questões epidemiológicas

Coronavírus espreita a Olimpíada

A cinco meses dos jogos, Tóquio vê turistas fugirem e máscaras acabarem

Antonio Prada
18fev2020_15h04
Navio Diamond Princess ancorado no porto de Yokohama - Créditos: AFP / Koji Ito / Yomiuri / The Yomiuri Shimbun

O porto de Yokohama está estrategicamente situado no centro da baía de Tóquio. Inaugurado em 1859, abriga um terminal de passageiros de última geração e pode receber até sete navios de cruzeiro simultaneamente. Uma das estrelas do terminal é o Diamond Princess, com capacidade para 2670 passageiros e 1100 tripulantes, que faz tours pela Ásia e ancora na cidade várias vezes ao ano. Entretanto, desde a última vez que atracou, no dia 3 de fevereiro, não saiu mais. Acabou se transformando num símbolo trágico do surto de coronavírus no Japão. Já contabiliza mais de 450 infectados, em um polêmico regime de quarentena que virou caso internacional, em função das várias nacionalidades dos envolvidos. 

Distante do terminal de Yokohama, o coronavírus chega a uma nova fase no Japão, que os infectologistas chamam de transmissão doméstica. É uma perigosa escalada. Os casos de infecção se multiplicam (depois da China, o Japão é o país com maior número de casos) e provocam medo e um alerta vermelho na economia do país, acostumada a ciclos de prosperidade nas últimas décadas. 

A avenida Omotesando, a Champs-Élysées de Tóquio, é um desfile da pujança arquitetônica que assolou o Japão nas últimas décadas, passarela das principais grifes de luxo do mundo inteiro e paraíso dos turistas. Diariamente, uma densa multidão disputa calçadas, cruzamentos e filas pela oportunidade de venerar vitrines e desembolsar milhares de ienes. Nos últimos dias, no entanto, o cenário é outro. Na loja de quase um quarteirão de uma marca francesa, sete funcionários elegantemente vestidos, estáticos como manequins, esperam ansiosos por um consumidor. Esse cenário, desolador para os padrões de consumo japoneses, se repete nos principais centros comerciais da cidade, em Shibuya, Ginza e Akihabara, e também nos vários centros de lazer e turismo espalhados pelo país.

Os turistas, que representam um dos principais propulsores da economia, evaporaram. Especialmente os asiáticos. O Japão, que tem 126 milhões de habitantes, recebeu cerca de 30 milhões de turistas em 2019. Destes, cerca de 9 milhões eram chineses, ávidos consumidores, que deixaram, cada um, em média, 2,3 mil dólares nos cofres da economia local. A cada mês, antes do surto, cerca de 1,6 mil voos semanais de ida e volta ligavam a China ao Japão. Agora, houve redução de pelo menos 30% e a suspensão dos voos diretos de treze aeroportos regionais.  



Kenzo Alberto, 41 anos, é proprietário de uma empresa imobiliária em Okinawa, paraíso de praias no extremo sul do país, e ecoa um mantra comum entre os empresários japoneses. “Estamos com medo do vírus e em pânico pelo que pode acontecer com a economia. Tudo começou com o primeiro caso de coronavírus anunciado na região (o de uma taxista de 60 anos que transportou turistas chineses que desembarcaram na cidade justamente do navio Diamond Princess, antes de seguir para Tóquio). Depois disso, cerca de 70% das minhas reservas foram canceladas até o final de março. É um desastre”, desabafa. 

O desastre já mira o maior evento do ano no Japão, a Olimpíada, por enquanto ainda programada para começar no dia 24 de julho. Há um mês, restavam poucas vagas de hotéis na região central de Tóquio, e por preços que chegavam a quatro vezes o valor regular das diárias. Desde a semana passada, já era possível encontrar vagas para o período dos jogos por preços abaixo da tabela. Os efeitos do coronavírus podem empurrar o país definitivamente para uma recessão técnica, depois do recuo de 6,3% do PIB no quarto trimestre de 2019. Na semana passada, o Comitê Olímpico Internacional afirmou estar confiante sobre a realização dos Jogos e disse não ter recebido da Organização Mundial de Saúde qualquer recomendação que pusesse a Olimpíada em risco.

No dia a dia de Tóquio, as preocupações vão muito além da economia. Os vagões de metrô, outrora superlotados nos horários de pico, já circulam, em algumas linhas, como se fosse uma tranquila manhã de domingo. Há uma clara preocupação em não enfrentar aglomerações, especialmente em locais com pouca ventilação. Grandes empresas de telefonia, como a NTT e o Yahoo, estão pedindo a seus funcionários que prefiram o trabalho remoto sempre que possível. E se tiverem que se deslocar para reuniões e para os escritórios, que o façam em horários alternativos. Eventos populares também estão sendo cancelados ou restringidos, como a Maratona de Tóquio, no dia 1 de março, que contará com apenas duzentos atletas de elite; os outros 38 mil corredores inscritos não poderão participar. Se a elite concordar em correr. Boa parte dos atletas vem da África, continente sem nenhum registro do vírus até o momento, e os governos locais já acenam com restrições sobre a participação de seus corredores na competição.

