Novidades

Dib Lutfi – interação perfeita

Eduardo Escorel
27out2016_12h24

O assunto do e-mail que recebi da redação há uns vinte minutos é “Acha que vale um texto sobre o Dib?”. No corpo do e-mail, apenas um lacônico “abraços”.

Dib é o Dib Lutfi. Eu não sabia de nada. Mas não foi difícil deduzir o que tinha acontecido, rapidamente confirmado ao consultar a Wikipédia, já atualizada. Nascido em 1936, em Marília, Dib falecera ontem, 26 de outubro.

Respondi “valer, vale, sem dúvida”. A dificuldade seria escrever rapidamente, ainda sob o impacto da notícia. É duro saber que um amigo ou colega, ou qualquer pessoa com quem se tenha algum tipo de relação, morreu. Em especial, tratando-se de um companheiro de 54 anos.

Ainda mais alguém especial como o Dib – dotado de dom natural para fotografia e câmera de cinema, um intuitivo, simples, brincalhão, de que todos gostavam.



Quem o viu filmar teve o privilégio de testemunhar sua interação perfeita com a câmera, definição viva do que seja ergonomia. Dib flutuava pelo set com a câmera na mão, fazendo ele mesmo o foco enquanto se deslocava. Essa habilidade fez dele o objeto de desejo de todo diretor, a partir do início da década de 1960, quando surgiram seus primeiros filmes, dirigidos por seu irmão, Sérgio Ricardo: o curta-metragem O Menino da Calça Branca, de 1961, e o longa Esse Mundo é Meu, de 1964.

O Dib nos deu, e ao cinema brasileiro em geral, muito mais do que recebeu de volta. Basta conferir uma breve relação dos seus créditos profissionais: O Desafio, A FalecidaTerra em Transe, Opinião Pública, Edu, Coração de Ouro, Os Deuses e os Mortos, Como Era Gostoso Meu Francês, Pra Frente, Brasil, 500 almas etc.

Alguns colegas se mantiveram próximos a ele no longo e doloroso período final da vida. Merecem nosso reconhecimento por isso. A maioria de nós, porém, como muitas vezes acontece, deixou de vê-lo. Agora, ele se foi para sempre. Ficamos menores com a perda do Dib.

Assista abaixo ao documentário Dib, de Marcia Derraik, ao segundo trecho do filme A Câmera de Dib Lutfi, de William de Oliveira, a uma entrevista de Dib ao programa Zoom e ao plano sequência completo de Os Deuses e os Mortos, de Ruy Guerra.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #113: Bolsonaro fura o teto

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Agonia da Cinemateca Brasileira

Desgoverno atual da República não nos anima a ter esperanças

Vacina, pressa e propaganda

No Brasil, governos prometem vacinação em massa contra Covid-19 para logo, mas laboratórios programam terminar fase de testes entre outubro de 2021 e novembro de 2022 

Compras que desmancham no ar

Durante a pandemia, denúncias de golpes em falsos leilões virtuais aumentam nove vezes em relação ao semestre anterior

Reciclando a estrada alheia

Redes bolsonaristas usam fotos antigas para atribuir ao governo Bolsonaro obras de outras gestões

A tropa de choque de Bolsonaro

Pesquisa inédita traça perfil de policiais que, em postagens públicas nas redes, defendem ideias como fechamento do Supremo e do Congresso

Uma floresta mais perto do fim

Audiência pública virtual para discutir o autódromo que destruirá Floresta do Camboatá volta a ser permitida pela Justiça na reta final

Foro de Teresina #112: A metamorfose de Bolsonaro

podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Minotauro da fronteira 

Como um dos chefes do PCC deixou um rastro de mortes e corrupção no Paraguai

Mais textos
4

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

6

A Terra é redonda: O mundo dá voltas

Os terraplanistas estão se aproximando do poder: chegou a hora de falar deles

7

Depois do atentado

Como a morte de Marielle Franco mudou nossas vidas

9

O bigode da modernidade ataca novamente

As peripécias manhosas do brônzeo estadista que veio do Maranhão e não largou a rapadura

10

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA