Igualdades

Epidemia de prisões

Luigi Mazza e Renata Buono
10jun2019_08h05

Em 1990, um a cada 1.666 brasileiros estava preso. Hoje, essa proporção é de um a cada 292. Em menos de trinta anos, a população carcerária do Brasil se multiplicou por oito, impulsionada, em parte, por um aumento significativo nas prisões por tráfico de drogas – que se equiparou ao roubo como crime mais comum nas cadeias brasileiras. Sobram presos, faltam presídios e condições adequadas: para cada vaga do sistema penal, há quase dois presos.

Em abril deste ano, havia mais de 715 mil presos no Brasil, segundo levantamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Isso é três vezes o efetivo do Exército Brasileiro atualmente na ativa.

Para cada pessoa matriculada em cursos de graduação em medicina no Brasil, há quase cinco presidiários

Um em cada três presos no Brasil ainda aguarda julgamento – ou seja, é preso provisório. Há duas vezes mais presos nessa condição (246,2 mil) do que alunos matriculados em cursos de doutorado no Brasil (114,9 mil).



A taxa de encarceramento no Brasil é duas vezes maior que no México: enquanto um a cada 292 brasileiros está preso, um a cada 604 mexicanos está na mesma condição.

Dez anos atrás, os crimes de roubo eram a principal causa de prisões no Brasil. Para cada pessoa presa por tráfico de drogas, havia duas presas por roubo. Hoje, a proporção é de um para um. Isso porque, na última década, o número de presos por tráfico de drogas mais que dobrou: passou de 63,2 mil em 2007 para 156,6 mil em 2016.

A população carcerária do estado de São Paulo (237,1 mil) é três vezes maior que a da Argentina (76,2 mil), embora a população total de paulistas seja igual à de argentinos.

Para cada vaga em estabelecimentos penais no Brasil, há quase dois presos. Em Pernambuco, estado com a maior taxa de superlotação, há três presos para cada vaga.

A probabilidade de encontrar alguém contaminado pelo vírus HIV em presídios é três vezes maior que fora deles.

Fontes: Conselho Nacional de Justiça (CNJ); Ministério da Defesa; Ministério da Educação; Departamento Penitenciário Nacional (Depen); Instituto Nacional de Estadística y Geografía (Inegi); Sistema Argentino de Información Juridica (SAIJ); Ministério da Saúde.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Vacina em causa própria

Veterinário que comanda o Departamento de Imunização do Ministério da Saúde inclui a própria categoria na fila prioritária de vacinação contra a Covid-19

A epidemia particular das prisões

No Brasil, suicídios são quatro vezes mais comuns nas cadeias do que fora delas; famílias de presos lutam para que Estado se responsabilize pelas mortes

Pesadelo em Manaus

Mais trinta mil mortos pela Covid em apenas trinta dias. Quem é o responsável por essa tragédia?

A Floresta do Camboatá resiste

Depois de quase virar um autódromo, última área plana de Mata Atlântica no Rio pode se transformar em Unidade de Conservação

O dilema do impeachment

Especialistas divergem sobre possibilidade legal de Trump ser condenado após terminar o mandato; no fim, decisão deve ser política

A guerra da soja

Ao responsabilizar a produção de soja pelo desmatamento da Amazônia, presidente Emmanuel Macron optou por uma mentira conveniente

A gastança amazônica dos militares

Na virada do ano, Ministério da Defesa comprou satélite de 179 milhões de reais e fechou 2020 gastando o triplo dos órgãos ambientais para monitorar a floresta

Mais textos
1

Romário convoca CPI para investigar a cor do cabelo de Marin

BARRACA DO PEPÊ - Decidido a colocar em pratos limpos tudo que acontece na CBF, o deputado federal Romário recolheu assinaturas para uma CPI que investigará a cor do cabelo do presidente da entidade. "Se o Marin está diante de um fundo azul, o cabelo fica acaju. Se o fundo é branco, fica tudo meio esverdeado", desconfiou o craque, enquanto fazia aquecimento para uma partida de futevôlei com Aécio Neves.

2

Uma família de poder

A imagem reproduzida nesta página não é uma foto de família, apesar de representar quatro gerações de uma mesma família. Não foi feita para ser vista apenas por seus membros mas por um público amplo e não serviu para lembrar uma reunião de parentes, mas para passar uma clara mensagem política: a perenidade da dinastia reinante sobre a Inglaterra, então a nação mais poderosa do mundo. Tirada em 1899, às vésperas do novo século que prenunciava uma nova era, mostra a Rainha Vitória, então muito mais soberana do mundo que simplesmente rainha da Inglaterra, cujo reinado completara 62 anos, cercada por seu filho e herdeiro, o futuro Edward VII, seu neto, o futuro George V e seu bisneto, o futuro Edward VIII, cujo reinado, por oposição à sua bisavó, bateria o recorde de brevidade (apenas dez meses em 1936).

3

Após esfaquear Bolsonaro, agressor disse cumprir “ordem de Deus”

Policiais Federais que prenderam Adelio Bispo de Oliveira em Juiz de Fora imediatamente após o atentado afirmaram duvidar de sua “integridade psicológica”

4

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

5

A planta inteligente

Cientistas debatem um novo modo de entender a flora

6

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

7

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

10

Mentalizar pinos

Repetir uma série de movimentos antes de cada arremesso pode ser fundamental ao boliche