festival

Festival Piauí de Jornalismo – Quando a imprensa se torna o adversário

Editor-executivo do site da piauí e curador do Festival, José Roberto de Toledo comenta o tema desta edição

27ago2019_17h33

Em tempos de radicalização política e avanço do autoritarismo, o Festival Piauí de Jornalismo aborda a reação de governos e governantes contra o trabalho dos jornalistas ao redor do mundo.

Sob o mote “Quando a imprensa se torna o adversário”, repórteres e editores da Europa, Estados Unidos, Oriente Médio e América Latina vão relatar os obstáculos interpostos por agentes do Estado e explicar como, a despeito disso, eles apuram e publicam suas reportagens.

O grau de dificuldade enfrentado pelos jornalistas varia da falta de acesso às autoridades até a necessidade de se exilar para poderem trabalhar.

Os oito convidados formam assim um painel diversificado, que mostra o estado da liberdade de imprensa em países com governos de direita e de esquerda, em democracias liberais e em ditaduras sob guerra civil.

O Festival Piauí de Jornalismo acontecerá nos dias 5 e 6 de outubro, na Faap, em São Paulo.

A venda de ingressos começa em setembro.

 



Leia Também

Relacionadas Últimas

A relevância do trabalho de Jane Mayer para a imprensa americana

Chefe da sucursal da revista The New Yorker em Washington, ela foi pioneira na cobertura da Casa Branca

Piotr Pacewicz e a defesa dos direitos humanos na Polônia

No Festival ele vai falar de jornalismo investigativo e a imprensa durante dominação comunista no país

A sentença de prisão de Pelin Ünker por fazer jornalismo na Turquia

Repórter foi acusada de calúnia e difamação por publicar reportagens que citava ex-primeiro ministro

Beatriz Adrián e o desafio da cobertura política na Venezuela hoje

Repórter foi detida ao cobrir a tentativa de prisão de Juan Guaidó

Acompanhe a transmissão ao vivo da segunda Maratona Piauí CBN de Podcast

Encontro está sendo transmitido em áudio e em vídeo nos sites e redes sociais da piauí e da CBN

A história e os bastidores do Foro de Teresina

Apresentadores relembram início do programa, que completa um ano esta semana

Conteúdo patrocinado e anunciantes estão entre os principais modelos de financiamento

Diretor da CBN diz que programas em áudio são caminho para formar novos ouvintes

Interação com o público ajuda a ganhar e manter audiência

Fidelidade de ouvintes pode se transformar em financiamento coletivo e ajudar a manter podcasts

Os desafios e a rotina de contar histórias em podcast

Roteiro capaz de amarrar narrativas é segredo para um bom programa; dificuldade de financiamento é cotidiana

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

3

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

5

A Copa industrializada

Revendo algumas imagens, graças ao santo youtube, é fácil notar que a Copa de 66, na Inglaterra, teve um jeitão todo inglês. A de 70, no México, foi mexicana até o último burrito. O raciocínio parece óbvio, mas ele melhora se pegarmos as copas disputadas neste século: todas foram iguais, sem qualquer sabor local. Por incrível que pareça, conseguiram fazer uma Copa na África idêntica a uma Copa na Alemanha. A Fifa acha isso bom. Eu acho péssimo.

6

Touchdowns no ABC

A batalha de São Bernardo Cougars contra Sorocaba Vipers

7

Princesa Kate: “Edison Lobão foi minha desgraça.” 

PALÁCIO DE BUCKINGHAM – Aos prantos, três horas após aceitar como seu legítimo esposo William Arthur Philip Louis, duque de Cambridge, segundo na linha de sucessão ao trono britânico, Kate Middleton confessou ao pai: “Amo Edison Lobão.” A notícia, não confirmada pela Casa de Windsor, causou perplexidade no Reino Unido e já é considerada a pior crise da monarquia desde a renúncia de Eduardo VIII, em 1936.

8

Furo: a exemplo de falso fotógrafo exposto pela BBC, famoso blogueiro também copiava textos

A história era de grudar os olhos na tela: um blogueiro brasileiro se lançara às principais zonas de guerra do Brasil, entre elas Brasília, São Bernardo do Campo, Guarujá e Atibaia, para registrar o sofrimento humano

10

Chico Buarque é visto vendendo miçanga na praia para sobreviver

LEBLON - O fim do Ministério da Cultura fez com que artistas consagrados finalmente começassem a trabalhar.