questões das urnas

Eleito, Witzel agradece aos mensageiros de WhatsApp

Em discurso após a vitória no Rio, ex-juiz se disse grato a quem "passou a noite" enviando conteúdo a favor dele e chamou críticas de fake news

Allan de Abreu
29out2018_00h45
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

Governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson José Witzel, do PSC, agradeceu “a quem ficou a noite inteira no WhatsApp, tentando convencer as pessoas” em discurso para cerca de 2 mil apoiadores na noite deste domingo, no Centro de Convenções Ribalta, na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade.

O aplicativo WhatsApp ficou marcado nestas eleições por ser a principal ferramenta de difusão de fake news, com denúncias direcionadas principalmente à campanha do presidente eleito Jair Bolsonaro, do PSL, a quem o ex-juiz federal Witzel colou sua imagem durante a campanha. O governador eleito, por sua vez, associou fake news a reportagens críticas a ele – como as que foram publicadas nas últimas semanas, mostrando sua relação com o ex-advogado do traficante “Nem da Rocinha”, e a que trazia trecho de uma palestra em que Witzel explica meios de burlar a Justiça e garantir gratificação no salário. “O que tentaram fazer com o meu passado ninguém apaga, mas o povo não é burro”, disse, sob aplausos e gritos de “bota na cadeia!” O ex-juiz aproveitou para atacar os institutos de pesquisa, que nos últimos dias apontaram uma diminuição nos percentuais de intenção de voto no candidato. “As ‘fake news’ e as ‘fake pesquisas’ não podem mais continuar.”

Minutos antes, em entrevista coletiva no Hotel Ribalta, contíguo ao centro de convenções, Witzel, que venceu com 59,9% dos votos válidos contra 40,1% de Eduardo Paes, do DEM, ressaltou as “preocupações” dos eleitores do interior e da Baixada Fluminense, que lhe deu a vitória nas urnas, já que na capital o candidato do PSC foi derrotado por Paes por 51,7% a 48,3%. “Os municípios do interior estão abandonados, com graves problemas na segurança, e os da Baixada com hospitais superlotados. Isso se revelou no desejo de mudança expresso nas urnas”, afirmou, no discurso, ao lado da mulher, Helena, e do vice, Cláudio Castro, também do PSC. Entre os presentes no Ribalta estavam o ex-prefeito de Nova Iguaçu, Nelson Bornier, do Pros, aliado de Witzel.

O ex-juiz disse que sua prioridade à frente do governo será sair do regime de recuperação fiscal, assinado pelo atual governador Luiz Fernando Pezão, do MDB, no ano passado. “É uma proposta muito ruim, com juros altos, aumento de impostos e demissão de servidores”, disse. Para combater a forte crise fiscal do estado, Witzel defendeu a necessidade de abertura econômica para o capital estrangeiro.

Durante a entrevista, o governador eleito não repetiu suas propostas mais polêmicas na segurança pública, como a autorização para que as polícias atirem em quem esteja portando armas nas comunidades dominadas pelo narcotráfico. Disse apenas que pretende ampliar o conselho de segurança pública já existente, com a participação da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Forças Armadas. Por fim, defendeu um secretariado com perfil técnico. “Não tenho compromissos com o partido. Tenho com o povo.”

Apesar de não estar no centro de convenções, a família Bolsonaro era onipresente no evento. Um banner gigante no palco trazia a imagem do ex-juiz ao lado de Bolsonaro e do filho Flávio. As luzes no ambiente eram verde e amarelas, cores associadas ao bolsonarismo, e a maioria da plateia trajava camisetas amarelas ou pretas com frases de apoio a Bolsonaro – em uma delas, um fuzil na vertical formava o algarismo “1” do número do presidente eleito neste domingo, o 17. Witzel agradeceu o apoio de Flávio e de Rodrigo Amorim, deputado estadual mais votado do Rio, que estava ao lado do ex-juiz no palco.

