anais da economia

Desemprego e incerteza na vida após a Ford

Em Camaçari, na Bahia, fechamento da fábrica de carros impacta todo o mercado de trabalho – de motoristas de ônibus até babás

Hellen Guimarães
26jan2021_17h43
ILUSTRAÇÃO: CARVALL

A segunda-feira começou agitada como tantas outras na casa de Luzinete Barros Bonfim, moradora de Camaçari, na Bahia. Era 11 de janeiro. Às cinco da manhã, a campainha tocou pela primeira vez, anunciando a chegada de uma menina de 3 anos de idade. Às sete horas, foi a vez de outro bebezinho. Há cerca de dois anos, as crianças passam o dia sob os cuidados de Bonfim – tanto a mãe da menina quanto o pai do menino são funcionários da fábrica da Ford e não têm com quem deixá-los quando saem, de manhã cedo. Dona de casa, a baiana de 52 anos trabalha como babá para complementar a renda de sua família. Todos os dias, cuida da menina até as três da tarde e, do menino, até as seis. Naquela segunda, quando a mãe da primeira criança foi buscá-la, Bonfim recebeu dela a notícia que mudaria tudo: a montadora de carros havia anunciado o fechamento de suas fábricas no Brasil, demitindo, com isso, a maior parte de seus 6 mil funcionários. Desses, 4,6 mil – o equivalente a 75% – trabalhavam na unidade de Camaçari. Entre eles, os pais das duas crianças que estavam, até aquele momento, sob a supervisão de Bonfim.

Não tardou para que a babá fosse demitida, numa pequena amostra do efeito dominó que se impõe quando uma grande empresa fecha as portas em uma cidade que gira em torno de sua planta industrial. O que ocorreu em Camaçari, município de 300 mil habitantes, se repetiu em Taubaté, em São Paulo, e também está previsto em Horizonte, no Ceará, onde a última fábrica da montadora será fechada até o fim do ano. Segundo estimativa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o impacto da saída da Ford do Brasil deve ser vinte vezes maior do que apontam os números oficiais. Calcula-se que mais de 118 mil empregos podem ser varridos do mapa, considerando a cadeia indireta de produção da empresa.

“Quando veio o anúncio de que a fábrica iria fechar aqui na cidade, muitos pais de família ficaram desempregados. Foi um baque para todos nós”, lamenta Bonfim. Embora ainda tenha outras quatro crianças de quem cuidar, ela perdeu mais de um terço de sua renda. “Era um dinheirinho a mais que entrava. O preço que eu cobro varia de acordo com o horário, se a criança vai comer aqui ou não. As duas crianças que eu perdi eram justamente da faixa mais cara. Agora, infelizmente, os pais não têm como manter essa despesa.”

Quando a Ford chegou em Camaçari, em 2001, Bonfim ainda não trabalhava como babá. Porém, em pouco tempo a empresa começou a fazer parte de sua vida. De suas cinco irmãs, duas foram contratadas para trabalhar na fábrica naquele mesmo ano. A dona de casa só decidiu se lançar na nova carreira quando, em 2008, ela e sua família se mudaram para o bairro de Ponto Certo, que fica a apenas 7 km da fábrica da Ford. Numa vizinhança repleta de funcionários da montadora, ela largou o emprego de copeira em um restaurante e se tornou babá. Desde então, essa vinha sendo sua única renda própria, com a qual banca seus próprios gastos e contribui para o INSS. Seu marido trabalha há anos no Polo Industrial de Camaçari, complexo petroquímico fundado em 1978. O casal tem dois filhos.

Desde aquele 11 de janeiro, Bonfim passou a notar um movimento menor de pessoas nas ruas. “A cidade parece mais vazia, o comércio ficou meio caído. O clima é de muita tristeza.” Ela deposita suas esperanças na possibilidade de que outra empresa assuma as instalações da Ford, preservando assim parte dos empregos. Recentemente, a imprensa noticiou que o Grupo Caoa, principal revendedor da Ford no Brasil, avalia comprar a fábrica de Camaçari. “Depois do Polo Industrial, a Ford era o maior ponto de geração de renda da cidade. Estou torcendo para que outras empresas venham e consigam suprir essa perda.”

