=igualdades

Feijoada incompleta para os cariocas

Luiza Ferraz e Renata Buono
15set2020_18h15

A feijoada, prato típico brasileiro, ficou mais salgada depois da pandemia do novo coronavírus. Isso porque a alta do preço dos alimentos também atingiu o principal ingrediente da receita: o feijão. Segundo dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), que monitora mensalmente o preço dos itens que compõem a cesta básica em 17 capitais brasileiras, o feijão teve aumento em todas elas entre agosto de 2019 e 2020. Em fevereiro, por exemplo, antes de a pandemia começar, se um carioca comprasse 100 reais em feijão, conseguiria levar para casa 21 quilos do cereal. Seis meses depois, em agosto, os mesmos cem reais só compravam 14 quilos. Nesse período, houve um aumento de 55% no preço. Além do Rio de Janeiro, as capitais em que o preço do produto mais cresceu desde o início do isolamento social foram: Curitiba (53,5%), Florianópolis (48,8%), Vitória (44,8%) e Porto Alegre (43,3). 

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o preço do feijão nas capitais se justifica. Isso porque de janeiro a agosto, o feijão preto, utilizado pela Dieese no monitoramento daquelas cidades, registrou uma variação de 28,92%. Divulgada na quarta-feira (9) pelo IBGE, a inflação oficial do país para agosto ficou em 0,24%. Ela é medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que se refere a famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos. A taxa é a mais alta para o mês desde 2016 e foi puxada, principalmente, pelo preço dos alimentos e da gasolina. O valor acumulado para o ano foi de 0,70%.

Luiza Ferraz (siga @lz_ferraz no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas Mais Lidas

Cercados pelas chamas

Uma família encurralada em casa por um incêndio no Cerrado

Roupa suja lavada a jato

Como lavajatistas e bolsonaristas se aproximaram, se afastaram, romperam ao longo do governo - e publicaram tudo nas redes

Foro de Teresina #118: O presidente no meio do fogo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

A mão que acende o fogo

Aquecimento global e desmatamento aumentam o material combustível para os incêndios, mas, sem ação de pessoas, o Pantanal e a Amazônia não queimariam assim

“O fogo acabou com tudo”

Líder indígena em Mato Grosso relata como as queimadas avançam sobre sua aldeia, destruindo casas, árvores, animais e memórias

Mais textos
2

R$ 0,46 no tanque dos outros

Agora, caminhoneiros grevistas usam WhatsApp para defender queda da gasolina, de Temer e da democracia

3

A vida e a morte de uma voz inconformada

Os últimos momentos de Marielle Franco, a vereadora do PSOL executada no meio da rua no Rio de Janeiro sob intervenção

5

Qu4tro figuras (e mais 2)

Agora só tem o Homem de Ferro em Blu-ray, a privada virou "poltrono", a moça penteia o bigode e Stálin está no armário

6

O barato de Hannah

Pela legalização da maconha, jovem americana se muda para Montevidéu

7

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde

8

O tom certo

Quatro meses depois de nos conhecermos, o Orlando sumiu. Em casa contei que a professora tinha falado que o Orlando não era culpado. O garoto é uma vítima, ela repetia nervosa, como todos nós

10

Vitória em Cristo

Com uma leitura singular da Bíblia, o pastor Silas Malafaia ataca feministas, homossexuais e esquerdistas enquanto prega que é dando muito que se recebe ainda mais