questões cinematográficas

Gabriel e a montanha – viagem mística

Filme de Fellipe Barbosa supera com galhardia os desafios de resistência física e psicológica e o de integrar homens comuns à reencenação

Eduardo Escorel
06nov2017_17h11
Mais do que uma simples homenagem a Gabriel Buchmann, o filme de Felippe Barbosa é uma forma de reencontrar o amigo morto e lidar com sua perda
Mais do que uma simples homenagem a Gabriel Buchmann, o filme de Felippe Barbosa é uma forma de reencontrar o amigo morto e lidar com sua perda FOTO: DIVULGAÇÃO

Não se trata apenas de reencenar a viagem final de um amigo de infância, de quem o diretor Fellipe Barbosa foi colega até os 17 anos no Colégio de São Bento. Em Gabriel e a Montanha, Barbosa e sua equipe refazem eles mesmos, com a maior precisão possível, todos os passos da grande aventura de Gabriel Buchmann, na qual ele cruzou, em 2009, o Quênia, Tanzânia, Zâmbia e o Malaui nos setenta dias finais de sua vida.

Além do extenso percurso em si, passando pelo monte Kilimanjaro, Barbosa também incorpora ao elenco pessoas comuns com as quais Gabriel teve contato durante sua viagem, trabalhando com atores profissionais em apenas dois papeis principais –  Gabriel Buchmann (João Pedro Zappa) e Cristina Reis (Caroline Abras) –,  além de Manuela Picq numa pequena participação fazendo o papel da montanhista inglesa Nadia, última pessoa a estar com Gabriel vivo.

Apesar do próprio Barbosa reconhecer que “não dá para dissociar” a viagem de Gabriel da que foi feita para realizar a filmagem, a bem-sucedida epopeia da equipe –uma grande aventura em si mesma com forte conotação mística – não é incluída no filme. Uma pena! A exclusão impede o espectador desavisado de conhecer um aspecto fundamental do projeto. Mesmo sendo realizado “em memória de Gabriel Buchmann”, conforme indica a dedicatória nos créditos de abertura, Gabriel e a Montanha é muito mais do que uma simples homenagem. “Fazer o filme foi uma maneira de reencontrar o amigo morto, de estender a mão para ajudar Gabriel e de lidar com sua perda”, declarou Barbosa.

Talvez haja, também, envolvido no projeto, um componente da culpa que acomete o sobrevivente. Por que ele, e não eu, Barbosa terá se perguntado em algum momento? Filmar Gabriel e a Montanha seria uma tentativa de se desculpar por não ter feito a viagem com ele e, talvez, moderado o voluntarismo que o levou à morte?

Embora compreensível, e digno de respeito, o recato de Barbosa, mantendo-se nos bastidores, frustra a possibilidade de acesso a essa outra esfera que passa a integrar a história de Buchmann – o empenho de Barbosa em reviver e registrar a viagem final do amigo, mesmo consciente de estar se expondo, e à sua equipe, a riscos que poderiam ser fatais. Preocupado para que todos voltassem bem para o Brasil, avisou que “o dia do ataque pro pico [do Kilimanjaro], em que a gente vai de 4 700 para 5 895 [metros], de madrugada, num frio de menos quinze a menos vinte [graus]” seria “o dia mais duro da vida deles”.

O desafio a vencer na filmagem não é apenas de resistência física e psicológica, superando altitudes, distâncias e condições de trabalho adversas. É também o de integrar homens comuns à reencenação e de conseguir harmonizar atores não-profissionais com profissionais, assim como eventos ocorridos com outros menos documentais. De maneira geral, Gabriel e a Montanha supera essas dificuldades com galhardia, embora talvez pudesse ter estendido os depoimentos sobre Gabriel, fortalecendo no espectador a impressão de que ele deixou naqueles com quem conviveu em sua jornada africana.

As árduas condições da filmagem devem ser responsáveis por certa heterogeneidade de estilo, variando entre planos feitos com rapidez e tomada única – no alto dos montes, por exemplo –, e a sofisticada encenação do plano-sequência de abertura. A cena talvez possa ser chamada de minimalista, dada sua simplicidade. A ação se resume a dois homens que se deslocam devagar enquanto ceifam capim na encosta do monte Mulanje e acabam encontrando o corpo do homem branco. Gabriel e a Montanha parte desse momento em que o imperativo do real se impôs, e foi preciso aceitar a realidade de que  não havia mais esperança de Gabriel ser encontrado vivo.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #5: Crime e castigo contra a mulher

Uma socióloga e uma defensora pública falam dos efeitos que a violência tem na vida profissional das mulheres

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

Moro em queda livre

Ministro e seu pacote anticrime perdem espaço no governo, no TCU e no Twitter

Foro de Teresina #72: Bolsonaro contra o PSL, o governo contra a imprensa, e o Sínodo pela Amazônia

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Entre a cruz e a motosserra

Na Amazônia profunda, missionária católica enfrenta a falta de padres, os pastores evangélicos e o desmatamento, enquanto papa faz Sínodo sobre a região

O retorno da audácia à Nicarágua

Estudante que desafiou Daniel Ortega volta do autoexílio para retomar resistência ao regime

Frans Krajcberg – dignidade e revolta

Documentário faz reviver inconformismo do artista diante da destruição ambiental brasileira 

Extra: Foro de Teresina especial no Festival Piauí de Jornalismo

Programa gravado ao vivo em São Paulo já está disponível

Mais textos