 

Em outra parte de Camaçari, Kaíque Araújo da Silva, um professor de história de 25 anos, também sentiu o impacto imediato do anúncio da Ford. Na escola particular onde trabalha, na periferia da cidade, o mês de janeiro estava mais lento do que em anos anteriores, reflexo da pandemia. Mas o baque veio mesmo quando a notícia sobre o fechamento da fábrica começou a circular: de uma hora para outra, 40% das rematrículas que estavam em andamento foram canceladas. Pais de crianças que já estudavam na escola desistiram de renovar suas inscrições. Desde então, colegas de Silva foram demitidos, enquanto outros tiveram a carga horária reduzida. Para sobreviver, o colégio está cortando gastos onde pode.

“A situação já estava difícil antes, mas agora o clima na escola ficou muito ruim. Sem aluno, não tem demanda. Professores de outras escolas da cidade, sobretudo da rede privada, também vão sofrer com isso, porque têm esse mesmo perfil de pais e estudantes”, explica o jovem professor. Segundo ele, os colégios de Camaçari são muito dependentes da renda gerada indiretamente pela Ford: quando os pais de alunos não são funcionários diretos da montadora, eles trabalham em empresas que prestam serviços a ela.

Silva conta que, dias depois do comunicado da Ford, pediu um Uber para ir de casa até a escola, onde tinha uma reunião marcada. Ao entrar no carro, descobriu que o motorista, um homem de mais de 40 anos, era novato no aplicativo: até poucos dias antes, ele dirigia os ônibus de uma empresa que fazia o transporte dos funcionários da montadora. No dia seguinte ao anúncio de fechamento da Ford, ele deixou de receber os itinerários que deveria cumprir. Imediatamente, baixou o Uber no celular e começou a dirigir pela cidade.

“Ele estava bem cabisbaixo. Era um senhor que, de repente, se viu sem perspectiva de emprego”, relata Silva. “Eu também já noto uma mudança no movimento da cidade. Por aqui, sempre foi muito comum ver os funcionários da Ford bebendo nos bares depois do expediente. Agora não vemos mais isso. O impacto foi grande.”

 

Gleir Sousa, de 35 anos, estava num momento importante de sua vida. Funcionário da Ford desde 2012, o ferramenteiro tinha acabado de investir alto na construção de um imóvel próprio em Camaçari. Ele mora na cidade há doze anos, desde que se mudou de Betim, Minas Gerais. Deixou a cidade natal ao ser atraído para uma oportunidade de emprego em uma loja de autopeças, fornecedora direta da Ford. Casou na cidade baiana, teve um filho e não tinha planos de voltar para Minas tão cedo. Agora, não tem mais tanta certeza.

“Até ontem, eu estava empregado numa montadora multinacional. Do nada, recebo uma mensagem da Ford pelo WhatsApp dizendo que a empresa está fechada e eu estou desempregado. Em breve, estarei na fila da Caixa Econômica”, desabafou Sousa em uma rede social, na terça-feira, 12 de janeiro, dia seguinte ao anúncio feito pela Ford.

Segundo o ferramenteiro, até então a empresa não tinha dado qualquer sinal de que fecharia as portas. “Na véspera, a Ford transferiu o dia do feriado de São Tomás de Cantuária, padroeiro da cidade: ficou definido que a gente trabalharia na quinta-feira, feriado, e folgaria na segunda, para compensar. Ninguém estranhou, porque eles tinham o costume de fazer isso.” Aproveitando o dia de folga, Sousa foi acompanhar as obras de seu futuro imóvel. Fazia pouco tempo que havia comprado uma grande quantidade de materiais de acabamento. Como depois disso ele pegaria o turno da noite, foi para casa descansar durante a tarde. “Cheguei, tomei um banho e, antes de dormir, resolvi olhar o celular. A primeira mensagem que apareceu foi da minha sobrinha, lá de Minas, falando sobre o fechamento da Ford. Ela me perguntou se aquilo era verdade. E eu não sabia de nada.”

Quando Sousa abriu a conversa que mantém com seus colegas de trabalho, não havia outro assunto: fábrica fechada e produção suspensa. Em seguida, ligou para seu coordenador direto para entender o que estava acontecendo. O chefe também não sabia. Quando deu o horário em que deveria ir para a fábrica, Sousa perguntou ao supervisor se deveria, afinal, sair de casa. Ouviu que era melhor ficar até que houvesse uma posição oficial da empresa.

