Igualdades

Epidemias diferentes numa mesma pandemia

Camille Lichotti, Plínio Lopes e Renata Buono
23mar2020_13h18

A pandemia do novo coronavírus continua testando os governos de todas as partes do mundo. Pelo menos 340 mil pessoas foram infectadas e 14,7 mil morreram até esta segunda-feira (23). Enquanto alguns países optam por um modelo mais restritivo para combater o vírus – fechamentos de províncias inteiras e acompanhamento de todas as pessoas que tiveram contato com os casos –, outros optam pelo isolamento social e pela testagem apenas de casos graves. O =igualdades desta semana mostra as diferentes estratégias adotadas pelos países no combate ao coronavírus durante a epidemia.

A China teve 81 mil casos do novo coronavírus e 3,2 mil mortes –  mortalidade de 4% – em 60 dias, desde o primeiro caso de transmissão comunitária até sexta-feira (20). Na Itália, são 47 mil casos e 4 mil mortes – taxa de 8,5% – em 28 dias desde 20 de fevereiro (primeiro caso de transmissão comunitária) até 20 de março. 

A China optou por uma estratégia de supressão: casos suspeitos já eram separados da família e isolados em unidades próprias, separados por idade e sexo. A Itália usou inicialmente a estratégia de mitigação: casos suspeitos ficavam em quarentena doméstica, sob o mesmo teto que o resto da família.

Um aspecto que ajuda a entender a diferença na letalidade da Covid-19 na China e na Itália é a composição etária da população. Na Itália, 23 a cada 100 habitantes têm mais de 65 anos; na China, são 11 a cada 100. Nos dois países, idosos são vítimas mais frequentes da doença, mas, na Itália, frente à falta de respiradores artificiais, a prioridade foi dada aos mais jovens. Na China, 51% dos mortos por Covid-19 têm mais de 70 anos. Na Itália, 86% dos mortos pela doença têm mais de 70 anos.



Na China, no grupo de pacientes de mais de 70 anos infectados pelo coronavírus, 9,8% morreram. Na Itália, entre os pacientes com mais de 70 anos, 19% morreram.

Testar em massa foi a principal recomendação da Organização Mundial da Saúde para dimensionar o avanço do vírus e conter a transmissão. Coreia do Sul e Estados Unidos registraram o primeiro caso confirmado no dia 20 de janeiro. Nas sete semanas seguintes, até dia 08 de março, o país asiático realizou 188.518 testes3.651 por milhão de habitantes –, e os EUA, 13.515 testes – apenas 41 por milhão. Ou seja: a Coreia do Sul fez 89 vezes mais testes,  proporcionalmente à população, do que os EUA.

Em 8 de março, 48º dia da epidemia nos dois países, a Coreia do Sul registrou 367 novos casos, enquanto os Estados Unidos, apenas 76. Passados doze dias, a Coreia do Sul controlou o ritmo da doença e confirmou apenas 87 casos novos em 20 de março. Já os EUA registraram, na mesma data, 5.315 casos novos.

A Coreia do Sul realizou 5.946 testes para cada 1 milhão de habitantes, do início da epidemia até 19 de março. A Itália fez 3.423 testes até a mesma data. Já o Japão, às vésperas das Olimpíadas, tem realizado poucos testes: 117 para cada 1 milhão de habitantes. 

 

FontesThe COVID Tracking Project; Centers for Disease Control and Prevention; Korea Centers for Disease Control and Prevention; Ministério da Saúde do Japão; Ministério da Saúde da Itália; Banco Mundial; Universidade John Hopkins.

             

Camille Lichotti (siga @camillelichotti no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Plínio Lopes (siga @Plluis no Twitter)

Repórter freelancer, trabalhou na Agência Lupa e é especializado em jornalismo de dados e fact-checking

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Estupro não é sobre desejo, é sobre poder

Em 70% das ocorrências de violência sexual no Brasil em 2019, vítimas eram crianças ou pessoas incapazes de consentir ou resistir - como na acusação contra Robinho na Itália

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Do Einstein para o SUS: a rota letal da covid-19

Epidemia se espalha para a periferia de São Paulo justamente quando paulistanos começam a abandonar isolamento social

8

Assista a um trecho da mesa com Nikil Saval no Festival Piauí de Jornalismo

Nikil Saval é editor e membro da mesa diretora da revista literária n+1, revista de literatura, cultura e política, publicada em versão impressa três vezes ao ano.
Saval esteve em novembro no Festival Piauí de Jornalismo e conversou com os jornalistas Fernando de Barros e Silva e Flávio Pinheiro. 

9

Histórias da Rússia

Uma viagem pelo país da revolução bolchevique, cem anos depois

10

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia