questões da política

Eike Batista encontra Sergio Moro

A mulher do publicitário João Santana, Monica Moura, prometeu contar tudo sobre pagamentos recebidos de Eike no exterior

Malu Gaspar
24maio2016_11h45
FOTO: ALAN MARQUES_FOLHAPRESS

A mulher do publicitário João Santana, Monica Moura, prometeu contar em delação premiada aos procuradores da Lava Jato tudo sobre pagamentos recebidos de Eike Batista no exterior. Se contar mesmo tudo o que sabe, conforme noticiou ontem o jornal O Globo, em breve os processos da 13a Vara Federal de Curitiba registrarão a seguinte história:

Corria o mês de abril de 2013 quando um gerente do império X, então vivendo o preâmbulo de sua derrocada final, foi chamado a uma salinha de reuniões. Havia uma missão para ele, delegada por Flávio Godinho, homem de confiança de Eike e seu sócio em varias empresas – incluindo offshores. A tarefa consistia em receber uma mulher que viria entregar uns papéis com indicações para que Eike fizesse um depósito no exterior. Era só receber a mulher e pegar os papéis que ela tinha lhe a entregar. Godinho cuidaria do resto.

Assim foi feito. Em pouco tempo a tal mulher anunciou que havia chegado à sede do grupo X, no edifício Serrador, no centro do Rio. Era a própria Monica Moura, acompanhada da filha, Alice. Simpática, estendeu seu cartão de visitas. Em seguida, entregou um envelope branco ao executivo. Dentro tinha um contrato, que ele de propósito não abriu. Ela disse: “Olha, a conta é a Shellbill, você sabe né?”. Nao sabia, mas a Shellbill Finance S.A. é a offshore panamenha que Monica e João Santana controlam, e que recebeu 7,5  milhões de reais da Odebrecht e do operador de propinas Zwi Skornicki. Foram descobertas da Lava Jato. Ao saber quem era Monica, o gerente interpelou o chefe sobre o depósito. A resposta: dinheiro para o Lula.

Monica e o gerente do grupo X falaram mais algumas amenidades e despediram-se. Os papéis chegaram até Eike, que ordenou a transferência de algo próximo a 1,5 milhão de dólares para a conta indicada pela mulher de João Santana. O depósito deveria sair de uma das contas usadas pelo bilionário para esse tipo de pagamento, em um banquinho do Panamá, pouco conhecido, mas bastante atuante com clientes brasileiros: o TAG Bank, de um ex-sócio do BTG Pactual, Eduardo Plass. Batizadas de Golden Rock e Blue Diamond, as contas eram bastante familiares aos executivos do grupo X.

No ano passado, o Ministério Público chegou a pedir ao TAG Bank a abertura do sigilo dessas contas em uma investigação que tinha como alvo o ex-governador Sérgio Cabral. Na ocasião, as contas foram bloqueadas – e o entorno de Eike, enrolado em processos movidos pelo próprio Ministério Público e por acionistas minoritários do grupo X, ficou em polvorosa. Vários ex-executivos foram chamados para discutir com o ex-bilionário versões possíveis para justificar eventuais pagamentos ilícitos.

Durante os anos de ouro da economia brasileira, Eike Batista personificou o sucesso do Brasil na arena econômica mundial. Como tudo que cercou o boom brasileiro, ao lado glamoroso correspondia um outro, lamacento, formado por alianças inconfessáveis em nome de interesses idem. O bilionário fez de tudo para ser incluído no cartel de empreiteiras que dominava a Petrobras, mas foi vetado por Marcelo Odebrecht, com quem havia tido desavenças por causa de contratos de prestação de serviços ao grupo X. Em agosto de 2012, finalmente obteve dois contratos para o seu estaleiro, o OSX, em um consórcio com a Mendes Júnior. Até agora, porém, Eike parecia observar de fora o lodaçal revolvido pela Lava Jato. Ao que tudo indica, isso mudou. Ele está prestes a ser arrastado para dentro do pântano – pelas mãos da mulher de João Santana.O advogado de Eike Batista, Raphael Mattos, disse à piauí que seu cliente não comentaria o assunto.

Malu Gaspar (siga @malugaspar no Twitter)

Repórter da piauí, é autora do livro Tudo ou Nada: Eike Batista e a Verdadeira História do Grupo X, da Editora Record

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro achata a curva

Pesquisa inédita do Ideia Big Data mostra que desaprovação ao governo oscila de 41% para 37% após presidente moderar discurso contra Mandetta e defender a cloroquina

Foro de Teresina #95: Os mitos da pandemia, a queda de braço com Mandetta e o bate-cabeça na economia

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pão ázimo e um computador

Como famílias judaicas contornam o isolamento durante o Pessach, a festa religiosa que celebra a liberdade

Nos presídios, terreno livre para o coronavírus

Superlotação e falta de equipes médicas atrapalham medidas de prevenção da doença

Paulo Freire, um Homem do Mundo – Um sonho da bondade e da beleza

Alvo de ofensa proferida pelo capitão que ocupa o Palácio do Planalto, educador ganha desagravo em documentário

Rumo às urnas, estetoscópio é a nova arminha

Criticado por Bolsonaro, ministro da Saúde ganha popularidade nas redes durante epidemia e sinaliza força de candidatos médicos nas próximas eleições

Aula de risco

Reabrir colégios, como sugeriu Bolsonaro, aumenta perigo de contaminação para 5 milhões de brasileiros de mais de 60 anos que moram com crianças em idade escolar

A Terra é redonda: Coroa de espinhos

Especialistas discutem quem é o inimigo que está prendendo bilhões em casa e como vamos sair da pandemia causada pelo coronavírus

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Mais textos
2

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

3

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

4

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

5

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

6

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução

8

Ciência em Krakatoa

O Brasil vive um transe que mistura Monty Python e Sexta-Feira 13. O que será de nós quando isso acabar, o que faremos com relação a novas epidemias?

9

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

10

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana