brincando com fogo

Gaúchos ficam sem churrasco durante julgamento de Lula

Esquema de segurança para protestos no dia 24 fecha por 48 horas tradicional churrascaria de Porto Alegre, ponto de encontro de políticos

Rafael Moro Martins
18jan2018_17h18
ILUSTRAÇÃO: REPRODUÇÃO_GOOGLE MAPS

Ojulgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na próxima quarta-feira, em Porto Alegre, vai interferir numa sagrada instituição gaúcha: o churrasco. Instalada desde 1984 no Parque da Harmonia, onde também está o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, o TRF-4, a tradicional churrascaria Galpão Crioulo terá de fechar as portas por 48 horas. A casa de mil metros quadrados e capacidade para 400 pessoas é destino de turistas por oferecer, além de 20 tipos de carne, shows de música tradicionalista. Ela fica dentro do perímetro de segurança definido pelas autoridades locais para o julgamento.

“Como ocupamos uma área de concessão pública, temos que seguir a determinação da prefeitura. Fecharemos na terça e na quarta”, resignou-se Adalberto Zanatta, proprietário da casa, numa conversa por telefone. Ele discorda e não vê razão para as autoridades locais se preocuparem com a segurança de seu estabelecimento. A churrascaria “é imparcial”, diz o dono. E explica: “Não emitimos opinião. Quem está julgando é quem estudou para isso. Aqui, atendemos maragatos e chimangos, gremistas e colorados, petistas e antipetistas. E sentados lado a lado.”

Não são apenas os turistas que procuram a Galpão Crioulo. O tamanho fez da casa um local frequentemente escolhido por partidos políticos para seus eventos. “Já fizemos festas aqui para o Lula, o Zé Dirceu já esteve aqui. Não deve haver partido para quem a gente não tenha feito festa”, rememorou Zanatta. Prudente, ele preferiu não revelar qual sua torcida para a próxima quarta-feira. Primeiro colocado nas pesquisas eleitorais, Lula recorre ao TRF-4 contra a condenação a nove anos e meio de prisão, em primeira instância, pelo caso do tríplex do Guarujá.

A ideia do gabinete de crise montado por autoridades municipais, estaduais e federais para preparar a cidade para os manifestantes contra e a favor de Lula é isolar todo o perímetro do Parque da Harmonia. Ali, além da Galpão Crioulo e do TRF-4, se localizam as sedes regionais dos ministérios da Fazenda, Agricultura, Pecuária e Abastecimento, do Incra, IBGE e do Serpro, do Ministério Público Federal e da Câmara Municipal. “Pedimos que a partir do meio-dia de terça-feira não haja expediente nesses órgãos”, disse o secretário de Segurança Pública gaúcha, Cezar Augusto Schirmer, em entrevista à piauí.

O entorno do Parque da Harmonia deve ser o local mais procurado pelos manifestantes que vêm chegando a Porto Alegre para o julgamento. Apenas o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, o MST, espera levar dois mil militantes dos três estados do Sul para acampar na cidade – a primeira escolha para pernoite era justamente o parque, mas isso foi vetado por uma decisão judicial.

“O prejuízo vai ser grande”, avaliou o dono da churrascaria. “Essa já é uma época difícil, o pessoal de Porto Alegre se muda para a praia. Qualquer receita perdida faz falta em dobro”, completou, referindo-se aos porto-alegrenses que saem da cidade no verão, quando ela ganha o apelido de “Forno Alegre”. “Nessa época, a quarta e a quinta são os dias de mais movimento. Na sexta, o pessoal já viaja. E quarta tem muito turismo de negócios por aqui”, disse o empresário, que emprega 40 pessoas e não estimou quanto deixará de ganhar por causa do fechamento. O rodízio na churrascaria varia de 39 a 89 reais, dependendo do horário e da quantidade de carnes.

Mesmo vizinhos da churrascaria, o juiz federal de segunda instância João Pedro Gebran Neto, relator dos processos da Lava Jato no TRF-4, nascido e criado em Curitiba, e seus auxiliares, não costumam dar as caras na Galpão Crioulo. “Mas os advogados que passam pelo tribunal são clientes”, garantiu Zanatta. “Os defensores do Lula, do Zé Dirceu e de outros réus vêm bastante. Talvez porque é perto.”

Pensando na clientela que vai trabalhar no julgamento, o empresário tentaria uma última cartada para manter as portas abertas no dia 24. “Estamos pressionando a prefeitura para podermos abrir e atender os jornalistas credenciados.” Profissionais de todo o país e do exterior chegarão a Porto Alegre para acompanhar a sessão, e parte deles fará a cobertura do lado de fora do prédio do TRF-4. “Aqui perto não tem nada, restaurante, banheiro, para esse pessoal”, argumentou Zanatta.

Nesta quinta-feira à tarde, ele enviou ofício à prefeitura para apresentar seus argumentos – espera uma resposta até amanhã. Nas declarações à piauí, a Secretaria da Segurança Pública foi taxativa. “Eles já sabem que terão que fechar na terça e na quarta-feira”, disse um assessor da pasta. Outro estabelecimento comercial, a Casa do Gaúcho, espaço de eventos para bailes e festas de formatura, está instalado dentro do Parque da Harmonia. Ninguém atendeu aos telefonemas nesta quinta-feira, para descobrir se os proprietários também tentam evitar o isolamento do local.

Rafael Moro Martins

Jornalista freelancer baseado em Curitiba. Colaborador de The Intercept Brasil, Valor Econômico e UOL. Integrante do projeto Livre.jor

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #3: Quero ser mãe, não quero ser mãe

Uma editora e uma advogada e escritora falam sobre os desdobramentos na vida de uma mulher quando ela decide ter ou não ter filhos

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

4

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

6

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

9

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

10

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde