=igualdades

Em 2020, polícia do Rio matou 23% a mais do que a polícia norte-americana

Hellen Guimarães e Renata Buono
12fev2021_18h02

Num ano marcado por casos como o de George Floyd e a discussão sobre racismo e abusos em abordagens policiais nos Estados Unidos, a polícia do Rio matou 23% a mais que a norte-americana. Foram 1.239 mortos por policiais no estado brasileiro ante 1.004 nos EUA. Os números saltam ainda mais aos olhos quando se analisa a diferença entre o tamanho das populações: a estadunidense é 19 vezes maior que a do Rio.

A letalidade policial fluminense é alta e não é de hoje. Nos últimos 5 anos, a polícia do Rio matou, em média, 340 pessoas a mais por ano que a dos EUA. Foram 6.639 mortos de 2016 a 2020 no Rio, uma média de 1.328 vítimas por ano. Nos EUA, foram 4.940 no período, uma média de 988 por ano.

Fontes: The Washington Post, Instituto de Segurança Pública (ISP) e United States Census Bureau



Hellen Guimarães

Repórter da piauí. Trabalhou em O Globo, Extra, Época e Agência Lupa

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas

Queridos, encolhi o país

Brasil piorou em PIB, renda per capita, indicadores de saúde e educação

Passou a boiada e agora chama a polícia

Bolsonaro desmonta sistema de fiscalização ambiental e, pressionado por Biden, diz que Força Nacional vai combater desmatamento

A cada 15 minutos, um Henry pede socorro

Serviços de saúde atendem por ano quase 33 mil crianças de até 9 anos com sinais de violência física, sexual ou psicológica; em cada quatro agressões, três acontecem dentro de casa

Temas recorrentes, tragédias perenes

A Última Floresta documenta, com olhar antropológico, aldeia na terra Yanomami

É praia, é piscina, é viagem oficial!

As equipes precursoras de Bolsonaro aumentam o número de dias das viagens e aproveitam para fazer turismo às custas do dinheiro público

Sem clima pra boiada

Conferência de chefes de Estado quer metas concretas de redução do desmatamento ilegal; estratégia bolsonarista atropela acordos com Biden

Mais textos