=igualdades

De cada cem cédulas em circulação no Brasil, 28 são de R$ 50 e só uma é de R$ 200

Amanda Gorziza, Lianne Ceará e Renata Buono
14set2021_09h29

Cerca de 7,7 bilhões de cédulas de real circulavam no Brasil no último dia 6 de setembro. A nota de R$ 50 é a que há mais quantidade em circulação 2,2 bilhões (28,3%). Em notas de R$ 100, são 1,8 bilhão (23,3%); 1,5 bilhão (19,3%) de R$ 2; 778 milhões (10%), de R$ 20; 651 milhões (8,3%), de R$ 5; 600 milhões (7,7%), de R$ 10 e a novata de R$ 200, lançada em setembro de 2020, ainda não desbancou nem a sumida nota de R$ 1 são 81 milhões (1%) da de R$ 200 e 148 milhões (2%) de notas de R$ 1.

Em termos de valor, a de R$ 100 é campeã, são quase R$ 180 bilhões em circulação que vêm dessas notas. A de R$ 50 vem logo em seguida, com R$ 109,5 bilhões. Em 2020, na mesma data, circulavam 8,4 bilhões de cédulas e as quantidades eram parecidas com as deste ano: 2,6 bilhões (31%) de notas de R$ 50 e 1,8 bilhão (21,5%) de R$ 100. 

Confira os dados completos na seção =igualdades desta semana.

Fonte: Banco Central

Amanda Gorziza (siga @amandalcgorziza no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Lianne Ceará (siga @lianneceara no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas

O adeus de Merkel, a anti-Trump

Enquanto nos Estados Unidos e no Brasil debate público virou briga de rua, política alemã mostrou com sua chanceler a assepsia de um seminário de pós-graduação – o que também está longe do ideal

O puro suco de Bolsonaro

Ao comer pizza na rua e mentir na ONU, presidente contamina as redes e desvia a atenção daquilo que abala sua popularidade

O horror está entre nós

Uma face tétrica da atualidade é a perda da esperança de viver bem no Brasil

A morte em segredo

O conhecido médico negacionista Anthony Wong morreu de Covid-19 – mas isso foi escondido por 123 profissionais do hospital da Prevent Senior

Reforma administrativa ameaça democracia

Fim da estabilidade dos servidores, uma das propostas da mudança, fragiliza o Estado e coloca em risco as políticas públicas

Mais textos