colunistas

A fortaleza de Lula

Como o ex-presidente pretende evitar que Ciro ou Marina chegue ao segundo turno

A fortaleza de Lula
05set2018_06h50

Fernando Collor e Lula disputaram o segundo turno da primeira eleição presidencial da redemocratização, em 1989, como duas versões diferentes de uma ponte simbólica que prometia vencer politicamente o abismo real entre o Norte e o Sul do país. Nas eleições de 1994 e 1998, FHC construiu sua ponte Norte-Sul em uma aliança com o então PFL, dominante no Nordeste e em partes do Norte e do Centro-Oeste. Àquela altura, Lula já personificava, ele mesmo, essa ponte.

PT e PSDB polarizaram as eleições presidenciais desde 1994. Mas as disputas envolveram muitas vezes candidaturas desafiantes e competitivas. Em 1998, o principal desafiante foi Ciro Gomes. Terminou em terceiro lugar, com 11% da votação. Foi sua estreia em campanhas presidenciais, uma preparação para a eleição seguinte, quando FHC já não poderia mais se candidatar.

Em 2002, as chances de Ciro pareciam palpáveis. Até agosto, ele estava à frente do candidato do PSDB, José Serra, que não reproduziu a aliança Norte-Sul de FHC. Chegou a ficar tão próximo de Lula, líder em intenção de votos, que se pensava que poderia ultrapassá-lo. A propaganda negativa foi feita pelo próprio Ciro, com uma série de declarações deploráveis e eleitoralmente catastróficas. O candidato terminou em quarto lugar, com 12% da votação, atrás de Anthony Garotinho.

Em 2006, não houve desafiante efetivamente competitivo à alternativa PT-PSDB. Foi também a última eleição em que o PSDB construiu uma aliança Norte-Sul, estampada na chapa Geraldo Alckmin e José Jorge. A partir da eleição de 2010, o PSDB abandonou em definitivo a pretensão de construir uma ponte Norte-Sul, recuando para chapas fincadas no Sudeste. Com isso, enfraqueceu sua própria posição de polo eleitoral, ao mesmo tempo em que estabeleceu a fortaleza que Lula tem hoje, e abriu de vez a avenida para desafiantes que pretendessem propor esse tipo de ponte como alternativa ou em oposição à ponte lulista.

Foi por essa via que enveredou uma nova desafiante competitiva, Marina Silva, em 2010. Terminou a eleição em terceiro lugar, com cerca de 20% dos votos, atrás de Dilma Rousseff e José Serra. Como no caso de Ciro em 1998, foi uma preparação para a eleição seguinte.

Na eleição de 2014, Eduardo Campos surgiu como o desafiante a encarnar uma nova proposta de ponte Norte-Sul. Sua trágica morte impediu de saber o resultado da estratégia traçada. Mas o expressivo salto de sua substituta, Marina Silva, nas intenções de voto demonstrou o potencial presente nesse cálculo.

 

Voltemos agora ao início deste ano, a 24 de janeiro de 2018, dia em que Lula foi condenado em segunda instância. O Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, não apenas confirmou a sentença do juiz Sérgio Moro como aumentou a pena antes estabelecida, elevando o tempo de prisão para 12 anos e um mês. Naquele momento, Ciro teve a convicção de que a sua vez tinha chegado.

O raciocínio era simples. Não podendo ser candidato, Lula teria de passar o bastão para alguém que pudesse encarnar a ponte Norte-Sul. Não tendo à disposição um nome alternativo competitivo e precisando sobreviver politicamente, teria de apoiar Ciro. Ou acabaria apoiando um nome do PT pouco competitivo, o que abriria de qualquer maneira o caminho para a eleição de Ciro. Estando preso, Lula tenderia a perder intenção de voto. No momento em que sofresse uma queda significativa nas pesquisas, teria de passar o bastão.

Como se sabe, nada disso aconteceu. Preso, Lula viu sua intenção de voto alcançar patamar próximo a 40%. Usou bem esse recurso para isolar Ciro, impedindo que o candidato do PDT fechasse alianças com o PSB ou o PCdoB, partidos estratégicos na disputa do eleitorado nordestino.

