questões do mundo virtual

Deixa a moça trabalhar

Críticas ao curso de política oferecido por Gabriela Prioli misturam corporativismo, moralismo e misoginia

Cláudio Gonçalves Couto
11set2020_10h27
Intervenção de Paula Cardoso sobre reprodução de internet

No meio de agosto a advogada, professora de direito e apresentadora da CNN Brasil Gabriela Prioli anunciou seu curso virtual de política, o “Manual da Política Racional”. Foi o que bastou para que nas redes (anti)sociais se iniciasse sua detratação pública. Em boa medida, isso não é mesmo de surpreender, já que o “tribunal da internet” tem seu quê de justiça sumária, feita de acordo com os gostos de cada um, convertido ali – ao mesmo tempo – em acusador, juiz e verdugo; quase como na Lava Jato.

Os ataques ocorreram das mais diversas formas, provieram de distintos campos ideológicos e ainda foram motivados por sentimentos corporativistas. À direita do espectro, bolsonaristas de diferentes patentes e assemelhados atacaram Prioli por seu posicionamento político. Sendo ela crítica do governo Bolsonaro, tornou-se alvo de uma mixórdia de argumentos toscos, dentre eles o de que ensinaria socialismo e – pior – contraditoriamente cobrando por isso, como fazem os capitalistas. Chega a ser engraçado sugerir que Prioli é uma propagadora do ideário socialista, mas entre aqueles para quem até a Rede Globo é comunista, demonstra alguma coerência.

Contudo, a rusticidade não está só nessa leitura exagerada de qualquer progressismo como comunismo. Ela aparece também na ideia de que pessoas à esquerda (nem digo “de” esquerda) deveriam trabalhar de graça e abdicar de confortos da vida material. Tal ideia é frequentemente expressa em tentativas de desqualificação infantis como a do “socialista de iPhone”, a “esquerda caviar” ou os “jantares inteligentes”. Deve-se reconhecer, contudo, que nisso a direita rude não está sozinha, sendo ironicamente acompanhada pela sua análoga à esquerda.

Tanto é assim que Prioli foi também detratada nas hostes progressistas por cobrar pelo curso. Curioso como esse franciscanismo igualitário pregado para os outros comumente desaparece quando se trata dos próprios interesses. Por que se imagina que alguém deva trabalhar de graça, ao mesmo tempo que se reclama por melhores salários, condições de labuta ou até mesmo fim da exploração do trabalho pelo capital? Moralismo (que traz embutida a hipocrisia, como bem notou Contardo Calligaris em sua coluna da Folha) talvez seja a resposta – tanto à esquerda como à direita.



Os ataques a Prioli também tiveram, inevitavelmente, sua dose de misoginia. Não é o caso de todos os ataques a ela dirigidos, assim como não é necessariamente a única motivação; frequentemente a carta da misoginia é brandida contra quaisquer críticas que se façam a uma mulher, interditando a discussão. Porém, mesmo quando não é o motivo de base, a misoginia aparece nessas situações como reforçador da detratação. O que vi não foram questionamentos à competência de Prioli por ela ser mulher (talvez tenham ocorrido também), mas com base em sua aparência – e poucas coisas são mais sexistas quanto avaliar uma mulher com base nisso.

Previsível, tais achincalhes vieram da direita tosca, mas não só. Ocorreram também por parte de “esquerdomachos” e, pior ainda, de “esquerdofêmeas”: a sororidade é mandada para o espaço por algumas que se consideram moral e politicamente (ou as duas coisas misturadas) superiores a certas outras.

Tudo que descrevi até este ponto está no script básico dos embates no mundo virtual. Não é à toa que surgiu a expressão “cancelamento” para descrever tal processo, de apedrejar no mundo virtual. E prefiro aqui falar em apedrejamento por duas razões. Uma, porque já me foi chamada a atenção para o uso problemático do termo “linchamento”, devido à sua forte associação com o assassinato de pessoas negras por racistas – de modo que prefiro evitá-lo. Outra, porque a prática de apedrejar os pecadores já teve sua carga de hipocrisia suficientemente explicitada no Evangelho – ou seja, é uma metáfora de domínio popular, que revela o caráter não só injusto, mas também dissimulado de se agir assim.

