questões da sucessão

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

Fabio Victor
13set2018_16h55
INTERVENÇÃO EM FOTO DE PEDRO LADEIRA/FOLHAPRESS

As declarações de Ciro Gomes sobre a interferência dos militares na política causaram profundo mal-estar na cúpula do Exército e alteraram o bom conceito que o candidato do PDT à Presidência havia criado entre oficiais de alta patente.

Durante uma sabatina do jornal O Globo na quarta-feira, Ciro criticou uma entrevista do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, na qual o militar afirmou que o próximo presidente poderá ter sua legitimidade questionada por adversários. “No meu governo, militar não fala em política. Ele estaria demitido e provavelmente pegaria uma cana. Ele está fazendo isso para tentar calar a voz das cadelas no cio que estão se animando”, disse Ciro. A última frase foi uma referência aos radicais do Exército que, na visão do candidato, Villas Bôas tenta acalmar ao dar declarações do tipo. O próprio Ciro já elogiou o comandante e o considera um moderado.

Num momento em que os militares voltam a tentar interferir na cena política brasileira, Ciro foi um dos candidatos que aceitaram o convite de Villas Bôas para tratar da conjuntura e do futuro do país. Eles se encontraram em junho, e o ex-governador do Ceará impressionou positivamente o comandante. Após a conversa e no decorrer da disputa, Villas Bôas passou a considerar Ciro um dos quadros mais preparados entre os atuais candidatos, opinião que passou a ser partilhada por oficiais de alta patente do Exército.

Parte desses militares continua a apoiar o ex-capitão Jair Bolsonaro, mas outra parcela considera que a influência crescente do economista Paulo Guedes sobre o candidato do PSL – tido nas Forças Armadas como muito liberal na economia e pouco nacionalista – enfraquece Bolsonaro neste setor, levando o grupo a buscar outras opções.



Ciro era uma delas. Mas as declarações desta quarta mudaram o quadro. Um general da equipe do comandante Villas Bôas resumiu da seguinte forma a situação: “Ciro nos deixou muito tristes com a deselegância e a insensatez. O próprio comandante o achava um bom quadro, mas agora…”

Até a publicação desta reportagem, o Exército não havia se manifestado oficialmente sobre as declarações.

Na sabatina, Ciro também criticou o general da reserva Hamilton Mourão, candidato a vice na chapa de Bolsonaro, que costuma relativizar violações de direitos humanos cometidos durante a ditadura. O pedetista chamou Mourão de “jumento de carga”. Nesta quinta o vice de Bolsonaro afirmou que não iria rebater “baixarias” e que as “ofensas” de Ciro não têm importância para ele.

Fabio Victor (siga @fabiopvictor no Twitter)

Foi repórter da piauí. Na Folha de S.Paulo, onde trabalhou por vinte anos, foi repórter especial e correspondente em Londres

Leia também

Últimas Mais Lidas

Estupro não é sobre desejo, é sobre poder

Em 70% das ocorrências de violência sexual no Brasil em 2019, vítimas eram crianças ou pessoas incapazes de consentir ou resistir - como na acusação contra Robinho na Itália

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Do Einstein para o SUS: a rota letal da covid-19

Epidemia se espalha para a periferia de São Paulo justamente quando paulistanos começam a abandonar isolamento social

8

Assista a um trecho da mesa com Nikil Saval no Festival Piauí de Jornalismo

Nikil Saval é editor e membro da mesa diretora da revista literária n+1, revista de literatura, cultura e política, publicada em versão impressa três vezes ao ano.
Saval esteve em novembro no Festival Piauí de Jornalismo e conversou com os jornalistas Fernando de Barros e Silva e Flávio Pinheiro. 

9

Histórias da Rússia

Uma viagem pelo país da revolução bolchevique, cem anos depois

10

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia