eleições 2020

Foro de Teresina ao vivo no segundo turno

Saiba como acompanhar a transmissão

23nov2020_19h34

OForo de Teresina fará uma transmissão ao vivo durante a apuração dos votos no segundo turno das eleições municipais. No dia 29 de novembro, domingo, a partir das 17h, Fernando de Barros e Silva, José Roberto de Toledo e Malu Gaspar comandarão o programa nos perfis da piauí no Twitter e no Facebook e no nosso canal no YouTube.

Entre os convidados que vão participar do programa estão Márcia Cavallari, CEO do Ibope Inteligência, e Pedro Abramovay, advogado e diretor da Open Society Foundations para a América Latina e Caribe, que vai fazer um balanço dos desafios da esquerda após a eleição.

Para discutir o papel das redes sociais nesta eleição, Pedro Bruzzi, sócio da consultoria de dados Arquimedes, vai apresentar um levantamento inédito sobre a mobilização política na internet às vésperas do segundo turno. Ele discute os dados dessa pesquisa com Leonardo Barchini, pesquisador do Cepesp – o Centro de Estudos em Política e Economia do Setor Público da FGV.

Maria Hermínia Tavares, que é pesquisadora do Cebrap – Centro Brasileiro de Análise e Planejamento –, professora da USP e colunista da Folha de S.Paulo, entra na conversa para falar sobre a reorganização da direita e o que será do PSDB após as eleições.



Samira Bueno, diretora executiva do Fórum Brasileiro de Segurança, vai falar sobre o desempenho dos candidatos policiais nas urnas e o que mudou nesse cenário de 2018 para cá.

A cientista política e professora da UFF Soraia Vieira, que participou do Foro ao vivo no primeiro turno, volta a conversar com o trio, desta vez para discutir o crescimento do Centrão nos municípios e se isso deve implicar uma reorganização partidária no Brasil.

E Bernardo Esteves, repórter de ciência da piauí, recebe para uma conversa Natalie Unterstell, especialista em políticas de proteção ambiental. Os dois vão discutir como as eleições municipais podem impactar, para bem ou para mal, as políticas ambientais do país.

Leia também

Relacionadas Últimas

Foro ao vivo no 1º turno: veja como foi a transmissão

Programa transmitido no domingo de eleição está disponível no YouTube, na íntegra; análise sobre a votação pode ser ouvida nos tocadores e no site da piauí

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Consórcio de checagem de fatos é indicado ao Nobel da Paz

Presente em 51 países, entre eles o Brasil, Rede Internacional de Verificação de Fatos (IFCN) recebeu a nomeação nesta quinta-feira (21)

A queda do padre youtuber

Marcos de Miranda é afastado da Igreja após denúncia de que infringiu o celibato e tem um filho de 2 anos. Ele nega a acusação

“O mundo em torno de mim está se desfazendo”

Jornalista que vive no Amazonas há trinta anos descreve o colapso dos hospitais manauaras durante a segunda onda da pandemia

Vacina em causa própria

Veterinário que comanda o Departamento de Imunização do Ministério da Saúde inclui a própria categoria na fila prioritária de vacinação contra a Covid-19

A epidemia particular das prisões

No Brasil, suicídios são quatro vezes mais comuns nas cadeias do que fora delas; famílias de presos lutam para que Estado se responsabilize pelas mortes

Pesadelo em Manaus

Mais trinta mil mortos pela Covid em apenas trinta dias. Quem é o responsável por essa tragédia?

Mais textos
1

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

2

121

5

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

6

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

7

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

8

Quixote venceu

Memórias e dúvidas metafísicas de um torcedor do Galo diante da glória

9

Um pierrô apaixonado

As melhores marchas do carnaval do Rio de Janeiro sucederam-se na boca do povo ao longo das décadas de 1920 a 1950, para fixar-se em seguida na memória de todos os cariocas, mesmo aqueles para quem o carnaval será sempre apenas um feriado. Repetidas ao infinito nas rádios, cantadas nas ruas e nas casas, muitas das marchinhas mais populares tornaram-se imortais.