Witzel disse aos jornalistas que Paes o telefonou logo após a confirmação da vitória do ex-magistrado. “Eu agradeci o gesto e o parabenizei pela disputa. Os eleitores dele precisam ser respeitados. Vou governar para todos.” Um pouco depois, já no palco, tão logo Witzel iniciou seu discurso um integrante da plateia gritou: “Vai pra cadeia, Eduardo Paes.” O ex-juiz apenas sorriu.

Naquele momento, Paes estava a cinco quilômetros de distância da festa no Ribalta, separados pela Lagoa de Jacarepaguá. Em hotel vizinho ao Parque Olímpico, o candidato do DEM creditou sua derrota ao desejo do “novo” e disse que vai trabalhar na iniciativa privada.

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela Record

Leia também

Relacionadas Últimas

As sentenças anuladas do juiz Witzel

Em 17 anos como magistrado, o candidato do PSC ao governo do Rio teve índice de decisões reformadas acima da média do maior tribunal federal do país e do colega Bretas

Witzel, do dígito solitário aos 3,1 milhões de votos

Ex-juiz federal adota discurso de Bolsonaro, quadruplica o eleitorado em uma semana e fica em primeiro na disputa pelo governo do Rio

Ritzel, Ritz, Wilten… Confirma

No Rio, maioria de eleitores do ex-juiz Witzel ouvidos pela piauí só soube da sua existência a dias ou horas de ir votar; Bolsonaro explica

A operação foi um sucesso

Como foi a invasão noturna do Bope na Maré que deixou cinco mortos e foi considerada exitosa pelas autoridades

Foro de Teresina #27: Bolsonaro cai no mundo real, a oposição junta os cacos e Doria recruta no governo Temer

O podcast de política da piauí discute os fatos da semana na política nacional

A rebelião do WhatsApp contra o Major Olímpio

Soldados virtuais que ajudaram a eleger o capitão Bolsonaro condenam proximidade do senador com João Doria

Bolsonaro-dependência

Oposição ao novo presidente joga sem pressa e no erro adversário

Fazendo a egípcia

Bolsonaro estremece relações comerciais com o mundo árabe e abala, sem querer, o negócio de escovas progressivas brasileiro

O Muro – sinal de alerta, ouvidos moucos

Documentário de 2017 discute premonitoriamente a polarização de posições políticas

Stan Lee explica por que “criou problemas” para os super-heróis

Assista a trechos da entrevista concedida em 1988 pelo criador de personagens da Marvel, morto nesta segunda

A lição de Josefa

A grande artesã deixa um conselho para os políticos: “Não há riqueza maior do que o nosso nome”

Mulher negra (não tão) presente

Representatividade de mulheres pretas e pardas, maioria da população brasileira, cresceu 38% nas eleições; participação dos homens brancos é 15 vezes maior do que a das mulheres negras

A democracia pode ser exceção

Nada garante que o regime seja inerentemente estável

Mais textos
1

O triunfo do bolsonarismo

Como os eleitores criaram o maior partido de extrema direita da história do país

2

A rebelião do WhatsApp contra o Major Olímpio

Soldados virtuais que ajudaram a eleger o capitão Bolsonaro condenam proximidade do senador com João Doria

3

A operação foi um sucesso

Como foi a invasão noturna do Bope na Maré que deixou cinco mortos e foi considerada exitosa pelas autoridades

4

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

5

Fazendo a egípcia

Bolsonaro estremece relações comerciais com o mundo árabe e abala, sem querer, o negócio de escovas progressivas brasileiro

6

Stan Lee explica por que “criou problemas” para os super-heróis

Assista a trechos da entrevista concedida em 1988 pelo criador de personagens da Marvel, morto nesta segunda

7

WhatsApp elege mas não governa

Outros Poderes explicam a Bolsonaro que preferem sua parte em dinheiro

8

Meus avós em ruínas

Por que não consigo me livrar do apartamento modernista que herdei há cinco anos?

10

Bolsonaro-dependência

Oposição ao novo presidente joga sem pressa e no erro adversário