colunistas

Entre a decepção e o medo de errar

O que dizem as eleitoras pobres de Bolsonaro

Elvira Lobato
05out2018_09h51

Não foi difícil encontrar mulheres pobres no Rio de Janeiro decididas a votar em Jair Bolsonaro, embora não alardeiem sua opção aos quatro ventos. Na última terça-feira, diante do crescimento do candidato junto ao eleitorado feminino apontado nas pesquisas de intenção de voto, cruzei o Túnel Rebouças que separa as zonas Sul (onde vive a maior parte da elite econômica e cultural da cidade) e Norte, no intuito de entender a motivação delas.

A Zona Norte tem a maior população residente em favelas na cidade do Rio de Janeiro. É lá que estão os complexos da Maré e do Alemão. Segundo dados da prefeitura, a região concentra 2,4 milhões de habitantes, dos quais 654,7 mil vivem em favelas. Até uma semana atrás, os analistas políticos traçavam um perfil elitista para as eleitoras de Bolsonaro, mas o diagnóstico foi atropelado pelas recentes pesquisas, que mostraram um crescimento dele também entre as eleitoras de classe média e de baixa renda.

Conversei com mulheres nos bairros do Andaraí, Engenho Novo, Méier, Todos os Santos, Água Santa e Encantado. São bairros antigos, com forte influência de imigrantes portugueses e casario com imagens de santos na fachada. Mas a decadência econômica é evidente pela quantidade de lojas fechadas, de imóveis à venda e de prédios pichados. Concluí minha pesquisa no Mercadão de Madureira, o maior shopping popular da cidade. São 580 pequenas lojas onde se pode comprar desde vestimentas, objetos e animais vivos para rituais religiosos a produtos para festas, armarinhos, brinquedos, panelas, e uma vasta gama de alimentos. Cerca de 100 mil pessoas passam diariamente por lá.

A dona de casa Mônica Lima, de 45 anos, se define como de classe média. Ela tem filhos de 22 e 15 anos, e vive com o marido, gerente de posto de gasolina, em uma casa simples, mas confortável, nas imediações do morro do Andaraí. Eram 9 horas quando ela me recebeu. Como em tantas outras manhãs, acordou naquele dia sob o barulho de intenso tiroteio no morro dos Macacos, no bairro vizinho de Vila Isabel. No final da semana anterior, um jovem tinha sido espancado em frente a uma igreja próxima da casa dela, pelo simples fato de morar no morro dos Macacos e ter ousado ir ao do Andaraí. Os dois morros são controlados por facções de tráfico inimigas.

Mas a segurança não é o principal motivo apontado por ela para ter escolhido Bolsonaro. Disse identificar-se com as posições defendidas pelo candidato, como a que diz respeito aos homossexuais: “Ele não é homofóbico. O comportamento dos gays e lésbicas está muito exagerado. Nem os casais hétero se expõem em público como eles.” Ela disse defender os “valores tradicionais da família” e contou, com orgulho, que o filho lhe pede a benção e lhe beija a mão todos os dias.

“Bolsonaro é grosso e não mede palavras, mas é o único dos candidatos a presidente que parece ser verdadeiro. Diz na lata o que as pessoas falam às escondidas. Sou como ele. Também falo o que penso”, afirmou. Mônica é da Umbanda e frequenta a Tenda Espírita Filhos de Iemanjá, onde, segundo ela, a votação está dividida.

No Engenho Novo, abordei Tânia Elizabete Rodrigues (na foto, abaixo), de 53 anos, que empurrava um carrinho de madeira abarrotado de garrafas vazias e de outras peças de vidro, plástico, alumínio e de ferro que recolhera pelas ruas. Vestia uma saia longa com estampa de oncinha que demonstrava seu cuidado com o visual. Disse ter concluído o ensino médio e ter uma renda mensal entre 1 500 reais e 1 800 reais, com a venda de produtos para reciclagem e com faxinas em uma casa de família. Mora no morro do Encontro, no complexo de favelas do bairro de Lins de Vasconcelos, entre o Engenho Novo e o Méier.

“Fui eleitora do Lula, da Dilma e do Leonel Brizola. Agora penso em votar no Bolsonaro. Não gosto do jeito dele, mas meus amigos [da reciclagem] me mandaram votar nele. Estou preocupada porque votei no Crivella para prefeito, e veja no que deu! Meu voto de coração será para a candidata a deputada federal Flordelis [do PSD], porque é uma mulher corajosa, que cria 55 filhos adotivos.”

No bairro do Encantado, conheci a dura realidade de Gláucia Cunha que, aos 29 anos, é mãe de uma adolescente de 15 anos e de mais três filhos. O menor tem 6 meses de idade. A família mora em uma cabeça de porco (ou cortiço) nas imediações da favela Beco do Vitorino. Era uma casa antiga com quintal, e cada cômodo foi ocupado por uma família diferente. O acesso às habitações se dá por um portão alto, e quem passa pela rua não imagina o que ocorre lá dentro. Um corredor, com esgoto à mostra, leva até a casa de Gláucia. Como fazia calor, as portas estavam abertas, expondo a pobreza de cada família.

O marido de Gláucia é técnico de instalação de cabos de fibra óptica e trabalha em uma empresa terceirizada que presta serviços às companhias provedoras de internet e de tevê por assinatura. O casal está dividido sobre a eleição. Ele tenta convencê-la a votar em Bolsonaro, e ela quer anular o voto. “O conceito dele [Bolsonaro] de combater a criminalidade me agrada”, diz o marido. “Ele esculacha as mulheres. Não quero saber dele”, responde Gláucia, enquanto amamenta o bebê. Desde sua primeira eleição, em 2006, será a primeira vez que não votará no PT para a Presidência da República. Diz que ficou decepcionada com o envolvimento do partido com a corrupção. Gláucia também concluiu o ensino médio. Não tem outro trabalho, além do doméstico, e recebe ajuda do Bolsa Família.

 

A técnica de enfermagem Weslene Nunes Miguel, de 44 anos, casada e com dois filhos, moradora do Encantado, não acredita que Bolsonaro tenha ofendido as mulheres da forma como foi divulgado pela mídia. Sobre as agressões verbais do candidato à deputada federal e ex-ministra Maria do Rosário, do PT, ela afirmou: “Eu acho que ele não disse aquilo tudo, mas, se disse, Deus tocou o pensamento dele. É uma pessoa melhor hoje, e não é comprometido com corrupção. Meu foco é não ter envolvimento com corrupção”, disse ela.

“Ciro Gomes tem resposta para tudo. Geraldo Alckmin é do PSDB, que tem ligação com bandidos. Não quero sofrer de novo com o PT. Então, tenho que ir com Bolsonaro. As pessoas que o criticam estão equivocadas. Ele tem bons projetos e, se não cumprir o que prometeu, iremos para a rua cobrar dele”, acrescentou Weslene.

Ela estava na companhia da cabeleireira Débora Santana Pereira, de 32 anos, casada, um filho adolescente, moradora do morro do Dezoito, em Água Santa, onde as duas fazem trabalho social. O marido de Débora trabalha sem carteira assinada no reflorestamento das encostas devastadas do morro e é remunerado pela Prefeitura do Rio, mas não tem vínculo empregatício. Ela disse que o PT teve treze anos no poder e chance suficiente para consertar a economia.

“Devo ser a única de 1 milhão de pobres que o Lula não tirou da miséria. Fiz curso de técnica de enfermagem e não consegui trabalho. Sou cabeleireira sem carteira assinada. Então, sou desempregada. Eu e meu marido estamos na lista suja do Serasa e não temos plano de saúde. Não podemos nem ficar doentes.”

Ela disse que a escolha por Bolsonaro não tem relação com a falta de segurança. “Quem mora no morro está seguro lá. A segurança é problema para quem mora na pista [no asfalto]. Minhas prioridades são emprego, saúde, educação e combate à corrupção.”

 

Conversei com dezoito mulheres que trabalham como vendedoras ou são proprietárias de lojas no Mercadão de Madureira. Entre as eleitoras de Bolsonaro, ficou evidente que as de classe média priorizam a questão da segurança, enquanto as de menor renda associaram a escolha à esperança de que ele possa melhorar a economia e diminuir a corrupção.

As favoráveis à anulação não se identificam com nenhum dos candidatos ou avaliam que votaram errado nas últimas eleições – sobretudo no atual prefeito do Rio, Marcelo Crivella – e temem incorrer no mesmo erro. As vendedoras Bianca Cardoso, de 28 anos, e Gisele Ribeiro, de 36, pretendem anular o voto. “Não quero me sentir responsável pelos erros do futuro presidente”, resumiu Gisele.

Elvira Lobato

Elvira Lobato

Elvira Lobato é jornalista e publicou os livros Instinto de Repórter, pela Publifolha, e Antenas da Floresta, pela Objetiva

Mais textos de Elvira Lobato

Os mascates do Rio

A periferia sem crédito mantém a tradição do vendedor de porta em porta

Lula e o eleitor do agreste

Trabalhadores rurais de Alagoas entendem que ele se envolveu com corrupção, mas não deve ser punido diante da “lama geral”

O universo de Marcelo

Um dos 4,8 milhões de desalentados do país, motorista vê seu mundo encolher ao perder o emprego

No sofá, com a crise

Desempregados passam a lavar carros em ruas do Rio e serviço conta até com sofá para os clientes. Um deles pergunta: “Prefere que eu assalte?”

Brasil, o grande Maranhão

A eleição e o papel das emissoras de tevê no interior do país durante a campanha

Vai uma quentinha aí?

Com a crise econômica, um desempregado alimenta o outro, literalmente

O neófito

As ambições e hesitações do quase-candidato Luciano Huck