anais das redes

Exclusão de perfil irregular no WhatsApp não bloqueia rede de desinformação

Mesmo que aplicativo suspenda contas com acesso indevido a bases de usuários, grupos continuam ativos

Marcella Ramos
20out2018_01h58
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

O WhatsApp enviou notificação extrajudicial nesta sexta-feira a quatro agências que fazem o serviço de “disparo em massa” de mensagens, e bloqueou contas ligadas a elas. O objetivo é coibir a propagação de desinformação e o compartilhamento de conteúdo com números retirados de bases de dados comercializadas e não de uma agenda de contatos pessoal, o que fere as regras do aplicativo. Mas, como a empresa explicou à piauí, a suspensão desses perfis não tem efeito sob os grupos criados por eles. Os círculos que foram feitos ou ampliados irregularmente por perfis relacionados a essas agências continuarão funcionando sem interferência, o que reduz o impacto dos bloqueios contra a rede de disseminação indevida de conteúdo.

Na tarde desta sexta-feira, o senador eleito pelo PSL, Flávio Bolsonaro, postou no Twitter que havia sido suspenso do WhatsApp. “Banido do nada”, escreveu, “com milhares de grupos”. Em resposta ao tuíte do filho mais velho de Jair Bolsonaro, o WhatsApp explicou que ele foi suspenso – na verdade, entre 11 e 14 de outubro – por suspeita de divulgar spam, quando uma mesma mensagem é enviada repetidas vezes num curto espaço de tempo. Durante a suspensão, seguindo a mesma lógica dos perfis das agências de divulgação de mensagens em massa, os grupos dos quais Flavio participava, ou que tenha criado para reunir apoiadores, não sofreram impacto. É um exemplo do efeito reduzido desse tipo de bloqueio. A rede social também baniu, ainda no primeiro turno, a conta Dilmazap, da campanha de Dilma Rousseff para o Senado, também por suspeita de spam.

Flávio Bolsonaro, depois de entrar em contato com a empresa, recuperou seu antigo perfil no WhatsApp ainda no dia 14, mas só divulgou o bloqueio nesta sexta-feira, 19. Isso, um dia depois de a Folha de S.Paulo publicar reportagem sobre empresários que bancariam campanha de Jair Bolsonaro pelo WhatsApp contra o PT, sem ter declarado a contratação de um serviço como esse à Justiça Eleitoral. O presidenciável negou o conteúdo da reportagem na noite de quinta-feira, em uma transmissão pelo Facebook. “Eles publicaram matéria dizendo que empresários bancam campanha contra o PT, me acusam de estar fomentando isso junto ao empresariado, mas não temos necessidade disso”, declarou o candidato, e fez acusações contra o rival, Fernando Haddad.

Um dia antes da publicação da reportagem, o vice-presidente do WhatsApp, Chris Daniels, publicou um artigo na Folha de S.Paulo no qual abordou as medidas que a empresa toma para tornar o ambiente mais seguro. O primeiro ponto levantado por Daniels é o fato de estarem removendo “centenas de milhares de contas por spam”. Ele diz que “com avanços em tecnologia, nós agora podemos encontrar mais facilmente pessoas mal-intencionadas antes que elas compartilhem spam e notícias falsas”. Como as mensagens são criptografadas, a empresa não tem acesso ao conteúdo que está sendo veiculado, mas tem ferramentas para identificar atividades suspeitas.

Desde 2016, grupos de WhatsApp podem ter até 256 participantes. Antes, eram 100 pessoas por conversa. Em agosto deste ano, o aplicativo passou a limitar para 20 o números de vezes que uma pessoa pode encaminhar um conteúdo simultaneamente. Anteriormente o limite era de 256 encaminhamentos. Na semana passada, em 12 de outubro, Bolsonaro disse que pretende tomar medidas para que volte a ser permitido enviar textos, fotos e vídeos para mais de 200 conversas de uma vez só. “Quem não ficou chateado quando o WhatsApp aqui, dizendo que era para combater crime de ódio, em vez de você passar 200 mensagens passou para 20? Vamos lutar para que volte ao que era antes”, disse.

Depois da reportagem da Folha, eleitores de Bolsonaro passaram a afirmar que os compartilhamentos de conteúdo sobre a campanha do candidato do PSL são espontâneos. Em grupos de WhatsApp de apoiadores, circula uma corrente que convida os usuários a cancelarem suas assinaturas de jornais, acompanhada da hashtag #MarqueteirosdoJair.

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Repórter e coordenadora de checagem da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Nunca fui santa

Às vésperas da canonização de Irmã Dulce, quase 80% dos santos reconhecidos pela Igreja Católica ainda são homens

Cabeças a prêmio – naufrágio do cinema

Por idiossincrasia de Bolsonaro, mas também por nossa incapacidade de reformular a Ancine, estamos por afundar

Os podcasts que eles ouvem

Quais os programas queridinhos dos participantes do evento

Fogo na Amazônia apaga o Sol no Sul

Fumaça de queimadas combinadas em Rondônia, Bolívia e Paraguai cobre o Sol no norte do Paraná, a mais de 2 mil km de distância

Maria Vai Com as Outras #1: Poder

A prefeita Márcia Lucena e a delegada Cristiana Bento contam como exercem o poder em profissões quase sempre ocupadas por homens

Foro de Teresina especial: aguarde

O programa, que contou com a participação da jornalista Maria Cristina Fernandes, foi gravado ao vivo durante o evento que reuniu os melhores podcasters do país

Entre gargalhadas, cotidiano e estratégia: os podcasts de humor

Linguagem politicamente incorreta e medo da repetição estão entre as preocupações dos realizadores 

Em podcasts jornalísticos, muito planejamento e pouco improviso

Produção diversificada e roteiro bem construído ajudam a resumir informação e análise

Mais textos
1

A vovó fashion

Uma influencer e seus looks ousados

2

Fogo na Amazônia apaga o Sol no Sul

Fumaça de queimadas combinadas em Rondônia, Bolívia e Paraguai cobre o Sol no norte do Paraná, a mais de 2 mil km de distância

3

A imprevidência chilena

Elogiado por Bolsonaro e Guedes, regime de capitalização implantado no Chile tem aposentadoria média inferior ao salário mínimo

4

Acordo de WhatsApp para manter Frota no PSL não resiste a canetada de Bolsonaro

Bancada selou em grupo de aplicativo permanência do deputado, que acabou expulso depois de criticar Eduardo; outros parlamentares devem ser enquadrados

5

Sem saúde nem plano

Por que os planos de saúde privados se tornam inviáveis a partir dos 60 anos e como algumas operadoras conseguem cobrar menos

6

Foro de Teresina #64: A fritura de Moro, a expulsão de Frota e o acordo de Itaipu

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

8

O pit bull do papai

Os tormentos e as brigas de Carlos Bolsonaro, o filho mais próximo do presidente

9

Operação zangão

O combate ao furto de abelhas no interior de Minas Gerais

10

A hora dos descontentes

Por medo da diversidade, o Leste Europeu deixou de ver o liberalismo como modelo