O raciocínio de Ciro foi também partilhado por Marina, ainda que de maneira diferente. Como Ciro, Marina concluiu que era o espólio lulista que estaria em disputa na eleição deste ano, já que Lula não poderia ser ele mesmo candidato. Concluiu que haveria espaço para mais de uma candidatura que se apresentasse como ponte Norte-Sul, já que o PSDB tinha abandonado inteiramente essa pretensão. Daí que, pela primeira vez desde o Plano Real, duas propostas simultâneas de ponte Norte-Sul alternativas ao PT e ao PSDB, Marina e Ciro, disputem uma mesma eleição presidencial.

Não foi por acaso que Marina se fingiu de morta desde a eleição de 2014. Escaldada pelo massacre que sofreu por parte da campanha de Dilma, Marina passou o tempo todo tentando fugir da artilharia do ex-presidente, que atingiu em cheio as articulações da candidatura de Ciro. Foi tão bem-sucedida que sumiu do quadro eleitoral até o início efetivo da campanha.

Agora é a hora da verdade para Lula, é o momento de mostrar a última cartada de sua estratégia. O que se sabe: Lula não pretende deixar que tomem dele a posição de ponte Norte-Sul. Essa é a fonte de todo o seu poder e de toda a sua legitimidade. Em termos concretos: não pode permitir que Ciro ou Marina chegue ao segundo turno. Qual é a melhor linha de ação para evitar que isso aconteça?

Depois que tanto Ciro como Marina cresceram expressivamente na intenção de voto, não há outra resposta possível senão esta: Lula precisa apostar tudo o que tem na campanha de Fernando Haddad. E, no entanto, a demora na oficialização de Haddad como candidato parece ir no sentido contrário, parece sacrificar as chances do ex-prefeito de chegar ao segundo turno. Isso desespera em especial o eleitorado petista e os candidatos aos governos estaduais, além de enlouquecer o PCdoB e o PSB. Porque todo mundo sabe que decisões cruciais e estratégicas serão tomadas com base nas pesquisas que serão divulgadas na próxima semana. E é muito provável que Haddad ainda não apareça como candidato oficial nessas pesquisas.

Acontece que Lula continua a acreditar que a transferência de votos será tanto mais efetiva se for realizada em um sprint de um mês, num tiro tão curto quanto a própria campanha deste ano. Não parece ver razão para mudar a estratégia que traçou desde que foi preso. Afinal, deu certo até agora. O pessoal que tome calmante e respire fundo.

A estratégia de Marina de ficar fora do radar de Lula pode lhe permitir sonhar com a conquista de parte da fortaleza de votos do ex-presidente. Mas, se for bem-sucedida, a estratégia de Lula conta que a candidata entrará imediatamente na mira de campanhas negativas. Só que da parte de Geraldo Alckmin desta vez, que para isso tem a seu dispor um latifúndio de tempo na tevê.

Já Ciro só tem chance se o próprio Lula errar. Como prometeu que faria, Ciro não se autodestruiu como em 2002. Se não conseguir desalojar Lula do papel de ponte nesta eleição, pelo menos não terá sido por sua própria culpa. Porém, o mais difícil em qualquer coisa na vida é ter de contar com o erro alheio para ser bem-sucedido.

A fortaleza de Lula

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

RBG – Ruth Bader Ginsburg, a juíza da Suprema Corte que faz diferença

Mesmo aquém de seu personagem, documentário é chance de conhecer mulher singular

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

Alertas mais precisos contra o desmatamento

Nova plataforma gratuita de monitoramento flagrou, em seis meses de testes, quase 900 quilômetros quadrados desmatados

Foro de Teresina #54: O trânsito de Bolsonaro, o bate-cabeça da oposição e o elogio da agressão

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Bolso esvazia bolsonarismo

Estagnação da economia é a maior razão de arrependimento de quem votou em Bolsonaro mas acha o governo ruim ou péssimo

1

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

2

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram

3

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

4

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

5
8

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

10

Bolso esvazia bolsonarismo

Estagnação da economia é a maior razão de arrependimento de quem votou em Bolsonaro mas acha o governo ruim ou péssimo