questões eleitorais

Eleição explode no YouTube após 1º turno

Volume de vídeos produzidos sobre Bolsonaro e Haddad em uma semana após a votação supera os três meses anteriores; petista é maior alvo

Marcella Ramos
20out2018_01h36
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

Em menos de duas semanas de campanha de segundo turno, o volume de vídeos no YouTube sobre os candidatos à Presidência Jair Bolsonaro, do PSL, e Fernando Haddad, do PT, já supera os três meses anteriores à votação de 7 de outubro. Levantamento inédito da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas mostra que só na semana seguinte ao pleito, de 8 a 15 de outubro, foram 991 publicações sobre os candidatos. Já entre os dias 4 de julho e 7 de outubro, esse número foi de 939. Quem mais se beneficia é Bolsonaro, presente em 63% dos vídeos, com conteúdo majoritariamente positivo. Com Haddad ocorre o oposto: a maioria das postagens sobre o petista tem teor negativo.

Na primeira semana de campanha do segundo turno, foram 498 os vídeos publicados na plataforma com referências a Bolsonaro. Deles, segundo o DAPP-FGV, 48% são favoráveis ao presidenciável, 37% são neutros e 15% negativos. Os vídeos positivos elogiam a atuação do candidato em entrevistas, e os neutros trazem análises do cenário político. Já os vídeos desfavoráveis são de críticas ao comportamento e às pautas defendidas pelo candidato.

O número de vídeos sobre Haddad no mesmo período é quase o mesmo (488), mas o conteúdo é principalmente contrário a ele. Das publicações sobre o petista, 50% são negativas, 32% são neutros e 18% positivos. É um cenário quase oposto ao de Bolsonaro. Segundo o relatório da DAPP, os vídeos negativos, de maneira geral, tratam das propostas e da personalidade de Haddad e de sua vice, Manuela D’Ávila, do PCdoB. O conteúdo neutro costuma repercutir resultados de intenção de votos, e o positivo defende o petista contra supostas notícias falsas e faz manifestações em prol da “manutenção da democracia”, segundo o relatório da DAPP.

O vídeo intitulado “Record desmascara Haddad” foi o que obteve maior engajamento sobre o presidenciável na plataforma, somando mais de 1,7 milhão de visualizações e mais de 13 mil comentários. A publicação mostra o trecho de uma reportagem do Jornal da Record, que traz uma fala do secretário do Ministério da Educação a respeito do “kit gay”, acusando Haddad de ser desrespeitoso e debochado sobre o assunto. Entre os dez vídeos mais vistos sobre o candidato, nove apresentaram tom negativo, alguns deles com fontes duvidosas, segundo a DAPP.

Em relação a Bolsonaro, o vídeo que mais provocou visualizações foi do comediante John Oliver, em inglês, satirizando e criticando o candidato. Ainda assim, a postagem foi a segunda mais “descurtida” pelos usuários, atrás apenas do vídeo “Comunista Miriam Leitão no Bom Dia Brasil afirma que PT é democrático e Bolsonaro um risco”, com aproximadamente 185 mil descurtidas. Entre os dez vídeos mais vistos sobre o candidato, oito foram favoráveis. No ranking dos mais curtidos, oito dos dez principais também foram positivos, com destaque para o vídeo “Após Boulos ameaçar invadir sua casa, Bolsonaro manda recado direto aos grupos terroristas”, com 372 mil curtidas.

Nos últimos três meses, as buscas por Bolsonaro foram 13 vezes maiores do que Haddad no YouTube, segundo a ferramenta Google Trends. O pico desse período foi em 28 de agosto, um dia depois da entrevista do presidenciável do PSL no Jornal Nacional, da Rede Globo. O segundo dia com o maior número de buscas pelos nomes dos candidatos foi 6 de setembro, quando Bolsonaro sofreu um atentado em Juiz de Fora. Haddad foi menos buscado que Bolsonaro durante quase todo o período e só conseguiu superar o adversário em número de buscas em 15 de setembro, um dia depois de sua entrevista no JN. Logo em seguida, porém, voltou a despertar menos interesse do que Bolsonaro. Na primeira semana do segundo turno, o ex-capitão foi buscado cinco vezes mais que o adversário.



Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Repórter e coordenadora de checagem da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na estrada da agonia

Sem UTIs suficientes contra Covid, cidades do interior sofrem para transferir pacientes para capitais - que também estão lotadas

A polícia não pode tudo

Decisão do STJ obriga policial a gravar em áudio e vídeo autorização do morador para entrar numa casa

Foro de Teresina #140: A variante Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Na piauí_174

A capa e os destaques da edição de março

Luz no Fim da Quarentena: A melhor vacina

A vacina da Pfizer tem aprovação definitiva da Anvisa e os melhores resultados em campanhas de vacinação ao redor do mundo; o que falta para ser aplicada no Brasil?

Depois da festa, o pior da Covid

Rio Grande do Sul vive momento mais grave da pandemia, com mais jovens internados e a chegada da variante P.1; hospital aluga contêiner para corpos

Mais textos
1

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

3

Greve de PMs no Rio faz violência despencar 40%

UPP - Com um efetivo menor de policiais militares nas ruas do Rio de Janeiro, os índices de criminalidade despencaram. Foram registradas quedas expressivas de interceptação truculenta de meliante sem camisa (65%), tapas na cara de playboy da Zona Sul (44%) e sacode em camelô (39%). Padarias e bares comemoraram a brusca diminuição do número de viaturas exigindo arrego. O comércio paralelo de cafezinhos caiu 87%. "A greve da PM é um passo importantíssimo para o processo de pacificação da cidade", explicou José Mariano Beltrame.

4

Duelo na selva

Os ingleses se preparam para ir a Manaus

5

STF afasta Nacional-URU e Corinthians volta à Libertadores

ARENA BRASÍLIA - Após suspender o mandato do deputado Eduardo Cunha, o plenário do STF iniciou o julgamento de novos casos.

6

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

7

Em protesto contra Feliciano, Lula divulga foto beijando o espelho

ID - Ávido por se reconciliar com sua porção militante, enrustida desde que assumiu o poder em 2003, o ex-presidente em exercício Luiz Inácio da Silva postou no instagram uma foto contra o pastor Marco Feliciano. "Nunca antes na história deste país um presidente emérito havia beijado um trabalhador nordestino de origem pobre na boca", escreveu. Em seguida, associou o beijo na boca ao sucesso de seu governo e disse que ele é o pai do smak!

9

Seymour Hersh e o massacre de My Lai

Em 1969, a Guerra do Vietnã se arrastava por 14 anos e ainda contava com o apoio da maioria dos americanos. Naquele ano, o jornalista Seymour Hersh recebeu de uma fonte sigilosa a informação de que um oficial do exército americano seria julgado como responsável pelo massacre de civis em uma aldeia no Vietnã.

10

O candidato enjaulado

Há três décadas, um macaco disputou eleições em um Brasil conflagrado – poderia ser hoje