Um elemento menos comum, que todavia apareceu nesse episódio, diz respeito ao corporativismo. Elemento menos comum nos cancelamentos virtuais, não na sociedade brasileira, que fique claro. Ele até é primo de um outro item mais frequente dos cancelamentos: o lugar de fala. E, que fique claro, não se trata aqui de desqualificar per se a noção de lugares de fala, mas de apontar seu uso ilegítimo, como uma carta de Super Trunfo a ser brandida em qualquer debate, de modo a desqualificar interlocutores que, por natureza, não dispõem dele. Ou seja, o lugar de fala como arma sofística é o argumento de refutação impossível, que deslegitima qualquer razão do outro. E dizer isso não implica negar a ideia de lugar de fala como algo que tenha sentido em relações sociais entre grupos desiguais. A esse respeito vale lembrar o excelente artigo de Antonio Engelke, publicado há três anos na piauí.

 

Voltemos ao corporativismo. Não foram poucas as alegações da suposta incapacidade de Gabriela Prioli ministrar um curso sobre política, não sendo ela cientista política, mas jurista. Segundo tal lógica, apenas politólogos teriam o saber competente para ensinar sobre o tema. Em alguns casos essa alegação proveio não de cientistas políticos, mas de internautas que parecem imaginar que cada área do conhecimento humano só cabe dentro uma caixinha profissional, devidamente certificada por diplomas específicos e órgãos de classe.

Ora, as fronteiras entre as áreas do conhecimento são construções analíticas e institucionais, não um dado da natureza. Por isso mesmo, a política como problema humano não passou a existir depois do surgimento da ciência política como disciplina, assim como questões de saúde não apareceram apenas após a criação da medicina.

Nenhuma disciplina acadêmica controla completamente os conhecimentos sobre seu objeto específico de estudo, ainda que se dedique a ele de forma mais sistemática e especializada. A saúde não é um problema só da medicina, mas também de (entre outras) a biologia, a química, a engenharia, a administração, a economia, a sociologia… Da mesma forma, a política é um problema que pode ser estudado por qualquer pessoa, que certamente o fará de sua perspectiva particular, provavelmente informada por suas áreas de formação e atuação – e não só pela ciência política.

Quando comentei esse tema em meu Twitter, houve quem retorquisse que Prioli daria o curso com viés jurídico. Eu concordo que é provável que isso ocorra. E qual o problema? Viés profissional, que dá uma perspectiva particular sobre a realidade, é como sotaque: não é defeito, mas característica.

O pior mesmo foi ver pessoas identificadas como cientistas políticas atacarem o que seria uma intromissão profissional de uma advogada em seu campo de trabalho. Não me parece casual que tal reação surja justamente quando, no âmbito da ciência política profissional, discute-se a possibilidade de se regulamentar a profissão. Eu, particularmente, espero que isso nunca ocorra. E explico o porquê.

A regulamentação de profissões em nosso país enseja o surgimento e o encastelamento de cartórios. Eles se ocupam de criar guildas profissionais ao mesmo tempo protecionistas e rentistas: tornam compulsória a associação dos que pretendem atuar na área, exigem-lhes formação específica e lhes cobram pagamento. Como toda organização desse tipo, tais cartórios não raramente se tornam posse de alguns burocratas corporativos, que as dirigem como se fossem sua propriedade particular e tornam a guilda cada vez mais agressiva e fechada. A ciência política brasileira não só não precisa de algo assim: ela seria prejudicada por algo assim. Para explicitar, conto uma historinha.

