anais das redes

Ciro bate Haddad e Bolsonaro no Twitter durante debate na Globo

Em terceiro nas pesquisas, candidato do PDT liderou as menções na rede no embate de maior audiência entre os presidenciáveis

Marcella Ramos
05out2018_18h21
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

Durante o debate na Globo, o último antes do primeiro turno e o de maior audiência, o candidato mais citado no Twitter foi Ciro Gomes. Em terceiro lugar nas pesquisas de intenção de votos, o pedetista ficou à frente tanto de Fernando Haddad quanto de Jair Bolsonaro – que se ausentou do debate, mas teve entrevista transmitida na Record ao longo da primeira meia hora do embate entre os candidatos. Segundo levantamento da rede social, Ciro foi o mais mencionado, seguido de Bolsonaro. Guilherme Boulos, foi o terceiro presidenciável mais comentado da noite, atrás de Ciro e Bolsonaro. Haddad ficou em quarto lugar.   

Às 22 horas de quinta-feira, quando o debate começou, Bolsonaro liderava as citações na rede social e continuou assim até por volta das 22h40, depois que acabou sua entrevista na Record. A partir de então, Ciro Gomes, terceiro colocado nas pesquisas de intenção de votos, superou os rivais e passou a ser mais citado. Ausente do debate, o candidato do PSL foi lembrado com frequência pelos presidenciáveis. Após o término do embate entre os candidatos, o ex-capitão voltou ao topo das citações no Twitter, no início da madrugada, por volta das 2 horas.

O grupo que geralmente impulsiona a discussão sobre Ciro no Twitter – como se observa em levantamentos da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas – é um que costuma se unir contra o candidato do PSL, dono da maior rejeição da disputa. Para parte desse grupo, o candidato do PDT seria a melhor opção contra Bolsonaro, porque ele não “polariza” com o adversário tanto quanto o candidato petista. Quando a rejeição de Haddad deu um salto de 11 pontos na pesquisa Ibope divulgada nesta segunda-feira, 1º de outubro, o grupo voltou a mencionar Ciro como alternativa. Essa narrativa se intensificou até ele ser o mais comentado na rede social durante o debate, e se tornar o segundo presidenciável mais falado durante a última semana de campanha do primeiro turno, atrás apenas de Jair Bolsonaro.

O momento de popularidade de Ciro Gomes nas redes também pode ser notado em seu perfil no Facebook. A última semana da disputa presidencial é a melhor do candidato em termos de engajamento nessa rede. Ao todo, o pedetista teve 1,6 milhão de interações em sua página. Isso o coloca à frente de Haddad, por exemplo. Ele continua atrás do candidato do PSL, com mais de 11 milhões de interações. João Amoêdo, do Novo, também está à frente, com 3 milhões de interações. No Google Trends, a realidade desta semana é mais parecida com a das pesquisas de intenção de votos: Bolsonaro lidera, seguido de Haddad e Ciro. O ex-capitão, no entanto, é 5,5 vezes mais buscado que o candidato petista e 8,6 vezes mais buscado que o candidato do PDT.

 

Haddad entrou oficialmente na disputa há menos de um mês, quando foi registrado como o candidato do PT, em 11 de setembro. Não demorou para o petista assumir o segundo lugar nas pesquisas de intenção de votos. No entanto, nos debates presidenciais, Haddad não empolga tanto quem comenta as discussões no Twitter. O primeiro debate do qual participou foi o da TV Aparecida, em 21 de setembro. Desde então, participou de outros três, incluindo o da Globo. Em nenhum deles foi o mais comentado – ficou atrás de Cabo Daciolo, do Patriotas em dois deles, na Record e no SBT,  e de Ciro Gomes em outros dois, no da TV Aparecida e no da Globo.

Os responsáveis pelos momentos mais comentados do debate da Globo foram dois candidatos que variam entre não pontuar e 2% de intenções de voto: Guilherme Boulos, do PSOL, e Álvaro Dias, do Podemos. Dias foi atração no início do programa, quando gastou o tempo da pergunta comentando que estava “feliz” por conhecer o apresentador William Bonner, e que ia enviar um bilhete a Lula, preso em Curitiba, pois ele seria “o verdadeiro candidato do PT”. Outro momento que chamou a atenção no debate foi o discurso de Boulos contra a ditadura, numa troca com o candidato petista.

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Marcella Ramos é jornalista baseada no Rio de Janeiro.

Leia também

Últimas Mais Lidas

O candidato do colapso

Poder de Bolsonaro nasceu da devastação social e dela dependerá

E se o Brasil sair do Acordo de Paris?

O que Bolsonaro precisa fazer para abandonar o tratado climático, e como o recuo ameaça a parceria comercial bilionária com a União Europeia

Correndo riscos

Eficiente na campanha, o medo não serve a Bolsonaro para governar o país

Buscas por “Fascismo” batem recorde no Google

Curiosidade atingiu o auge no domingo da eleição, com dez vezes mais pesquisas do que a média; "Jair Bolsonaro" é um dos principais assuntos relacionados

Os formadores da onda

SuperPop, comunismo e Lava Jato: sete eleitores de uma mesma família no Rio de Janeiro enumeram as razões por que votam em Bolsonaro

Bolsonaro e a tirania da maioria

País que exige ficha limpa de políticos desdenha da ficha democrática

Maria vai com as outras #10: Fim da temporada – Divisão sexual do trabalho

No último episódio desta temporada, a jornalista e escritora Rosiska Darcy de Oliveira fala dos primórdios do movimento feminista no Brasil e no mundo, do exílio durante a ditadura e do seu livro "Reengenharia do Tempo", sobre a divisão sexual do trabalho.

A imprensa precisa fazer autocrítica

Foram anos tratando o inaceitável como controverso ou mesmo engraçado

Bolsonarismo não é partido

Democracia brasileira depende de petismo e antipetismo se organizarem em siglas que se respeitem

O lado M da eleição

Mulheres negras no poder são o outro destaque das urnas

Mais textos
1

Vivi na pele o que aprendi nos livros

Um encontro com o patrimonialismo brasileiro*

2

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

3

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

4

A imprensa precisa fazer autocrítica

Foram anos tratando o inaceitável como controverso ou mesmo engraçado

5

O PT em segundo lugar

Ameaça autoritária exige pacto de refundação institucional

6

A festa que Bolsonaro cancelou

O PSL enviou 300 convites para celebrar a vitória já no primeiro turno, num hotel na Barra da Tijuca. No fim, sobrou para aliados justificar por que não ganhou

7

Os formadores da onda

SuperPop, comunismo e Lava Jato: sete eleitores de uma mesma família no Rio de Janeiro enumeram as razões por que votam em Bolsonaro

8

Bolsonarismo não é partido

Democracia brasileira depende de petismo e antipetismo se organizarem em siglas que se respeitem

9

O candidato da esquerda

Pouco conhecido, sem nunca ter feito vida partidária ou disputado votos, o ministro Fernando Haddad parte em busca dos militantes do PT, dos paulistanos e da prefeitura

10

A acusadora

Como a advogada Janaina Paschoal, uma desconhecida professora da USP, se transformou em peça-chave do impeachment