Igualdades

Funcionários sem fim

Emily Almeida e Renata Buono
29abr2019_09h55

Médias salariais altas, grande número de funcionários. As Assembleias Legislativas dos dois mais ricos estados brasileiros, São Paulo e Rio de Janeiro, estão entre as mais caras do país. Seus gastos também são altos se comparados a outras assembleias ao redor do mundo. Os Legislativos estaduais são o assunto da seção =igualdades desta semana.A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, a Alerj, tem 27 funcionários para cada 100 mil habitantes. Na Assembleia Estadual da Califórnia, a proporção é de três funcionários para cada 100 mil habitantes. Ou seja, para cada funcionário da Assembleia da Califórnia, a do Rio tem 9, proporcionalmente à população.

 

O valor gasto anualmente para pagar funcionários da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (435 milhões) equivale a quase 2 anos de despesas do estado com ensino superior (238,7 milhões em 2018).

Para cada servidor lotado no gabinete da presidência da Assembleia de São Paulo (15), há 9 na do Rio (138).

Em 2018, o custo médio mensal de um servidor ativo da Assembleia de São Paulo foi de 19 mil reais. O valor equivale a 3 salários médios de médicos admitidos no país durante o mesmo período.

O número de funcionários da Assembleia de São Paulo (3.159) corresponde a todos os empregados do setor de geração de energia elétrica no estado.

Embora a Assembleia de São Paulo tenha um número menor de servidores ativos (3 159) em comparação com a do Rio (4 706), seu gasto com funcionários é maior. Um servidor da Assembleia paulista ganha, em média, 2,4 vezes mais que um da Assembleia do Rio.

O gasto anual com servidores da Assembleia de São Paulo (718,5 milhões) seria suficiente para manter os funcionários da Assembleia Estadual da Califórnia (custo anual de 309.5 milhões) por 2 anos.

O gabinete da presidência da Alerj possui uma área de 500m². Se dividida pelo número de funcionários, seriam 3,6m² por pessoa, mesma densidade do estádio do Maracanã lotado. Segundo o vice-presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro, um espaço adequado teria pelo menos 4m² por pessoa.

 

Fontes: Alerj, Alesp, California State Assembly, Caged, Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro, Odebrecht e CAU/RJ.

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

É estagiária de jornalismo da piauí. Antes, trabalhou no jornal O Globo

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Traídas pela Renata

Deputada acusada de usar candidatas laranjas agora quer flexibilizar cotas eleitorais para mulheres; bancada feminina entra em guerra contra “lei da maridocracia”

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

4

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

6

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

9

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

10

Cortes de Bolsonaro emperram pesquisa para deter câncer incurável no cérebro

Sem bolsas federais, pesquisadora aprovada em primeiro lugar na UFRJ atrasa estudo sobre vírus da zika como arma contra tumor