Há mais de uma década, quando fui chefe do Departamento de Política da PUC-SP, recebi um curioso ofício, que me foi encaminhado pela reitoria da Universidade. Ele era de autoria de uma obscura organização profissional de sociólogos. Ela nos cobrava contratar em concursos docentes apenas pessoas graduadas em ciências sociais. Foi uma tentativa de carteirada cartorial corporativa sem lastro, já que (felizmente) não havia qualquer regulamentação que nos obrigasse a isso. Respondi à reitoria pedindo que simplesmente ignorasse esse blefe cartorial, numa carta desaforada que depois foi reproduzida no site da ABCP (Associação Brasileira de Ciência Política).

Se os melhores departamentos das áreas de ciências sociais do mundo fossem seguir tal diretriz, não teriam entre seus professores alguns dos melhores quadros científicos.

Já como professor da FGV EAESP, tive a oportunidade em alguns eventos abertos ao público, de ver a defesa, por algum membro de Conselho de Administração, de prática similar, exigindo que apenas bacharéis em administração fossem professores na Escola. Se isso ocorresse, boa parte de meus colegas (engenheiros, economistas, juristas…) não poderia integrar o corpo docente. Eu mesmo não estaria lá e, menos ainda, seria coordenador de um mestrado em administração.

Eis o risco que se corre caso venha a ser regulamentada a profissão de cientista político, criando um órgão de classe ao qual os politólogos deverão prestar vassalagem. Em pouco tempo, em conformidade com a tendência notada por Robert Michels em sua lei de ferro da oligarquia, provavelmente tais cartórios seriam capturados e, ato contínuo, transformados em fonte de renda e poder de seus dirigentes, às expensas da efetiva competência profissional das pessoas.

Claro, porém, que, ansiando pela guarida de seus interesses profissionais, colegas defendem a regulamentação da profissão de cientista político. Espero que os mais sensatos sejam convencidos do contrário. O caso envolvendo Gabriela Prioli, porém, demonstrou que para alguns o que importa mesmo é uma reserva cartorial de mercado, disfarçada de reserva de mercado epistêmico e disciplinar. Coisas destes tempos que vivemos, em que até o corporativismo rasteiro se faz passar por progressismo.

Cláudio Gonçalves Couto

Cientista político, coordenador do Mestrado em Gestão e Políticas Públicas da FGV-SP. Produtor do canal do YouTube Fora da Política Não há Salvação.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Cercados pelas chamas

Uma família encurralada em casa por um incêndio no Cerrado

Roupa suja lavada a jato

Como lavajatistas e bolsonaristas se aproximaram, se afastaram, romperam ao longo do governo - e publicaram tudo nas redes

Foro de Teresina #118: O presidente no meio do fogo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

A mão que acende o fogo

Aquecimento global e desmatamento aumentam o material combustível para os incêndios, mas, sem ação de pessoas, o Pantanal e a Amazônia não queimariam assim

“O fogo acabou com tudo”

Líder indígena em Mato Grosso relata como as queimadas avançam sobre sua aldeia, destruindo casas, árvores, animais e memórias

Mais textos
2

R$ 0,46 no tanque dos outros

Agora, caminhoneiros grevistas usam WhatsApp para defender queda da gasolina, de Temer e da democracia

3

A vida e a morte de uma voz inconformada

Os últimos momentos de Marielle Franco, a vereadora do PSOL executada no meio da rua no Rio de Janeiro sob intervenção

5

Qu4tro figuras (e mais 2)

Agora só tem o Homem de Ferro em Blu-ray, a privada virou "poltrono", a moça penteia o bigode e Stálin está no armário

6

O barato de Hannah

Pela legalização da maconha, jovem americana se muda para Montevidéu

7

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde

8

O tom certo

Quatro meses depois de nos conhecermos, o Orlando sumiu. Em casa contei que a professora tinha falado que o Orlando não era culpado. O garoto é uma vítima, ela repetia nervosa, como todos nós

10

Vitória em Cristo

Com uma leitura singular da Bíblia, o pastor Silas Malafaia ataca feministas, homossexuais e esquerdistas enquanto prega que é dando muito que se recebe ainda mais