questões aritméticas

Foi apertado

Onyx derrota Renan, mas margem de dois votos mostra maioria frágil do governo no Senado

Josette Goulart
03fev2019_02h03
Renan aperta braço de  Alcolumbre ao cumprimentá-lo durante eleição de presidente do Senado / FolhaPress
Renan aperta braço de Alcolumbre ao cumprimentá-lo durante eleição de presidente do Senado / FolhaPress

O candidato do ministro Onyx Lorenzoni ganhou a eleição para a presidência do Senado neste sábado, mas por pouco. Num pleito que durou mais de doze horas, Davi Alcolumbre, do DEM do Amapá, conquistou a liderança da Casa com 42 votos, enquanto o mínimo necessário para a vitória é 41.

“Este não é um processo democrático. Davi não é Davi, o Davi é um Golias”, esbravejou um Renan Calheiros revoltado na tribuna em meio à segunda votação do dia. Em seguida, o cacique do MDB, que até então era postulante à presidência do Senado e principal adversário de Alcolumbre, se retirou da disputa. Calheiros anteviu a própria derrota quando senadores passaram a declarar abertamente seus votos por pressão de correligionários, depois que a primeira votação foi cancelada por suspeita de fraude. Mas, mesmo sem o alagoano para polarizar, o Golias, no caso, Davi Alcolumbre, ganhou apertado. Por apenas dois votos o pleito não foi ao segundo turno.

Sábado começou com uma decisão do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, ordenando que a votação fosse secreta e presidida pelo senador mais idoso da Casa, que atualmente é o emedebista José Maranhão, aliado de Calheiros. A liminar veio depois de uma sexta-feira de ânimos exaltados. Alcolumbre havia se autoproclamado presidente e não só presidiu a cerimônia de posse dos senadores no dia 1º, como também queria presidir a sessão eleitoral, mas foi impedido. A senadora Kátia Abreu, do PDT, aliada de Renan, confiscou a pasta com os documentos da sessão. “Ele não pode ser presidente e comandar o processo eleitoral em que é candidato”, esbravejava Abreu. A revolta se deu no momento em que Alcolumbre abriu para votação a escolha sobre a publicidade dos votos da eleição. É previsto no regimento interno que os votos sejam secretos, o que beneficiava Calheiros. A senadora do Tocantins permaneceu agarrada à pasta confiscada até o momento em que a sessão foi suspensa para o retorno no dia seguinte. Pela manhã, apareceu com um buquê de flores para aquele que viria a se tornar, oficialmente, o presidente do Senado.

Davi Alcolumbre ficou em terceiro lugar na disputa para o governo do Amapá nas eleições de 2018. Derrotado, decidiu pleitear a presidência do Senado. Quase desconhecido no resto do Brasil, era o terceiro suplente da Mesa Diretora do Senado da legislatura anterior e o único que havia restado para a próxima. Todos os outros senadores estavam em fim de mandato e portanto não poderiam continuar na diretoria a partir do dia 1º de fevereiro. Dessa forma, na cerimônia de posse dos Senadores, tomou o posto de líder da Casa. Instalou-se na cadeira da presidência às 10 horas de sexta-feira e só saiu doze horas depois, sem sequer ter ido ao banheiro, para não deixar o lugar vago.

Durante a sessão, marcada por intensos bate-bocas, Calheiros chegou a partir para cima de Tasso Jereissati, senador do PSDB. “Você vai para a prisão”, retrucou Jereissati ao emedebista. O tucano acabou sendo um aliado importante de Alcolumbre, a ponto de retirar a própria candidatura em favor do candidato do DEM e costurar apoios.

Major Olímpio, senador pelo PSL paulista, partido do governo, estava incomodado com a candidatura crescente do adversário. Afinal, o PSL apoiou Rodrigo Maia, do DEM do Rio de Janeiro, para a presidência da Câmara e na sequência lançou Olímpio candidato ao Senado. Maia se elegeu com ampla maioria, enquanto o senador teve que retirar sua candidatura para apoiar Alcolumbre, que no sábado se fortaleceu como figura anti-Calheiros. Quando o emedebista abriu mão da própria candidatura, Major Olímpio chegou a perguntar se poderia voltar à disputa. Mas já era tarde, o DEM já vislumbrava uma hegemonia no Congresso presidindo as duas Casas.

Não foi só Olímpio que tentou mudar a história do pleito depois da saída de Calheiros. O senador Esperidião Amin, do PP de Santa Catarina, insistiu para que a votação começasse de novo. Ele defendeu que com a saída do alagoano acabava a polarização e assim outros candidatos poderiam se fortalecer. Ao fim e ao cabo, Calheiros foi o fator que ajudou a eleger o candidato do DEM, pois além de ter polarizado a disputa, eliminou uma outra candidata que poderia ter feito o PSDB se aliar ao MDB: a senadora Simone Tebet, do Mato Grosso do Sul, que dos 13 votos do partido, angariou 5 para sua candidatura. Foi mais forte do que Calheiros esperava, mas não o suficiente para superá-lo. No sábado, Tebet chegou a lançar uma candidatura independente, mas só para ter direito de fazer discurso na tribuna. Na sequência retirou a candidatura para apoiar Alcolumbre.

Quando o MDB decidiu pelo seu nome, Calheiros recebeu um telefonema do presidente Jair Bolsonaro. A ligação foi vazada para a imprensa. Uns dizem que o vazamento veio do próprio candidato, para mostrar força. O emedebista, por sua vez, diz que foi obra de Lorenzoni, para beneficiar Alcolumbre. O fato é que o presidente ligou, o que mostrava que Calheiros era forte candidato. Tanto que Flávio Bolsonaro, senador pelo PSL do Rio de Janeiro, votou secretamente na primeira votação de sábado. No Twitter, chegou a dizer que não abriria a sua escolha para não prejudicar seu pai. Mas quando se descobriu que dentro da urna tinham 82 cédulas, apesar de serem apenas 81 senadores, a confusão se fez. A primeira votação foi cancelada.

Renan Calheiros foi acusado de ter fraudado as urnas. “Cadê as provas?”, gritou Eduardo Braga, líder do MDB. Diante da confusão, Flávio abriu o voto em Alcolumbre. O senador Rocha, do PSDB, anunciou que todos os colegas de partido também abririam o voto. Vislumbrando a derrota, Calheiros pediu a palavra para retirar sua candidatura. “Tiraram qualquer possibilidade de termos os votos do Zé Serra e da Mara Gabrilli. O Flávio anunciou agora que estava abrindo o voto”, disse. Onyx Lorenzoni havia vencido a batalha.

Josette Goulart (siga @JosetteGoulart no Twitter)

Fundadora da Lagartixa Diária, o jornal das redes sociais. Trabalhou no Valor Econômico, O Estado de S. Paulo, entre outros

Leia também

Últimas Mais Lidas

Ascensão e queda de um ex-Van Gogh

Tela do Masp atribuída ao pintor holandês tem autoria revista e inspira debate sobre valor artístico

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

Seis conclusões sobre o modelo do mundo sem a Amazônia 

O preço que o Brasil e o mundo pagarão caso a floresta continue a ser derrubada para dar lugar à pecuária

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Domingo – um dia especial

Filme paga preço alto ao ser lançado agora, quando expectativa de “nova era” se mostrou ilusória

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

Maria Vai Com as Outras #5: Crime e castigo contra a mulher

Uma socióloga e uma defensora pública falam dos efeitos que a violência tem na vida profissional das mulheres

Mais textos
1

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

2

Fala grossa e salto fino

As façanhas de Joice Hasselmann, do rádio ao Congresso

3

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

4

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

5

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

7

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

10

Letra preta

Os negros na imprensa brasileira