Máscaras descartáveis ​​são peças obrigatórias no Japão há anos. Servem para proteger contra doenças transmitidas pelo ar, como a gripe, e para conter tosses e espirros frequentes. O surto de coronavírus fez com que as máscaras sumissem pela primeira vez das prateleiras das farmácias. E, claro, provocou o surgimento de um mercado paralelo, especialmente na internet, com valores muito mais altos do que os praticados no varejo. Um pacote de sete máscaras, por exemplo, que normalmente é vendido por cerca de 4 dólares chega a custar online cerca de 40 dólares. A escassez gerou também um fato incomum no país: 6 mil máscaras para fins médicos foram recentemente roubadas em um hospital da Cruz Vermelha da cidade de Kobe. 

Para tentar atender a alta demanda, o governo japonês vai adotar uma prática inédita: oferecer subsídios a fabricantes de máscaras a fim de ajudá-las a aumentar sua capacidade de produção. Somente 30% das máscaras colocadas à venda no Japão são feitas no país (70% vêm da China, cuja produção foi afetada pelo surto). 

Sem máscaras disponíveis no mercado, muitos cidadãos estão recorrendo a opções caseiras, produzidas com lenços e toalhas de papel. Outro produto que sumiu das prateleiras é o álcool gel, utilizado para higienização das mãos. 

Diante do medo e do crescente número de casos, qual a real fotografia da situação e qual a capacidade de o país enfrentar o surto? O governo japonês, até o momento, tem divulgado de forma recorrente o número de casos, mas há quem duvide da veracidade dos números. “O governo não irá divulgar e nem reconhecer verdadeiros números de casos de coronavírus. Há muito dinheiro em jogo e querem que a Olimpíada seja realizada de qualquer maneira”, critica o empresário Kenzo Alberto, recordando os fatos omitidos sobre o vazamento de material radioativo na usina de Fukushima. 

A estratégia de manter a quarentena do navio, que culminou com a retirada de mais de trezentos passageiros norte-americanos, também é alvo de críticas, especialmente de infectologistas. “Foi uma falha sem precedentes. Devemos aprender com essa lição que uma quarentena em um navio é impossível e não deve se repetir no futuro”, disse Eiji Kusumi, médico especializado em doenças infecciosas na Clínica Navitas, durante entrevista em Tóquio. A partir desta quarta-feira (19), finalmente o governo japonês permitirá que os passageiros sem infecção comecem a desembarcar do Diamond Princess. 

Enquanto isso, o governo vem incentivando pessoas que apresentarem temperatura corporal de 37,5º C ou mais por mais de quatro dias, que estão se sentindo letárgicas ou com falta de ar a entrarem em contato com os centros de saúde nacionais por telefone. Os centros indicarão as instituições médicas que devem recebê-las. O período é mais curto em dois dias para pessoas com doenças subjacentes e idosas, como diabetes, uma vez que elas são vistas como mais vulneráveis ​​ao vírus causador de pneumonia.

“A forma como os pacientes chegam ao médico é um fator crucial. O que descobrimos até agora é que muitos sofreram apenas sintomas leves. Essas pessoas são aconselhadas a não visitar um médico ambulatorial, mas ligar para os centros de saúde”, disse Takaji Wakita, chefe do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas. O governo japonês sustenta que a capacidade de teste de vírus no Japão já chega a 3 mil amostras diárias. Número insuficiente, se o surto explodir nos próximos dias.

Antonio Prada (siga @antonioprada no Twitter)

Jornalista, é especialista em mídias digitais e vive em Tóquio. Foi diretor de Conteúdo do Terra.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Estupro não é sobre desejo, é sobre poder

Em 70% das ocorrências de violência sexual no Brasil em 2019, vítimas eram crianças ou pessoas incapazes de consentir ou resistir - como na acusação contra Robinho na Itália

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Do Einstein para o SUS: a rota letal da covid-19

Epidemia se espalha para a periferia de São Paulo justamente quando paulistanos começam a abandonar isolamento social

8

Assista a um trecho da mesa com Nikil Saval no Festival Piauí de Jornalismo

Nikil Saval é editor e membro da mesa diretora da revista literária n+1, revista de literatura, cultura e política, publicada em versão impressa três vezes ao ano.
Saval esteve em novembro no Festival Piauí de Jornalismo e conversou com os jornalistas Fernando de Barros e Silva e Flávio Pinheiro. 

9

Histórias da Rússia

Uma viagem pelo país da revolução bolchevique, cem anos depois

10

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia