questões eleitorais

Eleição explode no YouTube após 1º turno

Volume de vídeos produzidos sobre Bolsonaro e Haddad em uma semana após a votação supera os três meses anteriores; petista é maior alvo

Marcella Ramos
20out2018_01h36
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

Em menos de duas semanas de campanha de segundo turno, o volume de vídeos no YouTube sobre os candidatos à Presidência Jair Bolsonaro, do PSL, e Fernando Haddad, do PT, já supera os três meses anteriores à votação de 7 de outubro. Levantamento inédito da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas mostra que só na semana seguinte ao pleito, de 8 a 15 de outubro, foram 991 publicações sobre os candidatos. Já entre os dias 4 de julho e 7 de outubro, esse número foi de 939. Quem mais se beneficia é Bolsonaro, presente em 63% dos vídeos, com conteúdo majoritariamente positivo. Com Haddad ocorre o oposto: a maioria das postagens sobre o petista tem teor negativo.

Na primeira semana de campanha do segundo turno, foram 498 os vídeos publicados na plataforma com referências a Bolsonaro. Deles, segundo o DAPP-FGV, 48% são favoráveis ao presidenciável, 37% são neutros e 15% negativos. Os vídeos positivos elogiam a atuação do candidato em entrevistas, e os neutros trazem análises do cenário político. Já os vídeos desfavoráveis são de críticas ao comportamento e às pautas defendidas pelo candidato.

O número de vídeos sobre Haddad no mesmo período é quase o mesmo (488), mas o conteúdo é principalmente contrário a ele. Das publicações sobre o petista, 50% são negativas, 32% são neutros e 18% positivos. É um cenário quase oposto ao de Bolsonaro. Segundo o relatório da DAPP, os vídeos negativos, de maneira geral, tratam das propostas e da personalidade de Haddad e de sua vice, Manuela D’Ávila, do PCdoB. O conteúdo neutro costuma repercutir resultados de intenção de votos, e o positivo defende o petista contra supostas notícias falsas e faz manifestações em prol da “manutenção da democracia”, segundo o relatório da DAPP.

O vídeo intitulado “Record desmascara Haddad” foi o que obteve maior engajamento sobre o presidenciável na plataforma, somando mais de 1,7 milhão de visualizações e mais de 13 mil comentários. A publicação mostra o trecho de uma reportagem do Jornal da Record, que traz uma fala do secretário do Ministério da Educação a respeito do “kit gay”, acusando Haddad de ser desrespeitoso e debochado sobre o assunto. Entre os dez vídeos mais vistos sobre o candidato, nove apresentaram tom negativo, alguns deles com fontes duvidosas, segundo a DAPP.

Em relação a Bolsonaro, o vídeo que mais provocou visualizações foi do comediante John Oliver, em inglês, satirizando e criticando o candidato. Ainda assim, a postagem foi a segunda mais “descurtida” pelos usuários, atrás apenas do vídeo “Comunista Miriam Leitão no Bom Dia Brasil afirma que PT é democrático e Bolsonaro um risco”, com aproximadamente 185 mil descurtidas. Entre os dez vídeos mais vistos sobre o candidato, oito foram favoráveis. No ranking dos mais curtidos, oito dos dez principais também foram positivos, com destaque para o vídeo “Após Boulos ameaçar invadir sua casa, Bolsonaro manda recado direto aos grupos terroristas”, com 372 mil curtidas.

Nos últimos três meses, as buscas por Bolsonaro foram 13 vezes maiores do que Haddad no YouTube, segundo a ferramenta Google Trends. O pico desse período foi em 28 de agosto, um dia depois da entrevista do presidenciável do PSL no Jornal Nacional, da Rede Globo. O segundo dia com o maior número de buscas pelos nomes dos candidatos foi 6 de setembro, quando Bolsonaro sofreu um atentado em Juiz de Fora. Haddad foi menos buscado que Bolsonaro durante quase todo o período e só conseguiu superar o adversário em número de buscas em 15 de setembro, um dia depois de sua entrevista no JN. Logo em seguida, porém, voltou a despertar menos interesse do que Bolsonaro. Na primeira semana do segundo turno, o ex-capitão foi buscado cinco vezes mais que o adversário.

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Marcella Ramos é jornalista baseada no Rio de Janeiro.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

Foro de Teresina #30: A briga pelo Senado, os generais de Bolsonaro e a política do futebol

Podcast da piauí analisa os fatos da semana na política nacional

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

3

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

4

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

5

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

7

Guedes e Itamaraty brigam por comércio exterior

Sem combinar um com o outro, futuros ministros da Economia e das Relações Exteriores incluem sob seu comando a agência de promoção de investimentos fora do país

8

A baleia branca de Rodolfo Landim

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

9

O homem-viaduto

Sem-teto vive dentro de um buraco no elevado mais famoso de São Paulo; como o Minhocão, 73 pontes e viadutos têm problemas estruturais na cidade

10

O vice a cavalo

Hamilton Mourão e o lugar dos militares no governo Bolsonaro