rádio piauí

Foro de Teresina #5: Epidemia de homicídios, o fracasso da vacina e a Copa da fisiologia

O podcast de política da piauí debate o quadro da violência no Brasil, a expansão do crime organizado e a corrida por alianças na eleição presidencial

14jun2018_16h53
O crime organizado se alastra por novas regiões do país e já assume, hoje, a condição de poder paralelo.
O crime organizado se alastra por novas regiões do país e já assume, hoje, a condição de poder paralelo. ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

A violência no Brasil é pauta dos dois primeiros blocos do Foro de Teresina: no primeiro, o assunto são as estatísticas tenebrosas reveladas pelo Atlas da Violência 2018; no segundo, a recente escalada do crime organizado nos estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais e a ineficácia de políticas de segurança pública. O terceiro bloco debate, por fim, a corrida pelas alianças partidárias a poucos meses da eleição presidencial.

Bloco 1 – A violência epidêmica
O Atlas da Violência 2018 revelou dados alarmantes sobre o Brasil: em 2016, o país superou, pela primeira vez em sua história, a marca de 60 mil homicídios em um ano. A violência, que se alastra pelo Norte e Nordeste, está provavelmente relacionada à expansão do crime organizado e ao aumento do tráfico de drogas nas duas regiões.

Desde 1979, o Brasil vem registrando uma linha ascendente na taxa de homicídios a cada 100 mil habitantes. A única retração ocorreu no início dos anos 2000, em decorrência da aprovação do Estatuto do Desarmamento. Para acessar o gráfico, clique aqui.

Bloco 2 – Crime organizado, Estado desorganizado
Em apenas uma semana, facções criminosas protagonizaram cenas chocantes de violência no país: um tiroteio deixou sete mortos em um dos cartões postais do Rio de Janeiro, enquanto, em Minas Gerais, mais de 60 ônibus foram incendiados em dezenas de cidades – ao que tudo indica, a mando do PCC. Em ritmo de expansão, o crime organizado assume, cada vez mais, a condição de um poder paralelo, que cresce no vácuo de políticas estratégicas de segurança pública.



Bloco 3 – Caça aos aliados
Os meses de junho e julho serão decisivos para a definição da corrida presidencial no Brasil. Enquanto Ciro Gomes avança nas negociações por uma aliança com o PSB, Geraldo Alckmin busca consolidar o apoio do DEM e do PP a sua candidatura. Isolado, o PT cogita integrar Josué Gomes à chapa de Lula. O filho do ex-vice-presidente da República José de Alencar pode se tornar candidato quando Lula for impedido de concorrer. A manobra encontra grande resistência no próprio PT.

Quer ouvir os episódios anteriores? Clique aqui.

Você também pode ouvir o podcast em outras plataformas:

 Spotify: clique aqui.

 iTunes: clique aqui.

 SoundCloud: clique aqui.

 YouTube: clique aqui.

Resultado de imagem para stitcher icone  Stitcher: clique aqui.

Resultado de imagem para rss  Feed: é possível acompanhar o Foro de Teresina por outros agregadores. Para isso, o RSS do podcast é http://forodeteresina.libsyn.com/rss

Está tendo dificuldades para ouvir o podcast? Confira o nosso guia.

Ficha técnica:
Apresentação: Fernando de Barros e Silva, José Roberto de Toledo e Malu Gaspar
Direção: Paula Scarpin
Produção: Luiza Miguez e Luigi Mazza
Edição: Filipe Di Castro
Finalização e mixagem: João Jabace
Música tema: Wânya Sales e Beto Boreno
Identidade visual: João Brizzi
Ilustração: Paula Cardoso
Distribuição: Kellen Moraes, Luigi Mazza e Yasmin Santos
Gravado no estúdio da Rádio Batuta, no Instituto Moreira Salles

mais rádio piauí

Últimas Mais Lidas

Foro ao vivo no 2º turno: o que concluir das eleições

Podcast de política da piauí fez um balanço do resultado das eleições municipais; a...

Marcadores do destino

Marcadores presentes no sangue podem aumentar ou diminuir os riscos do paciente infectado pela Covid-19...

Foro de Teresina #128: As urnas, o racismo e o vírus

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Sobra eficácia, faltam vacinas

Vacinas da Moderna e da Pfizer contra Sars-CoV-2 protegem 95 em cada 100 imunizados, mas...

Foro de Teresina #127: Maré alta contra Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro ao vivo no 1º turno: veja como foi a transmissão

Programa transmitido no domingo de eleição está disponível no YouTube, na íntegra; análise sobre...

Foro de Teresina #126: Saliva e pólvora contra a vacina

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #125: As urnas contra Trump e Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Podcast Praia dos Ossos chega ao último episódio

Ouça já o capítulo final da série produzida pela Rádio Novelo

Quando gente vira cobaia

Fernando Reinach explica quais são e como funcionam os controles que existem para cientistas não...

Mais textos
2

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

3

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

6

Cirurgia à peruana

Em conversa com Paula Scarpin, Bernardo Esteves fala sobre a Chegada da piauí_100

7

Ministério da Agricultura proíbe promoção de chã, patinho e lagarto

BRASÍLIA - “É um cartel!” Foi assim, com exclamação e tudo, que o ministro da Agricultura e Pecuária, Reinhold Stephanes, abriu a coletiva de imprensa para anunciar as resoluções de sua pasta para o último ano do governo Lula. Entre as principais medidas, a que causou mais impacto foi a proibição da venda de chã, patinho e lagarto por preços iguais. “Faz mais de vinte anos que escuto, nos anúncios dos mercados, que essas três carnes estão em promoção, e mais, vendidas pelo mesmo valor", disse indignado.

8

Hipótese Escorel

Após ler o post de Eduardo Escorel motivado por um debate sobre cinema brasileiro em Porto Alegre, o crítico Jean-Claude Bernardet escreveu-lhe: “Aceito tudo o que você escreve, não me sinto em contradição com você. No entanto, seu texto me deixa insatisfeito, porque eu sinto no teu texto como nos meus que estamos girando em torno de algo que não sabemos o que é, ou preferimos não saber.” 

9

Cinema político (I)

Nós – cineastas, produtores e demais integrantes da comunidade cinematográfica – temos capacidade de interagir com o público através de filmes que reflitam a gravidade da crise que o país atravessa?