questões do futebol

Chamem a mulher do Federer

A mulher do tenista Roger Federer, Mirka Federer, causou mal estar depois de chamar o adversário de seu marido de “bebê chorão”. Federer disputava a semifinal da ATP contra o também suíço Stanislas Wawrinka. O episódio terminou na desistência de Federer em jogar a final contra o tenista sérvio Novak Djokovic. O Brasil também tem bebês chorões. Entram nessa lista alguns treinadores de futebol que colocam a culpa em condições externas, e nunca no treinamento do time ou na escalação. 

Jorge Murtinho
03dez2014_13h03

Antes de qualquer coisa, o blog propõe 1 minuto de silêncio em homenagem ao grande Roberto Gómez Bolaños.

(…)

Homenagem prestada, passemos ao post.

Há quem goste de tênis. Estranho esporte em que os dois primeiros pontos são contados de quinze em quinze, o terceiro vale dez e o decisivo leva a alcunha de . Os pontos em 15, 30 e 40 têm explicações que começam com o sistema sexagesimal criado há 6 mil anos na Mesopotâmia e terminam sem convencer ninguém. Já o último ponto se chamar é frescura mesmo.

Por falar em frescura, foi tenso acompanhar a saia justa que se instaurou no seio do tênis de alta performance praticado na Suíça, quando Mirka Federer, mulher do top tenista Roger Federer, chamou o adversário Stanislas Wawrinka de “bebê chorão”.

Isso: bebê chorão.

A grave ofensa, proferida durante a partida em que Wawrinka enfrentava o maridão na semifinal da ATP, provocou uma crise que culminou com a desistência de Federer de disputar a finalíssima contra Novak Djokovic. Porém, meninos bem-educados, dois ou três dias depois Federer e Wawrinka descruzaram os dedinhos mindinhos, fizeram as pazes, jogaram em dupla contra a França e ajudaram a Suíça a conquistar o título da Copa Davis.

Também temos os nossos bebês chorões. São alguns treinadores de futebol que ganham fortunas e jamais admitem que seus times perderam porque foram inferiores ou porque eles, treinadores, erraram feio nas escalações que mandaram a campo ou nas substituições que fizeram. Jeito nenhum. A culpa é sempre do juiz ou do calor ou do gramado ou da falta de sorte ou de alguma risível teoria da conspiração.

A última dessas teorias foi levantada por Felipão, o Grande. Segundo ele, o Grêmio teria sido seguida e deliberadamente prejudicado pelas arbitragens, já que à CBF não interessava que o clube se classificasse para a Libertadores 2015. Por quê? Ninguém sabe, certamente nem ele, Felipão.

A CBF consegue reunir todos os defeitos que uma péssima entidade esportiva pode ter, mas que razões teria para não querer o Grêmio na Libertadores é um mistério. Mesmo porque o clube tem cansado de participar da competição, o que aconteceu inclusive em 2014.

Entretanto, para Felipão, será sempre mais fácil desviar o rumo da prosa do que tentar mostrar, com argumentos técnicos ou táticos, por que o Grêmio perdeu as três últimas partidas, justo na fase de definição do campeonato. Ou por que o time que tem Luan, Barcos e Dudu – atacantes que poderiam ser titulares em qualquer clube brasileiro – até a penúltima rodada tinha feito menos gols que Figueirense, Chapecoense, Coritiba e Vitória, e quase metade do que fez o Cruzeiro.

A estratégia é conhecida. Após os humilhantes, calamitosos e indesculpáveis 7 a 1, tudo se resumia a um tal de apagão. Erros na fase de preparação? Imagina. Atraso tático? Nem pensar. Critério discutível na convocação? Nunca. Escalação equivocada? Jamais. Foi feito tudo o que se devia fazer para disputar a semifinal de uma Copa do Mundo contra a seleção mais forte e entrosada do planeta, e o resultado era obra do acaso ou, talvez, do cansaço de Nossa Senhora de Caravaggio.

Alguém há de dizer, como sempre se diz, que somos uns rematados idiotas, por perdermos tempo escrevendo, lendo e discutindo sobre isso, enquanto Felipão e seus pares enchem a burra e riem de todos nós. Trata-se de raciocínio respeitável, mas não dá para entender por que um cara tão bem-sucedido em sua profissão – Felipão ganhou campeonatos estaduais, Copas do Brasil, Campeonato Brasileiro, Libertadores e Copa do Mundo – insiste em fazer o papel de bobo da corte, abusando das desculpas esfarrapadas a cada insucesso e trocando um passado de bons trabalhos e belas conquistas por um presente de, como gritaria Mirka Federer, bebê chorão.

Jorge Murtinho

Jorge Murtinho foi autor do blog questões de futebol no site da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

Um patinho feio na luta contra a Covid-19

Sem experiência no ramo, pequena empresa de Minas recebe autorização para importar e revender testes que detectam anticorpos no organismo de quem entrou em contato com o coronavírus; resultado dos exames sai entre dez e trinta minutos

Amor em tempos de coronavírus

Fronteiras fechadas, travessia dos Andes, drible no Exército boliviano: as idas e vindas de um casal de jornalistas para voltar ao Brasil

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

Foro de Teresina #93: O Brasil de quarentena, o isolamento de Bolsonaro e a economia à deriva

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

(Quase) todos contra um 

Desgastado até entre aliados, Bolsonaro se isola cada vez mais; as 24 horas seguintes ao pronunciamento do presidente tiveram embate com governadores e declaração ambígua de Mourão

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

Cinema em mutação –  É Tudo Verdade reinventado

Festival adia mostra presencial, mas fará exibições online; quando a epidemia passar, o hábito de ir ao cinema persistirá?

A carteira de trabalho como alvo

As idas e vindas de uma jovem repórter para conseguir o documento, enquanto direitos trabalhistas são cada vez mais ameaçados pelas medidas de Bolsonaro e pela crise, em meio à epidemia de coronavírus

Mais textos
1

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

2

O enigma japonês

Com pouco mais de mil casos de coronavírus, Japão contraria recomendações sanitárias e causa desconfiança às vésperas de uma Olimpíada cada vez mais improvável

3

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

4

Contágio rápido e silencioso: a matemática do coronavírus

Doença pode ser transmitida por pessoas infectadas e sem sintomas; para epidemiologista de Harvard, perspectivas globais são preocupantes, mas no Brasil, é mais provável contrair sarampo

6

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

7

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

8

Um médico a menos

Fora do Mais Médicos desde a eleição de Bolsonaro, clínico cubano sobrevive aplicando acupuntura em Salvador enquanto sonha em combater o coronavírus

9

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

10

Posto Ipiranga, o último a admitir

Em meio ao avanço do coronavírus, demorou dez dias até Paulo Guedes ser convencido por auxiliares de que a cartilha fiscalista seria insuficiente e o aumento de gastos, inevitável