista na tevê, que é possível ter um orgasmo durante um estupro.

Por serem mulheres, e portanto supostamente saberem do que falam, autorizam os homens a dizer que as outras, as incomodadas, são jihadistas do feminismo que querem acabar com o desejo, nas palavras de Demétrio Magnoli em artigo publicado por O Globo. Segundo ele, quem reclama de assédio não aceita a revolução sexual, é feminista de araque, ressentida, odienta, puritana inculta, tem repulsa ao sexo, quer instaurar uma nova Inquisição. Ao final da coluna Magnoli conclui, em referência à personagem de Catherine Deneuve (outra cossignatária de Millet) no filme A Bela da Tarde, de 1967, que “ser Séverine tem consequências”.

Ser feminista também tem consequências. Ser xingada assim não é agradável. Ninguém gosta de ser considerada “odienta”, seja lá o que for isso. Daí as garotas cool cumprirem seu papel, ainda em 2018. O recado delas aos homens é: “Fiquem tranquilos, nós concordamos com vocês, assédio não é violência, é paquera, sedução. A era Weinstein não mudará nada. Continue agindo como se fosse 1967 que vai dar tudo certo.”

Branca Vianna

Linguista e intérprete simultânea, é fundadora e presidente da Rádio Novelo e apresentadora do podcast Maria Vai Com as Outras, da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro achata a curva

Pesquisa inédita do Ideia Big Data mostra que desaprovação ao governo oscila de 41% para 37% após presidente moderar discurso contra Mandetta e defender a cloroquina

Foro de Teresina #95: Os mitos da pandemia, a queda de braço com Mandetta e o bate-cabeça na economia

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pão ázimo e um computador

Como famílias judaicas contornam o isolamento durante o Pessach, a festa religiosa que celebra a liberdade

Nos presídios, terreno livre para o coronavírus

Superlotação e falta de equipes médicas atrapalham medidas de prevenção da doença

Paulo Freire, um Homem do Mundo – Um sonho da bondade e da beleza

Alvo de ofensa proferida pelo capitão que ocupa o Palácio do Planalto, educador ganha desagravo em documentário

Rumo às urnas, estetoscópio é a nova arminha

Criticado por Bolsonaro, ministro da Saúde ganha popularidade nas redes durante epidemia e sinaliza força de candidatos médicos nas próximas eleições

Aula de risco

Reabrir colégios, como sugeriu Bolsonaro, aumenta perigo de contaminação para 5 milhões de brasileiros de mais de 60 anos que moram com crianças em idade escolar

A Terra é redonda: Coroa de espinhos

Especialistas discutem quem é o inimigo que está prendendo bilhões em casa e como vamos sair da pandemia causada pelo coronavírus

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Mais textos
2

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

3

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

4

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

5

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

6

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução

7

Ciência em Krakatoa

O Brasil vive um transe que mistura Monty Python e Sexta-Feira 13. O que será de nós quando isso acabar, o que faremos com relação a novas epidemias?

9

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

10

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana