colunistas

Culpa – clausura e complexidade na tela

Graduados da Escola de Cinema da Dinamarca fazem filme exemplar em treze dias

Eduardo Escorel
02jan2019_12h54

Com o país voltado para a amplidão de Brasília, três dias antes da posse do novo governo estreou com aplausos da crítica, mas em poucas salas, outro filme nórdico confinado em espaço restrito e concentrado em apenas um personagem – Culpa, de Gustav Möller.

À vastidão do Planalto Central, primeiro se contrapôs a pequena ilha de Utoya, na Noruega, e agora se opõe a sala da Central de Emergências da polícia, na Dinamarca. Espaço amplo e luminoso, de um lado, clausura escura do outro. Na Presidência, um personagem simplório – diz o que lhe passa pela cabeça e se desdiz no dia seguinte. Na tela dos cinemas, por sua vez, uma jovem tentava se proteger do que ocorre à sua volta e, em Culpa, um ser humano complexo diz, bem-intencionado, o que convém, não o que pensa.

Apesar do despreparo do candidato, sobejamente demonstrado em sete mandatos de deputado e na campanha eleitoral, a maioria dos votos válidos o elegeu presidente da República, ignorando o seu passado. Uma vez eleito, milhões a mais foram encantados pelo autoproclamado “salvador da pátria” – 65% dos brasileiros acreditam que a situação econômica vai melhorar em 2019, de acordo com pesquisa Datafolha.

Enquanto isso, poucos deram atenção aos 72 minutos de agonia da jovem Kaja (Andrea Berntzen) em Utoya – 22 de Julho (comentado aqui em dezembro) – para ser exato, 1 616 espectadores, em quatro semanas, segundo o portal Filme B. Quantos aproveitarão a oportunidade de conhecer a fundo, e bem de perto, o policial Asger Holm (Jakob Cedergren) que, em Culpa, cumpre medida disciplinar enquanto tenta ajudar quem telefona para pedir socorro, durante uma longa e angustiante noite de trabalho que, no filme, dura 85 minutos?

 

Jakob Cedergren, em cena de Culpa

 

Em vez do plano-sequência único de Utoya – 22 de Julho, acompanhando Kaja em tempo real durante o ataque a tiros do qual ela tenta se proteger, Möller preferiu filmar planos longos (entre cinco e 35 minutos) com três câmeras simultâneas, inspirado em Um Dia de Cão (1975), de Sidney Lumet. À medida que a filmagem de Culpa avançava – feita em treze dias e em ordem cronológica –, os planos iam se tornando cada vez mais longos para cansar de propósito o intérprete do personagem principal.

Möller consegue harmonizar, desse modo, tensão crescente e dinamismo visual – embora o foco de atenção seja centralizado no único personagem relevante em cena de corpo presente, quase sempre sentado em uma mesa usando fone de ouvido com microfone, Asger é visto de distâncias variadas e múltiplos ângulos criados na montagem.

Na tentativa desesperada de salvar a vida de Iben (Jessica Dinnage), uma das personagens de quem só ouvimos a voz, Asger passa a transgredir normas de procedimento de forma deliberada. Para tanto, substitui a sala principal do serviço de emergências, onde trabalha com três ou quatro policiais, por outra, adjacente. Isolado entre quatro paredes, sem ser ouvido por ninguém, tenta manter contato com Iben e toma medidas inusuais, além de continuar a atender telefonemas de outras pessoas pedindo ajuda. Em dado momento, Asger tem um acesso de fúria e quebra o único foco de luz do seu claustro. Por algum tempo, fica no escuro até ser iluminado de novo por uma solitária lâmpada vermelha.

À medida que o confinamento de Asger aumenta, seus antecedentes, motivações e perfil psicológico, vão sendo desvendados pouco a pouco. Sem chegar a serem explicitados de todo, revelam-se diferentes do que pareciam à primeira vista, em narrativa meticulosa, bem-construída pelo roteiro de Möller e Emil Nygaard Albertsen, e dosada com precisão pela montagem de Carla Luffe.

Nos minutos finais, após Iben ter dito que ele “é um homem bom”, convencido de que fracassou na tentativa de salvar a vida dela, Asger sai da clausura. Volta por um momento ao convívio da sala de emergências e vai embora, dando por encerrado seu turno de trabalho. Sozinho, de costas no fim do corredor, antes de abrir a porta para sair ele digita um número no seu celular, sem que se saiba para quem está ligando.

A redenção de Asger pode ser considerada o tema de Culpa, mas a conotação moral do título em português é equívoca, além de pouco atraente. A tradução fiel do original, Den Skyldige, seria Os Culpados, que pode ter sido evitado por existir uma minissérie de tevê homônima, lançada em 2013, ou para não se confundir o filme de Möller com O Culpado (Verfehlung), de Gerd Schneider, sobre um caso de pedofilia na Igreja Católica, exibido em 2015 na 39ª Mostra de São Paulo.