“Até hoje, nada. Só o que nos enviaram foi um talk paper, ou seja, um aviso interno por WhatsApp, dizendo que as atividades estavam suspensas por dois dias e que receberíamos novas notícias em breve. Não recebemos”, relata o ferramenteiro. Ele não vislumbra a possibilidade de achar um novo emprego em sua área de atuação – ao menos não em Camaçari. “A ferramentaria é um trabalho aplicado em lojas de autopeças, e por aqui esse tipo de vaga era oferecido pelas empresas que forneciam para a Ford. Sem a montadora, todas elas vão fechar. Não vai ter mais mercado. Estou sem saber o que fazer agora. Ainda dependo da Ford para definir quando serei demitido, se já estou demitido, qual será o dia de acertar essas contas, quando a demissão será homologada, e se haverá indenização.”

Agora, Sousa e sua esposa consideram voltar para Minas. Antes disso, porém, ele precisa recuperar o investimento que fez na casa própria. Segundo ele, o cenário de terra arrasada deixado pela Ford não favorece o surgimento de compradores interessados no imóvel.

“Infelizmente, estamos nas mãos dos empresários”, reclama o ferramenteiro. “Eles declaram falência, não pagam ninguém e, do nada, abrem empresa em outro lugar onde esteja jorrando dinheiro. Depois, é só declarar falência novamente e abrir uma filial em outro lugar, com financiamento do BNDES e incentivos fiscais.” Por meio de nota, o presidente e CEO da Ford, Jim Farley, afirmou que o fim das operações da empresa no Brasil faz parte de um conjunto de ações “muito difíceis, mas necessárias, para a criação de um negócio saudável e sustentável”. O texto credita a reestruturação ao fato de que “a pandemia de Covid-19 amplia a persistente capacidade ociosa da indústria e a redução das vendas, resultando em anos de perdas significativas”. A empresa garante ainda que estreitará a colaboração com sindicatos para desenvolver um plano “justo e equilibrado”, que minimize os efeitos do fim das atividades.



Hellen Guimarães

Repórter da piauí. Trabalhou em O Globo, Extra, Época e Agência Lupa

Leia também

Últimas Mais Lidas

Mais partido do que novo

De olho em 2022, Amoêdo abre oposição tardia a Bolsonaro, e Novo racha antes de crescer

A era do testemunho e o impeachment

Julgamento de Trump ignorou imagens e relatos dos acontecimentos

Cada crime no seu quadrado

Áreas de milícia no Rio concentram ocorrências ligadas ao "controle" da população; mortes por intervenção policial e crimes envolvendo drogas são mais frequentes em regiões de tráfico

O jogo do prende-e-solta

Como o doleiro Chaaya Moghrabi escapou três vezes da prisão

Parados na contramão

Cidades brasileiras rejeitam um debate urgente: cobrar de usuários de carros custo da infraestrutura pública e destinar recursos ao transporte coletivo

Variantes demais

Mutações dos Sars-CoV-2 demandam pesquisas sobre a eficácia das vacinas contra as novas cepas e sequenciamento do vírus para saber qual tipo prevalece no Brasil

Mais textos
1

Proust, moscas, nada:

no tríduo momesco, uma folia de silêncio

2

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

4

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

6

Tabloide – doença mental na América

Errol Morris define Tabloide, exibido na mostra Panorama do Cinema Mundial, no Festival do Rio, como sua “primeira história de amor desde Gates of Heaven [Portais no céu, seu primeiro filme, feito em 1978, sobre dois cemitérios de animais de estimação, na California], uma história de amor estranha, mas muito romântica.” É uma definição desconcertante, ainda mais quando Morris diz estar “contente por ter feito um filme engraçado.”

7

Na piauí_130

A capa e os destaques da edição de julho

8

Polícia Militar não consegue calcular o número de ministérios de Dilma

PASÁRGADA - O Departamento de Cálculo de Multidões da Polícia Militar convocou uma coletiva de imprensa para declarar que não logrou êxito na tarefa de contabilizar o número de ministérios da presidente. "Temos experiência com grandes aglomerações humanas, mas para tudo nessa vida há limite", desabafou, desesperado, o tenente-coronel Oswald de Souza Bolsonaro.