questões da sucessão

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

Fabio Victor
13set2018_16h55
INTERVENÇÃO EM FOTO DE PEDRO LADEIRA/FOLHAPRESS

As declarações de Ciro Gomes sobre a interferência dos militares na política causaram profundo mal-estar na cúpula do Exército e alteraram o bom conceito que o candidato do PDT à Presidência havia criado entre oficiais de alta patente.

Durante uma sabatina do jornal O Globo na quarta-feira, Ciro criticou uma entrevista do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, na qual o militar afirmou que o próximo presidente poderá ter sua legitimidade questionada por adversários. “No meu governo, militar não fala em política. Ele estaria demitido e provavelmente pegaria uma cana. Ele está fazendo isso para tentar calar a voz das cadelas no cio que estão se animando”, disse Ciro. A última frase foi uma referência aos radicais do Exército que, na visão do candidato, Villas Bôas tenta acalmar ao dar declarações do tipo. O próprio Ciro já elogiou o comandante e o considera um moderado.

Num momento em que os militares voltam a tentar interferir na cena política brasileira, Ciro foi um dos candidatos que aceitaram o convite de Villas Bôas para tratar da conjuntura e do futuro do país. Eles se encontraram em junho, e o ex-governador do Ceará impressionou positivamente o comandante. Após a conversa e no decorrer da disputa, Villas Bôas passou a considerar Ciro um dos quadros mais preparados entre os atuais candidatos, opinião que passou a ser partilhada por oficiais de alta patente do Exército.

Parte desses militares continua a apoiar o ex-capitão Jair Bolsonaro, mas outra parcela considera que a influência crescente do economista Paulo Guedes sobre o candidato do PSL – tido nas Forças Armadas como muito liberal na economia e pouco nacionalista – enfraquece Bolsonaro neste setor, levando o grupo a buscar outras opções.

Ciro era uma delas. Mas as declarações desta quarta mudaram o quadro. Um general da equipe do comandante Villas Bôas resumiu da seguinte forma a situação: “Ciro nos deixou muito tristes com a deselegância e a insensatez. O próprio comandante o achava um bom quadro, mas agora…”

Até a publicação desta reportagem, o Exército não havia se manifestado oficialmente sobre as declarações.

Na sabatina, Ciro também criticou o general da reserva Hamilton Mourão, candidato a vice na chapa de Bolsonaro, que costuma relativizar violações de direitos humanos cometidos durante a ditadura. O pedetista chamou Mourão de “jumento de carga”. Nesta quinta o vice de Bolsonaro afirmou que não iria rebater “baixarias” e que as “ofensas” de Ciro não têm importância para ele.

Fabio Victor (siga @fabiopvictor no Twitter)

Repórter da piauí. Na Folha de S.Paulo, onde trabalhou por vinte anos, foi repórter especial e correspondente em Londres

Leia também

Últimas Mais Lidas

Rumo às urnas, estetoscópio é a nova arminha

Criticado por Bolsonaro, ministro da Saúde ganha popularidade nas redes durante epidemia e sinaliza força de candidatos médicos nas próximas eleições

Aula de risco

Reabrir colégios, como sugeriu Bolsonaro, aumenta perigo de contaminação para 5 milhões de brasileiros de mais de 60 anos que moram com crianças em idade escolar

A Terra é redonda: Coroa de espinhos

Especialistas discutem quem é o inimigo que está prendendo bilhões em casa e como vamos sair da pandemia causada pelo coronavírus

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Mais textos
2

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

4

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

6

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

7

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

8

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

9

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

10

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução