questões aritméticas

Foi apertado

Onyx derrota Renan, mas margem de dois votos mostra maioria frágil do governo no Senado

Josette Goulart
03fev2019_02h03
Renan aperta braço de  Alcolumbre ao cumprimentá-lo durante eleição de presidente do Senado / FolhaPress
Renan aperta braço de Alcolumbre ao cumprimentá-lo durante eleição de presidente do Senado / FolhaPress

O candidato do ministro Onyx Lorenzoni ganhou a eleição para a presidência do Senado neste sábado, mas por pouco. Num pleito que durou mais de doze horas, Davi Alcolumbre, do DEM do Amapá, conquistou a liderança da Casa com 42 votos, enquanto o mínimo necessário para a vitória é 41.

“Este não é um processo democrático. Davi não é Davi, o Davi é um Golias”, esbravejou um Renan Calheiros revoltado na tribuna em meio à segunda votação do dia. Em seguida, o cacique do MDB, que até então era postulante à presidência do Senado e principal adversário de Alcolumbre, se retirou da disputa. Calheiros anteviu a própria derrota quando senadores passaram a declarar abertamente seus votos por pressão de correligionários, depois que a primeira votação foi cancelada por suspeita de fraude. Mas, mesmo sem o alagoano para polarizar, o Golias, no caso, Davi Alcolumbre, ganhou apertado. Por apenas dois votos o pleito não foi ao segundo turno.

Sábado começou com uma decisão do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, ordenando que a votação fosse secreta e presidida pelo senador mais idoso da Casa, que atualmente é o emedebista José Maranhão, aliado de Calheiros. A liminar veio depois de uma sexta-feira de ânimos exaltados. Alcolumbre havia se autoproclamado presidente e não só presidiu a cerimônia de posse dos senadores no dia 1º, como também queria presidir a sessão eleitoral, mas foi impedido. A senadora Kátia Abreu, do PDT, aliada de Renan, confiscou a pasta com os documentos da sessão. “Ele não pode ser presidente e comandar o processo eleitoral em que é candidato”, esbravejava Abreu. A revolta se deu no momento em que Alcolumbre abriu para votação a escolha sobre a publicidade dos votos da eleição. É previsto no regimento interno que os votos sejam secretos, o que beneficiava Calheiros. A senadora do Tocantins permaneceu agarrada à pasta confiscada até o momento em que a sessão foi suspensa para o retorno no dia seguinte. Pela manhã, apareceu com um buquê de flores para aquele que viria a se tornar, oficialmente, o presidente do Senado.

Davi Alcolumbre ficou em terceiro lugar na disputa para o governo do Amapá nas eleições de 2018. Derrotado, decidiu pleitear a presidência do Senado. Quase desconhecido no resto do Brasil, era o terceiro suplente da Mesa Diretora do Senado da legislatura anterior e o único que havia restado para a próxima. Todos os outros senadores estavam em fim de mandato e portanto não poderiam continuar na diretoria a partir do dia 1º de fevereiro. Dessa forma, na cerimônia de posse dos Senadores, tomou o posto de líder da Casa. Instalou-se na cadeira da presidência às 10 horas de sexta-feira e só saiu doze horas depois, sem sequer ter ido ao banheiro, para não deixar o lugar vago.

Durante a sessão, marcada por intensos bate-bocas, Calheiros chegou a partir para cima de Tasso Jereissati, senador do PSDB. “Você vai para a prisão”, retrucou Jereissati ao emedebista. O tucano acabou sendo um aliado importante de Alcolumbre, a ponto de retirar a própria candidatura em favor do candidato do DEM e costurar apoios.

Major Olímpio, senador pelo PSL paulista, partido do governo, estava incomodado com a candidatura crescente do adversário. Afinal, o PSL apoiou Rodrigo Maia, do DEM do Rio de Janeiro, para a presidência da Câmara e na sequência lançou Olímpio candidato ao Senado. Maia se elegeu com ampla maioria, enquanto o senador teve que retirar sua candidatura para apoiar Alcolumbre, que no sábado se fortaleceu como figura anti-Calheiros. Quando o emedebista abriu mão da própria candidatura, Major Olímpio chegou a perguntar se poderia voltar à disputa. Mas já era tarde, o DEM já vislumbrava uma hegemonia no Congresso presidindo as duas Casas.

Não foi só Olímpio que tentou mudar a história do pleito depois da saída de Calheiros. O senador Esperidião Amin, do PP de Santa Catarina, insistiu para que a votação começasse de novo. Ele defendeu que com a saída do alagoano acabava a polarização e assim outros candidatos poderiam se fortalecer. Ao fim e ao cabo, Calheiros foi o fator que ajudou a eleger o candidato do DEM, pois além de ter polarizado a disputa, eliminou uma outra candidata que poderia ter feito o PSDB se aliar ao MDB: a senadora Simone Tebet, do Mato Grosso do Sul, que dos 13 votos do partido, angariou 5 para sua candidatura. Foi mais forte do que Calheiros esperava, mas não o suficiente para superá-lo. No sábado, Tebet chegou a lançar uma candidatura independente, mas só para ter direito de fazer discurso na tribuna. Na sequência retirou a candidatura para apoiar Alcolumbre.

Quando o MDB decidiu pelo seu nome, Calheiros recebeu um telefonema do presidente Jair Bolsonaro. A ligação foi vazada para a imprensa. Uns dizem que o vazamento veio do próprio candidato, para mostrar força. O emedebista, por sua vez, diz que foi obra de Lorenzoni, para beneficiar Alcolumbre. O fato é que o presidente ligou, o que mostrava que Calheiros era forte candidato. Tanto que Flávio Bolsonaro, senador pelo PSL do Rio de Janeiro, votou secretamente na primeira votação de sábado. No Twitter, chegou a dizer que não abriria a sua escolha para não prejudicar seu pai. Mas quando se descobriu que dentro da urna tinham 82 cédulas, apesar de serem apenas 81 senadores, a confusão se fez. A primeira votação foi cancelada.

Renan Calheiros foi acusado de ter fraudado as urnas. “Cadê as provas?”, gritou Eduardo Braga, líder do MDB. Diante da confusão, Flávio abriu o voto em Alcolumbre. O senador Rocha, do PSDB, anunciou que todos os colegas de partido também abririam o voto. Vislumbrando a derrota, Calheiros pediu a palavra para retirar sua candidatura. “Tiraram qualquer possibilidade de termos os votos do Zé Serra e da Mara Gabrilli. O Flávio anunciou agora que estava abrindo o voto”, disse. Onyx Lorenzoni havia vencido a batalha.

Josette Goulart (siga @JosetteGoulart no Twitter)

Repórter investigativa e documentarista. Trabalhou no Valor Econômico, O Estado de S. Paulo, entre outros

Leia também

Últimas Mais Lidas

“PSL é a Geni do governo Bolsonaro”

Líder do partido no Senado diz que ministros são mal-educados com a base e que nunca falou com Santos Cruz

Sob Bolsonaro, militares perdem popularidade

Pesquisa inédita do Ibope revela queda de 13 pontos na preferência por governo militar entre brasileiros

Operação cerca-índio

Grilagem, desmatamento e perseguição a líderes assombram territórios indígenas em Rondônia

Há vagas, só não são boas

De cada 200 empregos criados em 2018, 171 pagavam até dois salários mínimos

Maria vai com as outras #7: Rugas de preocupação

Uma professora de inglês e uma física falam sobre como envelhecer afetou suas carreiras, suas vidas pessoais, a maneira como se apresentam e o que escolhem para vestir

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

Verbas pelo ralo

Empresa contratada com dinheiro de emenda apresentada pelo secretário de Previdência fez depósitos na conta de parente de Marinho; caso explicita descontrole na fiscalização

Mais textos
1

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

2

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

5

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

6

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

7

O apocalipse dos insetos

O futuro sinistro de um mundo sem mosquitos nem abelhas

9

Há vagas, só não são boas

De cada 200 empregos criados em 2018, 171 pagavam até dois salários mínimos

10

Ordem no bandejão

Universitários se reúnem para celebrar o conservadorismo