Ao adotar Culpa como título, porém, o distribuidor brasileiro atenuou o propósito declarado do diretor: “Somos todos culpados”, Möller disse. “Nós queríamos trabalhar com a percepção da culpa, do bem e do mal. […] Temos um protagonista que contraria as regras, e normalmente quando fazem isso em filmes, eles estão sempre certos. […] Nossa tendência é pensar que se alguém contraria as regras ele está certo. O filme também tenta questionar isso e inventar algo que é mais parecido com a vida real: e a vida real é super cinzenta.” (Entrevista completa aqui.)

Os principais integrantes da equipe que realizou Culpa, Möller inclusive, são graduados recentes da National Film School of Denmark (Escola Nacional de Cinema da Dinamarca). A exceção é Cedergren, ator de carreira estabelecida. O nível de excelência e o grau de reconhecimento atingido, incomum em primeiros filmes de ex-estudantes, eleva o padrão de exigência que passa a valer para novas produções com origem semelhante.

A trajetória de sucesso de Culpa começou no início de 2018, quando recebeu o Prêmio do Público nos festivais de Sundance e Rotterdam. No Brasil, foi exibido na 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, no Festival Internacional de Cinema no Rio e no 6º BIFF – Festival Internacional de Cinema de Brasília, onde teve seus méritos reconhecidos ao receber o prêmio de Melhor Filme do júri oficial e do voto popular. Indicado como representante da Dinamarca para concorrer ao Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira, Culpa está entre os nove finalistas selecionados pela Academia para concorrer ao prêmio a ser anunciado em 24 de fevereiro.

Mesmo com essas credenciais de respeito, Culpa só foi lançado, no Rio e em São Paulo, na quinta-feira passada, quase um ano depois de estrear em Sundance. A demora pode ser resultado da intenção de criar boca a boca favorável a partir dos festivais brasileiros, e da eventual indicação para concorrer ao Oscar como finalista. Tática de alto risco que deu certo, mas relegou o filme a só ser lançado em data que parece inadequada, dada sua densidade, entre o Natal e o Ano-Novo.

Produzido com apoio do Instituto de Cinema da Dinamarca, Culpa é o que se pode chamar de um projeto muito bem-sucedido, mesmo sem estar entre os favoritos para ganhar o Oscar. Exemplar em vários sentidos, vem a calhar neste momento em que o modo de produção do cinema brasileiro poderá sofrer alterações.

Quanto ao governo em si que tomou posse nesta terça-feira em Brasília, o “que será, será”, como dizem os versos da velha canção de Jay Livingston e Ray Evans, cantada em O Homem Que Sabia Demais, filme de Alfred Hitchcock que recebeu o Oscar de Melhor Canção Original, em 1957.

Realidade e ficção se contrapõem outra vez – na Presidência há um homem que sabe de menos, enquanto no filme de Hitchcock o personagem principal, Dr. Benjamin “Ben” McKenna (James Stewart), sabia demais.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

outras questões cinematográficas

Últimas Mais Lidas

Meu Querido Filho – riscos da obsessão paterna

Filme tunisiano reflete sobre a relação entre pais extremados e seus rebentos

Espanto e incredulidade entre nós

Cultivar o passado ou lidar com a realidade: formas de reagir a novos tempos na política

Utoya – 22 de Julho – enigma persistente

Filme ousa ao retratar atentado na Noruega sem pretender explicar suas razões

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

Tragédia em Moscou – O Processo refeito

Filme de Sergei Loznitsa causa mal-estar ao omitir informações históricas

Mais textos
2

“Despetização” de Onyx tem só 1% de petistas

Em uma semana, governo Bolsonaro exonera 293 de cargos de confiança para eliminar quem "tem marca ideológica clara”, mas só 35 são filiados a partidos, dos quais três, ao PT

3

Mourão não deixou filho desistir de promoção

Vice-presidente insistiu para Antônio Rossell Mourão aceitar cargo no BB, mesmo após a repercussão negativa: "Isso lhe pertence"

4

Sem médico, até repórter vira “doutor” para indígena na Amazônia

No Alto Solimões, onde 229 aldeias abrigam 70 mil índios de sete etnias, nenhum brasileiro apareceu para as vagas deixadas pelos cubanos

5

Juventude bolsonarista

A extrema direita sai do armário no Brasil

7

Sofística e polícia política

Olavo de Carvalho, Bolsonaro e a ideologia

8

Povos da megadiversidade

O que mudou na política indigenista no último meio século

9

Sem herdeiros

Obra-prima da tevê, Família Soprano influenciou pouco os seriados posteriores

10

Foro de Teresina #34: O bate-cabeça de Bolsonaro, os novos escândalos do governo e a crise no Ceará

Podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional