anais das redes

Exclusão de perfil irregular no WhatsApp não bloqueia rede de desinformação

Mesmo que aplicativo suspenda contas com acesso indevido a bases de usuários, grupos continuam ativos

Marcella Ramos
20out2018_01h58
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

O WhatsApp enviou notificação extrajudicial nesta sexta-feira a quatro agências que fazem o serviço de “disparo em massa” de mensagens, e bloqueou contas ligadas a elas. O objetivo é coibir a propagação de desinformação e o compartilhamento de conteúdo com números retirados de bases de dados comercializadas e não de uma agenda de contatos pessoal, o que fere as regras do aplicativo. Mas, como a empresa explicou à piauí, a suspensão desses perfis não tem efeito sob os grupos criados por eles. Os círculos que foram feitos ou ampliados irregularmente por perfis relacionados a essas agências continuarão funcionando sem interferência, o que reduz o impacto dos bloqueios contra a rede de disseminação indevida de conteúdo.

Na tarde desta sexta-feira, o senador eleito pelo PSL, Flávio Bolsonaro, postou no Twitter que havia sido suspenso do WhatsApp. “Banido do nada”, escreveu, “com milhares de grupos”. Em resposta ao tuíte do filho mais velho de Jair Bolsonaro, o WhatsApp explicou que ele foi suspenso – na verdade, entre 11 e 14 de outubro – por suspeita de divulgar spam, quando uma mesma mensagem é enviada repetidas vezes num curto espaço de tempo. Durante a suspensão, seguindo a mesma lógica dos perfis das agências de divulgação de mensagens em massa, os grupos dos quais Flavio participava, ou que tenha criado para reunir apoiadores, não sofreram impacto. É um exemplo do efeito reduzido desse tipo de bloqueio. A rede social também baniu, ainda no primeiro turno, a conta Dilmazap, da campanha de Dilma Rousseff para o Senado, também por suspeita de spam.

Flávio Bolsonaro, depois de entrar em contato com a empresa, recuperou seu antigo perfil no WhatsApp ainda no dia 14, mas só divulgou o bloqueio nesta sexta-feira, 19. Isso, um dia depois de a Folha de S.Paulo publicar reportagem sobre empresários que bancariam campanha de Jair Bolsonaro pelo WhatsApp contra o PT, sem ter declarado a contratação de um serviço como esse à Justiça Eleitoral. O presidenciável negou o conteúdo da reportagem na noite de quinta-feira, em uma transmissão pelo Facebook. “Eles publicaram matéria dizendo que empresários bancam campanha contra o PT, me acusam de estar fomentando isso junto ao empresariado, mas não temos necessidade disso”, declarou o candidato, e fez acusações contra o rival, Fernando Haddad.

Um dia antes da publicação da reportagem, o vice-presidente do WhatsApp, Chris Daniels, publicou um artigo na Folha de S.Paulo no qual abordou as medidas que a empresa toma para tornar o ambiente mais seguro. O primeiro ponto levantado por Daniels é o fato de estarem removendo “centenas de milhares de contas por spam”. Ele diz que “com avanços em tecnologia, nós agora podemos encontrar mais facilmente pessoas mal-intencionadas antes que elas compartilhem spam e notícias falsas”. Como as mensagens são criptografadas, a empresa não tem acesso ao conteúdo que está sendo veiculado, mas tem ferramentas para identificar atividades suspeitas.



Desde 2016, grupos de WhatsApp podem ter até 256 participantes. Antes, eram 100 pessoas por conversa. Em agosto deste ano, o aplicativo passou a limitar para 20 o números de vezes que uma pessoa pode encaminhar um conteúdo simultaneamente. Anteriormente o limite era de 256 encaminhamentos. Na semana passada, em 12 de outubro, Bolsonaro disse que pretende tomar medidas para que volte a ser permitido enviar textos, fotos e vídeos para mais de 200 conversas de uma vez só. “Quem não ficou chateado quando o WhatsApp aqui, dizendo que era para combater crime de ódio, em vez de você passar 200 mensagens passou para 20? Vamos lutar para que volte ao que era antes”, disse.

Depois da reportagem da Folha, eleitores de Bolsonaro passaram a afirmar que os compartilhamentos de conteúdo sobre a campanha do candidato do PSL são espontâneos. Em grupos de WhatsApp de apoiadores, circula uma corrente que convida os usuários a cancelarem suas assinaturas de jornais, acompanhada da hashtag #MarqueteirosdoJair.

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Repórter e coordenadora de checagem da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Gatinhos que rugem e outros bichos

Na política e nos negócios, manada digital manipula incautos

Desespero e solidariedade em Manaus

Rapaz que perdeu três parentes para a Covid relata os dias em que lutou para que sua mãe pudesse ter oxigênio 

2020 – Deletar ou nunca esquecer?

Esquecimento apaga a avaliação de erros e responsabilidades; urgente é construir memorial em homenagem às vítimas

Desemprego e incerteza na vida após a Ford

Em Camaçari, na Bahia, fechamento da fábrica de carros impacta todo o mercado de trabalho – de motoristas de ônibus até babás

Bananofobia

Por que os Estados Unidos têm tanto medo de virar uma república de bananas?

Monitoramento à beira da explosão

Falhas nas tornozeleiras eletrônicas colocam em xeque o rastreamento de presos no Paraná

Mais textos
1

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

2

Pontes e perdas – carta do leitor

O engenheiro civil Ubirajara Ferreira da Silva, “autor do projeto básico da ponte Forte-Redinha”, em Natal, escreve dizendo-se surpreso com os comentários feitos no post publicado semana passada. Transcrevo a seguir a carta recebida, na qual o missivista explica as razões técnicas que levaram a ponte a ser construída na foz do rio Potenji, e reconhece a ocorrência indicada de “retenções de trânsito que afligem a população, sobretudo nas horas de pico”:

3

Planos de candidatos para alfabetizar adultos são vagos

País não cumpre meta acertada com a Unesco e analfabetos são 11,5 milhões – e 4,4% dos 147 milhões de eleitores

4

“Snowden foi um herói de nosso tempo”

A pedido de piauí, o historiador Perry Anderson – autor do artigo A pátria americana, publicado nesta edição de outubro – enviou os seguintes comentários a respeito das recentes revelações sobre a espionagem cibernética dos Estados Unidos.

“O fato de nenhum país ocidental ter ousado dar asilo a Snowden diz muito sobre a realidade da Pax Americana”

5

Sinfonia para os sem-orquestra

Uma Heróica sob medida para instrumentistas espalhados pelo mundo inteiro

9

Lula se oferece para suceder Mandela

COSTA DO SAUÍPE – Profundamente abatido com o falecimento de Nelson Mandela, Lula convocou a imprensa para anunciar que está preparado para preencher a lacuna deixada pelo líder sul-africano. "O companheiro Mandela fez muita coisa boa, disso ninguém duvida. Não lhe coube, contudo, vencer a inflação, estabilizar a economia, transpor as águas do São Francisco, criar o Bolsa Família, lutar contra a pobreza, tourear a mídia burguesa, estabelecer cotas nas universidades, descobrir o Pré-Sal e difundir o Luz Para Todos”, disse. “Diante disto, ponho-me à disposição da Humanidade para sucedê-lo", concluiu, já posando para a estátua.

10

Ricardo Aronovich & Eduardo Coutinho

A foto de Eduardo Coutinho publicada na piauí 82, deste mês, foi feita por Ricardo Aronovich, o que explica a qualidade excepcional do registro.

Não tendo sido possível identificar a autoria a tempo, porém, a revista saiu sem o devido crédito, e só hoje, graças à suspeita levantada pelo próprio Coutinho ao ver a foto impressa, chegou a confirmação por e-mail do Aronovich de que a foto é mesmo dele.