=igualdades

Em 2020, Bolsonaro pagou o dobro de emendas parlamentares

Luigi Mazza, Camille Lichotti e Renata Buono
02nov2020_10h15

Até outubro deste ano, o governo Bolsonaro pagou R$ 17,4 bilhões em verbas para emendas do Congresso. Esse valor é mais que o dobro do que foi desembolsado pelo governo em 2019, durante o mesmo período – R$ 7,7 bilhões. Embora 2020 não tenha acabado, este já é o ano com maior volume de repasses em emendas parlamentares desde 2015, quando a execução de emendas individuais se tornou obrigatória. A pandemia do novo coronavírus forçou Bolsonaro a abrir o cofre, mas as emendas de combate à Covid-19 não explicam, sozinhas, o recorde de repasses.

Em 2020, o governo gastou R$ 2,4 bilhões em emendas parlamentares destinadas ao enfrentamento da emergência de saúde pública – o que representa apenas 14% do total de verbas. As emendas, propostas por congressistas, bancadas ou relatores, servem para redirecionar dinheiro público para ações específicas. Tradicionalmente, esses recursos são usados para atender a demandas eleitorais dos parlamentares e podem servir como instrumento de barganha política, já que a aprovação das emendas depende do governo.

No fim de 2019, primeiro ano de governo Bolsonaro, o Congresso Nacional promulgou uma Emenda Constitucional que permite a transferência direta do dinheiro de emendas parlamentares para estados e municípios. Desde então, os parlamentares podem repassar o dinheiro diretamente para o Fundo de Participação dos Estados e dos Municípios de duas formas: com finalidade específica ou sem definir como o valor será utilizado – decisão que fica a critério dos prefeitos e governadores.

Fonte: Senado Federal.



Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí

Camille Lichotti (siga @camillelichotti no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas

“Por 25 reais, fico na fila e marco o exame que precisar”

Para driblar a fome na pandemia, faxineira baiana passa a noite diante de central de regulação e agenda procedimentos 

Polícias do Rio precisam de intervenção federal

Para especialistas, chacina no Jacarezinho mostra que, nas forças policiais fluminenses, comportamento disfuncional virou característica institucional

Mata primeiro, investiga depois

Presença da Polícia Civil fluminense em operações com morte é mais que o dobro do que em outros estados

No consultório do doutor Google, um país sufocado pela Covid

Brasil é um dos cinco países do mundo que mais buscam por “falta de ar”; nunca os brasileiros pesquisaram tanto sobre ansiedade

Mais textos