questões da sucessão

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

Fabio Victor
13set2018_16h55
INTERVENÇÃO EM FOTO DE PEDRO LADEIRA/FOLHAPRESS

As declarações de Ciro Gomes sobre a interferência dos militares na política causaram profundo mal-estar na cúpula do Exército e alteraram o bom conceito que o candidato do PDT à Presidência havia criado entre oficiais de alta patente.

Durante uma sabatina do jornal O Globo na quarta-feira, Ciro criticou uma entrevista do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, na qual o militar afirmou que o próximo presidente poderá ter sua legitimidade questionada por adversários. “No meu governo, militar não fala em política. Ele estaria demitido e provavelmente pegaria uma cana. Ele está fazendo isso para tentar calar a voz das cadelas no cio que estão se animando”, disse Ciro. A última frase foi uma referência aos radicais do Exército que, na visão do candidato, Villas Bôas tenta acalmar ao dar declarações do tipo. O próprio Ciro já elogiou o comandante e o considera um moderado.

Num momento em que os militares voltam a tentar interferir na cena política brasileira, Ciro foi um dos candidatos que aceitaram o convite de Villas Bôas para tratar da conjuntura e do futuro do país. Eles se encontraram em junho, e o ex-governador do Ceará impressionou positivamente o comandante. Após a conversa e no decorrer da disputa, Villas Bôas passou a considerar Ciro um dos quadros mais preparados entre os atuais candidatos, opinião que passou a ser partilhada por oficiais de alta patente do Exército.

Parte desses militares continua a apoiar o ex-capitão Jair Bolsonaro, mas outra parcela considera que a influência crescente do economista Paulo Guedes sobre o candidato do PSL – tido nas Forças Armadas como muito liberal na economia e pouco nacionalista – enfraquece Bolsonaro neste setor, levando o grupo a buscar outras opções.

Ciro era uma delas. Mas as declarações desta quarta mudaram o quadro. Um general da equipe do comandante Villas Bôas resumiu da seguinte forma a situação: “Ciro nos deixou muito tristes com a deselegância e a insensatez. O próprio comandante o achava um bom quadro, mas agora…”

Até a publicação desta reportagem, o Exército não havia se manifestado oficialmente sobre as declarações.

Na sabatina, Ciro também criticou o general da reserva Hamilton Mourão, candidato a vice na chapa de Bolsonaro, que costuma relativizar violações de direitos humanos cometidos durante a ditadura. O pedetista chamou Mourão de “jumento de carga”. Nesta quinta o vice de Bolsonaro afirmou que não iria rebater “baixarias” e que as “ofensas” de Ciro não têm importância para ele.

Fabio Victor (siga @fabiopvictor no Twitter)

Repórter da piauí. Na Folha de S.Paulo, onde trabalhou por vinte anos, foi repórter especial e correspondente em Londres

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Traídas pela Renata

Deputada acusada de usar candidatas laranjas agora quer flexibilizar cotas eleitorais para mulheres; bancada feminina entra em guerra contra “lei da maridocracia”

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

4

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

6

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

9

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

10

Cortes de Bolsonaro emperram pesquisa para deter câncer incurável no cérebro

Sem bolsas federais, pesquisadora aprovada em primeiro lugar na UFRJ atrasa estudo sobre vírus da zika como arma contra tumor