questões da sucessão

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

Fabio Victor
13set2018_16h55
INTERVENÇÃO EM FOTO DE PEDRO LADEIRA/FOLHAPRESS

As declarações de Ciro Gomes sobre a interferência dos militares na política causaram profundo mal-estar na cúpula do Exército e alteraram o bom conceito que o candidato do PDT à Presidência havia criado entre oficiais de alta patente.

Durante uma sabatina do jornal O Globo na quarta-feira, Ciro criticou uma entrevista do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, na qual o militar afirmou que o próximo presidente poderá ter sua legitimidade questionada por adversários. “No meu governo, militar não fala em política. Ele estaria demitido e provavelmente pegaria uma cana. Ele está fazendo isso para tentar calar a voz das cadelas no cio que estão se animando”, disse Ciro. A última frase foi uma referência aos radicais do Exército que, na visão do candidato, Villas Bôas tenta acalmar ao dar declarações do tipo. O próprio Ciro já elogiou o comandante e o considera um moderado.

Num momento em que os militares voltam a tentar interferir na cena política brasileira, Ciro foi um dos candidatos que aceitaram o convite de Villas Bôas para tratar da conjuntura e do futuro do país. Eles se encontraram em junho, e o ex-governador do Ceará impressionou positivamente o comandante. Após a conversa e no decorrer da disputa, Villas Bôas passou a considerar Ciro um dos quadros mais preparados entre os atuais candidatos, opinião que passou a ser partilhada por oficiais de alta patente do Exército.

Parte desses militares continua a apoiar o ex-capitão Jair Bolsonaro, mas outra parcela considera que a influência crescente do economista Paulo Guedes sobre o candidato do PSL – tido nas Forças Armadas como muito liberal na economia e pouco nacionalista – enfraquece Bolsonaro neste setor, levando o grupo a buscar outras opções.

Ciro era uma delas. Mas as declarações desta quarta mudaram o quadro. Um general da equipe do comandante Villas Bôas resumiu da seguinte forma a situação: “Ciro nos deixou muito tristes com a deselegância e a insensatez. O próprio comandante o achava um bom quadro, mas agora…”

Até a publicação desta reportagem, o Exército não havia se manifestado oficialmente sobre as declarações.

Na sabatina, Ciro também criticou o general da reserva Hamilton Mourão, candidato a vice na chapa de Bolsonaro, que costuma relativizar violações de direitos humanos cometidos durante a ditadura. O pedetista chamou Mourão de “jumento de carga”. Nesta quinta o vice de Bolsonaro afirmou que não iria rebater “baixarias” e que as “ofensas” de Ciro não têm importância para ele.

Fabio Victor (siga @fabiopvictor no Twitter)

Fabio Victor é repórter da piauí. Na Folha de S.Paulo, onde trabalhou por 20 anos, foi repórter especial e correspondente em Londres

Leia também

Últimas Mais Lidas

A operação foi um sucesso

Como foi a invasão noturna do Bope na Maré que deixou cinco mortos e foi considerada exitosa pelas autoridades

Foro de Teresina #27: Bolsonaro cai no mundo real, a oposição junta os cacos e Doria recruta no governo Temer

O podcast de política da piauí discute os fatos da semana na política nacional

A rebelião do WhatsApp contra o Major Olímpio

Soldados virtuais que ajudaram a eleger o capitão Bolsonaro condenam proximidade do senador com João Doria

Bolsonaro-dependência

Oposição ao novo presidente joga sem pressa e no erro adversário

Fazendo a egípcia

Bolsonaro estremece relações comerciais com o mundo árabe e abala, sem querer, o negócio de escovas progressivas brasileiro

O Muro – sinal de alerta, ouvidos moucos

Documentário de 2017 discute premonitoriamente a polarização de posições políticas

Stan Lee explica por que “criou problemas” para os super-heróis

Assista a trechos da entrevista concedida em 1988 pelo criador de personagens da Marvel, morto nesta segunda

A lição de Josefa

A grande artesã deixa um conselho para os políticos: “Não há riqueza maior do que o nosso nome”

Mulher negra (não tão) presente

Representatividade de mulheres pretas e pardas, maioria da população brasileira, cresceu 38% nas eleições; participação dos homens brancos é 15 vezes maior do que a das mulheres negras

A democracia pode ser exceção

Nada garante que o regime seja inerentemente estável

Mais textos
1

O triunfo do bolsonarismo

Como os eleitores criaram o maior partido de extrema direita da história do país

2

A rebelião do WhatsApp contra o Major Olímpio

Soldados virtuais que ajudaram a eleger o capitão Bolsonaro condenam proximidade do senador com João Doria

3

A operação foi um sucesso

Como foi a invasão noturna do Bope na Maré que deixou cinco mortos e foi considerada exitosa pelas autoridades

4

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

5

Fazendo a egípcia

Bolsonaro estremece relações comerciais com o mundo árabe e abala, sem querer, o negócio de escovas progressivas brasileiro

6

Stan Lee explica por que “criou problemas” para os super-heróis

Assista a trechos da entrevista concedida em 1988 pelo criador de personagens da Marvel, morto nesta segunda

7

WhatsApp elege mas não governa

Outros Poderes explicam a Bolsonaro que preferem sua parte em dinheiro

8

Meus avós em ruínas

Por que não consigo me livrar do apartamento modernista que herdei há cinco anos?

10

Bolsonaro-dependência

Oposição ao novo presidente joga sem pressa e no erro adversário